Melhores filmes de comédia na Netflix em 2021


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Você é um entusiasta das comédias? Acha que gargalhar é dos melhores programas que se pode ter numa sexta à noite? Mas diante de tantas possibilidades na plataforma de streaming sente-se perdido?

Então pode ir já anotando a dica das vinte comédias de tirar o fôlego.

1. Meu nome é Dolemite (2019)

A recente comédia dramática norte-americana narra a biografia de Rudy Ray Moore, um comediante negro dono de uma pequena loja que acaba fazendo enorme sucesso com piadas altamente censuráveis.

Surfando a onda da fama, Rudy (vivido por Eddie Murphy) resolve se aventurar no mundo do cinema e interpretando um cafetão chamado Dolemite.

2. Eu não sou um homem fácil (2018)

A comédia francesa Eu não sou um homem fácil é extremamente contemporânea e traz como protagonista um machista convicto que, um belo dia, acorda com o mundo todo ao contrário: cercado de mulheres em lugares de poder.

Rimos dos estereótipos clássicos que são apresentados e vemos - permeado de muito riso - como estamos imersos em uma sociedade cheia de preconceitos de gênero.

Ao gargalharmos de Damien, e da relação que ele estabelece com a poderosa escritora Alexandra, acabamos por ser obrigados a pensar em quanto nós também somos vítimas e, ao mesmo tempo, perpetuamos esses preconceitos.

3. 2020 nunca mais (2020)

A última produção da Netflix feita pelos criadores de Black Mirror pretende fazer um resumo bem-humorado do que aconteceu no ano de 2020.

A retrospectiva é uma comédia rasgada que mistura vida real e ficção, relembrando o espectador das situações bizarras que vivemos durante esse ano completamente atípico marcado por uma pandemia a nível mundial e por escândalos pontuais como o assassinato de George Floyd.

O longa-metragem tem o formato de documentário e é uma espécie de paródia mesclando eventos que de fato aconteceram com personagens que dão depoimentos como supostos especialistas.

Esses “entrevistados” são personagens marcados pela ironia e pelo humor negro, que conseguem nos fazem rir dos eventos mais trágicos que aconteceram no ano que passou.

Para interpretarem essas figuras ilustres alguns atores celebrados foram convocados como Samuel L.Jackson, que vive um jornalista, e Tracey Ullman, que encarna a Rainha Elizabeth II.

Apesar de serem personagens ficcionalizados que representam jornalistas, cientistas, donas de casa e psicólogos, os personagens satíricos poderiam facilmente existir na vida real ajudam a tecer uma crítica social do mundo contemporâneo.

A comédia do absurdo encomendada pela Netflix é um filme que, além de nos fazer rir, nos convida a repensar o contexto em que estamos vivendo.

4. Nada a esconder (2017)

Nada a esconder

A comédia francesa reúne amigos de longa data, com os seus respectivos parceiros, em um jantar animado. A meio do encontro, um deles sugere um jogo novo, divertido: e se os celulares de todos tivessem o conteúdo partilhado durante o tempo em que estão juntos?

Alguns são mais receptivos à ideia, outros ficam mais retraídos, mas no final das contas todos embarcam no desafio. É dessa forma que as mensagens recebidas são lidas em voz alta para toda a mesa e as ligações passam a ser atendidas em viva-voz.

Com a privacidade posta à prova, todos começam a ver os seus pequenos segredos ruírem colocando em jogo não só as amizades como também as relações entre os casais.

Com um texto divertido e rápido, Nada a esconder é uma comédia leve que fala sobre as máscaras que usamos para viver em sociedade. No filme percebemos como a tecnologia é usada para camuflar quem verdadeiramente somos e desejamos.

5. O despertar de Motti (2018)

O despertar de Motti

Motti (Joel Basman) é um jovem judeu nascido e criado para se casar com uma mulher judia ortodoxa.

O que os pais de Motti - especialmente a mãe, Judith (Inge Maux) - não podiam contar era que o rapaz se apaixonaria perdidamente por Laura, uma colega de faculdade que não é judia.

Motti, que ainda vive com os pais, vê-se então numa cilada: seguir o seu desejo e se relacionar com Laura (Noémie Schmidt) decepcionando os seus pais ou seguir os planos que havia sido traçado e formar uma família tradicional?

O filme, que garante umas boas gargalhadas, mostra um pouco do universo judaico e coloca o espectador num lugar de testemunha curiosa para descobrir qual será afinal a decisão de Motti.

6. Toc Toc (2017)

A comédia espanhola tem como pano de fundo uma doença mental: o transtorno obsessivo compulsivo.

Seis pacientes com diferentes categorias de TOC se conhecem na sala de espera de um reconhecido psiquiatra, o Dr.Palomero.

Como o médico custa a chegar, os pacientes passam a interagir uns com os outros tentando se ajudarem na medida do possível.

7. Zohan: O agente bom de corte (2008)

Essa comédia hilariante protagonizada por Adam Sandler traz como personagem principal Zohan Dvir, um militar israelense que tem como sonho ser cabeleireiro.

Para conseguir a vida nova que tanto almeja ele cria um plano: bola a sua própria morte em uma atentado terrorista e se muda para os Estados Unidos, onde recomeça a vida do zero, dessa vez seguindo a carreira que mais deseja.

Zohan: O agente bom de corte é um filme de comédia com uma pitada de ação que já tem mais de uma década e ainda assim permanece com um humor inalterado.

8.Superbad - é hoje (2007)

Quem é que não se lembra, com um misto de vergonha e embaraço, das aventuras vividas durante à adolescência? É esse sentimento que Superbad - é hoje pretende ressuscitar: uma mistura de riso nervoso com nostalgia.

Na comédia americana dois amigos do peito - Evan (Michael Cera) e Seth (Jonah Hill), e mais um terceiro colega (Foggel, Christopher Mintz-Plasse) - estão no último ano da escola.

Tímidos, inaptos socialmente e com os hormônios a fervilharem, cada um deles, a sua maneira, tenta perder a virgindade com as suas respectivas paixões platônicas antes de entrarem para a faculdade.

9. Sex and the city - o filme (2008)

Carrie, Samantha, Miranda e Charlote são nomes que te parecem familiares? As quatro moradoras mais famosas de Nova Ioque foram as protagonistas de Sex and the city, um dos seriados mais celebrados da indústria norte-americana.

As quatro amigas voltaram as telas, dessa vez sob a forma de um longa-metragem, revivendo dramas antigos como os amores não correspondidos e o tédio da rotina.

Para quem gosta de uma boa comédia com um toque nostálgico Sex and the city - o filme é uma ótima pedida!

10. Click (2006)

E se tivéssemos um controle remoto capaz de controlar muito além da televisão? Quem recebe esse "presente" é Michael Newman (Adam Sandler), um sujeito casado, com dois filhos pequenos e um trabalho que ocupa uma parte enorme dos seus dias.

Permanentemente cansado, ele acaba caindo na lábia do vendedor da loja onde vai comprar uma televisão e leva para casa o tal controle remoto experimental.

A vida de Michael então vira de cabeça para baixo depois que ele descobre que tem super poderes.

11. A vida de Brian (1979)

É impossível falar de comédia e não pensar nos Monty Python! A vida de Brian é um clássico inglês no universo do humor, trata-se de uma sátira muito original das tradicionais histórias bíblicas.

Misturando partes das narrativas religiosas presentes no nosso imaginário coletivo com uma boa dose de irreverência e sarcasmo chegamos às tiradas dos Monty Python, que deram vida ao curioso Brian Cohen (Graham Chapman), um suposto candidato à Messias.

12. Se beber não case 2 (2011)

O primeiro Se beber não case foi um sucesso tão grande de público que rapidamente resolveram reunir os quatro amigos para uma nova aventura.

Phil (Bradley Cooper), Alan (Zach Galifianakis), Doug (Justin Bartha) e Stu (Ed Helms) se encontram novamente, dessa vez também por conta de um casamento. Stu, decidido a dar o nó com Lauren (Jamie Chung) vai para a Tailândia realizar a cerimônia.

É lá que os quatro amigos fazem a despedida de solteiro, mais uma vez, muito louca - assim como a de Doug, alguns anos antes.

13. O pequenino (2005)

O protagonista dessa comédia é Calvin Sims (Marlon Wayans), um ladrão de joias anão que esteve preso durante muitos anos e, depois de deixar a cela, resolve fazer um último grande roubo. Quem irá o ajudar nessa tarefa é o seu amigo Percy (Tracy Morgan).

Ambicioso, o que eles querem furtar é o impressionante diamante Queen. Mas o plano acaba dando errado e o diamante vai parar na bolsa de Vanessa Edwards (Kerry Washington), que nem desconfia do bem valioso que carrega.

Durante uma briga entre Vanessa e o marido, a dupla percebe uma oportunidade de Calvin conseguir entrar na casa. Como o marido de Vanessa queria muito ter filhos, o ladrão, aproveitando-se da sua condição de anão, se disfarça de bebê abandonado.

Apesar de ter sido profundamente mal falado pela crítica, O pequenino foi um sucesso de público.

14. As branquelas (2004)

Dois detetives irmãos que trabalham para o FBI se encontram em maus lençóis por terem falhado uma investigação. Com medo de serem demitidos, eles decidem topar qualquer parada para a empreitada a seguir dar certo.

A nova tarefa de Marcus Copeland (Marlon Wayans) e Keven Copeland (Shawn Wayans) parecia simples: escoltar as irmãs Brittany e Tiffany para o aeroporto. Mas o carro onde as jovens iam sofre um acidente e elas se recusam a ir ao evento que tinham planejado.

Sem encontrarem outra saída, os irmãos Marcus e Keven resolvem se disfarçar de Brittany e Tiffany para se infiltrarem no universo das jovens.

O filme, que é uma comédia rasgada, é a escolha ideal se você quiser embarcar numa viagem de riso fácil.

15. O máskara (1994)

Um clássico do cinema, O máskara, estrelado por Jim Carrey, é um filme que tem como ponto de partida o problema da timidez.

Stanley Ipkiss é um sujeito comum que mora em Edge City e vive esbarrando com um problema sério: como é profundamente tímido, não consegue interagir com as mulheres.

Num dia qualquer encontra uma máscara de Loki - um deus escandinavo - boiando na água e, quando a experimenta, se transforma em outra pessoa. Essa nova criatura é o seu oposto: ousada, sem medos, com um humor peculiar.

Apesar da história levar ao limite a problemática de querermos ser outras pessoas, a verdade é que todos nós, algum dia, já pensamos em como deveria ser experimentar a vida de uma outra maneira, com uma máscara social diferente.

16. Curtindo a vida adoidado (1986)

Um filme típico sobre o final da adolescência: esse é Curtindo a vida adoidado.

Ferris Bueller (Matthew Broderick) é um sujeito malandro, que sempre arrumou maneira de se safar da escola com artimanhas engenhosas.

A sua última aventura para matar aula foi um plano mirabolante para passear pela cidade com uma Ferrari na companhia da namorada (Mia Sara) e do melhor amigo (Alan Ruck).

Curtindo a vida adoidado é um filme despretensioso que faz nos faz relembrar as nossas inconsequências juvenis de maneira divertida e ligeira.

17. Nanette (2018)

A comediante australiana Hannah Gadsby leva o público a loucura nesse stand up de pouco mais de uma hora gravado na emblemática Sydney Opera House. Apesar de não ser um filme de comédia clássica, o espetáculo Nanette garante boas gargalhadas e, ao mesmo tempo, nos faz pensar.

Uma humorista fora do comum, Hannah, de uma maneira diferente, disserta corajosamente sobre uma série de temas tabus na sociedade como o preconceito de gênero e a dificuldade de crescer numa sociedade conservadora.

Ela usa a sua própria experiência pessoal para contar a história que vai, aos poucos, seduzindo o público. Rimos - rimos muito - e muitas vezes rimos de nervoso. Nanette é uma comédia a não perder!

18.Douglas (2020)

A humorista canadense Hannah Gadsby ganhou repercussão mundial com o seu stand up Nanette. Douglas foi a mais recente produção da artista de stand up levada ao público através da Netflix.

Inovadora, Hannah mudou a maneira de se pensar o humor e conseguiu criar um estilo próprio, marcado pela coragem de se expor e por fazer da sua própria biografia material para, ao mesmo tempo, fazer rir e chorar.

A humorista foi capaz de denunciar, de uma forma profundamente original e bem humorada, a própria opressão que viveu ao ter se revelado lésbica. Ao falar sobre aqueles que riram dela, Hannah nos faz rir com ela. Enquanto Nanette é muito marcado pela autodepreciação, Douglas vai por outro caminho, embora ambos representem o que há de melhor no mundo da comédia contemporânea.

Em Douglas, gravado em Los Angeles, Hannah continua fazendo piadas sobre o patriarcado, sobre o sexismo, sobre as diferenças culturais entre americanos e australianos e sobre a ordem social ainda hoje vigente. O seu humor nasce, sobretudo, da observação, da forma particular como a humorista é capaz de olhar para o que está ao seu redor.

Hannah passeia por uma série de temas muito diferentes, mas sempre conseguindo imprimir o seu olhar singular sobre todos eles. Em Douglas, que está nessa lista mesmo não sendo uma comédia convencional, a seriedade e o riso se misturam resultando numa combinação original.

19. Whindersson Nunes - Adulto (2019)

Whindersson Nunes é um youtuber brasileiro de sucesso que foi convidado para estrear essa produção Netflix.

Em um palco 360º em um espetáculo tipo stand up, o comediante fala com o público de um jeito descontraído, extraindo humor das pequenas situações inusitadas do nosso cotidiano.

Se você gosta de comédias intimistas, que tratam de situações do dia a dia e apresentam um olhar bem humorado sobre a nossa rotina, essa produção da Netflix pode ser uma boa escolha!

20. Shrek (2001)

Um dos filmes de maior sucesso da Dream Works é Shrek, uma saga que já ganhou novos capítulos e se encontra disponível na Netflix. Apesar de inicialmente ser voltado para crianças, a verdade é que o protagonista verde encanta todas as idades.

Um herói improvável, Shrek é feio, ogro e solitário, mas possui um carisma ímpar! No lançamento da série, feito em 2001, ele tenta salvar a princesa Fiona - uma princesa também fora dos padrões de beleza tradicionais -, sempre na companhia do seu burro de estimação.

O filme de animação mistura aventura com muita comédia e acompanhamos a saga do herói para recuperar o que é seu por direito das mãos do vilão Lorde Farquaad.

21. Meu malvado favorito 2 (2013)

É praticamente uma unanimidade: os minions caíram nas graças de todos e nos fizeram gargalhar com um estilo desengonçado e peralta. A franquia fez tanto sucesso que não demorou muito para surgir o Meu malvado favorito 2.

O protagonista dessa aventura é Gru, um vilão de muda da água par ao vinho para cuidar das três filhas que adotou: Agnes, Edith e Margo.

Uma comédia para toda a família, Meu malvado favorito 2 encanta não só os pequenos espectadores como também os adultos que estão ao redor.

22. Looney Tunes - de volta a ação (2003)

Essa é uma comédia especialmente recomendada para quem quer fazer uma viagem no túnel do tempo! E ainda tem o bonus de agradar toda a família.

O filme de animação que mistura os personagens clássicos dos desenhos animados com atores reais fez enorme sucesso no princípio dos anos 2000 e foi incluído no catálogo da Netflix para deleite dos mais saudosistas.

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).