Conto Chapeuzinho Vermelho


Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Quem nunca ouviu falar na Chapeuzinho Vermelho? Em geral somos apresentados a personagem quando ainda somos crianças através das histórias infantis. A narrativa permanece no nosso imaginário coletivo e até hoje reproduzimos a história para as novas gerações.

A história da Chapeuzinho Vermelho, contada há séculos, surgiu na Idade Média, a partir da tradição oral dos camponeses europeus.

Como o final da história original era trágico - o Lobo devorava a avó e a neta - no século XIX, os irmãos Grimm alteraram a narrativa e acrescentaram a figura do caçador, que salva todos e garante um final feliz. 

Resumo da história

Era uma vez (e como todo bom conto de fadas se inicia com "Era uma vez", Chapeuzinho Vermelho não foge à regra) uma bela e ingênua menina. A garota, que vivia com a mãe, era encantada pela avó - e avó por ela.

Um belo dia a avó adoece e a mãe de Chapeuzinho pergunta se a menina não pode levar algo para a avó comer. A casa da menina ficava na vila e a da avó no meio da floresta, a uma certa distância.

A menina prontamente se mostra disposta a ajudar e a mãe lhe entrega uma cesta com o alimento. Na versão de Perrault, Chapeuzinho carrega bôla e manteiga, na versão dos irmãos Grimm são alguns bolinhos e uma garrafa de vinho.

Ainda no princípio do caminho rumo a casa da avó, a menina é interrompida pelo Lobo, que puxa conversa e pergunta para onde ela vai. Chapeuzinho, ingênua, cai na conversa do Lobo e diz que vai levar quitutes para a avó, que está adoentada. O Lobo sugere então que a menina siga por um determinado caminho.

Esperto, o Lobo vai por um caminho mais curto e chega na casa da avó primeiro. Quando a avó pergunta quem bate a porta, o Lobo se faz passar pela menina e a avó, também ingênua, ensina-o a abrir a porta. Assim que vê a velha, o Lobo a devora prontamente.

Matreiro, ele coloca as roupas da avó e se deita na cama, a espera que a menina chegue. Quando Chapeuzinho bate na porta o Lobo responde como se fosse a avó, enganando-a. O vilão então tem o famoso diálogo com a mocinha quando a garota estranha as formas da avó:

“Ó avó, que orelhas grandes você tem!” 
“É para melhor te escutar!”
“Ó avó, que olhos grandes você tem!”
“É para melhor te enxergar!”
“Ó avó, que mãos grandes você tem!”
“É para melhor te agarrar!”
“Ó avó, que boca grande, assustadora, você tem!”
“É para melhor te comer!”

O Lobo finalmente devora a pobre menina. Na versão de Perrault a história se encerra assim, com a avó e a menina devoradas. Os irmãos Grimm, por sua vez, deram continuidade a narrativa e inventaram a figura do caçador.

Depois de ter comido a avó e a menina, o Lobo supostamente se deita na cama para tirar um cochilo. Por azar, um caçador passa em frente a casa e acha estranho o barulho do ronco que vem de lá de dentro. Ao entrar na casa depara-se com o Lobo, de barriga cheia, deitado na cama.

O caçador teme atirar no Lobo com a sua espingarda sem antes tentar salvar quem estava dentro da sua barriga. Então habilidosamente, com uma faca, abre a barriga do Lobo e, numa operação estilo cesariana, consegue salvar a menina e a avó. 

Chapeuzinho Vermelho após ser salva cata algumas pedras grandes e junto com a avó e com o caçador, enche a barriga do Lobo. Quando acorda, o vilão com as pesadas pedras na barriga, sente as pernas bambearem e cai morto.

Análise

A história da Chapeuzinho coloca frente a frente dois lados: uma protagonista fraca e vulnerável, e um antagonista grande, forte e poderoso. Ao escolher desobedecer a mãe e seguir por um caminho mais longo, Chapeuzinho, sem saber, coloca em risco a sua própria vida.

É curioso que a menina tenha maturidade para escolher desobedecer a mãe (que é uma figura em quem confia), mas ao mesmo tempo se mostre ingênua para acreditar nas palavras de um desconhecido. 

Ilustração de chapeuzinho vermelho de Gustave Doré. Datada de 1861.
Ilustração de chapeuzinho vermelho de Gustave Doré Ilustração de Gustave Doré (1832-1883) para o livro “Contes de Perrault”, edições Stahl-Hetzel, 1862.

Outro ponto importante a se ressaltar é a oposição entre as únicas duas figuras masculinas do conto. Vale lembrar que a família da Chapeuzinho é formada exclusivamente por mulheres - a mãe e a avó. Porém, tanto quem a condena quanto quem a salva são representantes do sexo masculino. Se por um lado o Lobo é a representação da crueldade, da violência e do instinto selvagem, por outro o caçador é o representante do altruísmo, da proteção e da generosidade. 

Na versão dos irmãos Grimm, a mais conhecida e a que mais agrada o público, vemos um final marcado pela justiça. Quem comete o crime é condenado de modo exemplar e, diga-se de passagem, com requintes de crueldade. O Lobo morre com pedras na barriga e, após a sua morte, o caçador leva a pele do animal para casa enquanto a avó comemora comendo os bolinhos e o vinho.

A versão de Charles Perrault, após o encerramento inclui uma moral da história:

Vê-se aqui que crianças jovens, sobretudo moças belas, bem feitas e gentis, fazem muito mal em escutar todo o tipo de gente; e que não é coisa estranha que o lobo tantas delas coma. Digo o lobo, porque nem todos os lobos são do mesmo tipo. Há-os de um humor gracioso, subtis, sem fel e sem cólera, que — familiares, complacentes e doces — seguem as jovens até às suas casas, até mesmo aos seus quartos; mas ai! Quem não sabe que estes lobos delicodoces são de todos os lobos os mais perigosos.

O pequeno trecho traduz a sua preocupação pedagógica de orientar as moças, especialmente as belas moças, que, ingênuas, acreditam no que quer que digam. 

História da publicação original (Charles Perrault)

Em 1697, Charles Perrault publicou a sua versão da Chapeuzinho Vermelho, no entanto a história não foi muito bem recebida pelos pais, que se negavam a contar para os filhos uma narrativa violenta e sem final feliz. 

Na versão posterior, a dos irmãos Grimm, por sua vez, a menina e a avó são salvas quando um caçador descobre o acontecido e se propõe a abrir a barriga do Lobo para tirar as duas vítimas lá de dentro. Como resultado final da operação tanto a menina quanto a avó são salvas e o lobo é castigado pela sua postura cruel.

O empenho tanto de Perrault quanto dos irmãos Grimm era erguer uma história moralmente edificante que ensinasse as crianças sobre os perigos da vaidade e da ingenuidade. Nas versões originais transmitidas oralmente pelos camponeses, haviam vários elementos grotescos, sensuais e até mesmo obscenos que acabaram sendo suprimidos por narradores posteriores.

Diversas versões da história tem sido escritas ao longo do tempo, entre elas destaca-se, além das versões dos Grimm e de Perrault, The Little Girl and the Wolf, de James Thurber, e Little Red Riding Hood and the Wolf, de Roald Dahl.

A história também foi adaptada para o cinema e resultou em filmes como A companhia dos lobos (1984), de Angela Carter, e a Freeway – Sem saída (1996), de Matthew Bright.

Leia na íntegra a versão de Charles Perrault

Chapeuzinho vermelho está disponível para download gratuito em formato pdf. 

Leia na íntegra a versão dos irmãos Grimm

A versão dos irmãos Grimm da Chapeuzinho vermelho encontra-se disponível para download gratuito em formato pdf. 

Assista a adaptação para desenho animado

Conheça também

Rebeca Fuks
Graduada em Letras, mestre em Literatura e doutora em Estudos de Cultura, trabalhou durante dez anos como editora assistente e executiva em editoras no Brasil e em Portugal.