Os 10 melhores autores de livros de sempre


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

É um amante de literatura e volta e meia gosta de reler algum clássico? Ou não é assim tão fã, mas resolveu que já é hora de começar a conhecer os grandes nomes da literatura universal?

Pensando em agradar os mais variados públicos, criamos essa lista com os maiores autores de livros de todos os tempos e as suas grandes obras. Desejamos a todos uma boa leitura!

1. José Saramago (1922-2010, Portugal)

Saramago

O único escritor português que recebeu o Prêmio Nobel de Literatura foi José Saramago, filho e neto de camponeses da região da Azinhaga (Ribatejo, Portugal). Quando tinha apenas um ano, os pais de Saramago se mudaram com os filhos para Lisboa.

A família, de origem humilde, teve inúmeras dificuldades financeiras e Saramago precisou abandonar os estudos para trabalhar cedo. O primeiro emprego foi como serralheiro mecânico, depois trabalhou como funcionário público (na área da saúde e da previdência social).

Apaixonado pelas palavras, Saramago se tornou jornalista, editor e tradutor. Confira a entrevista na íntegra do escritor concedida quando veio ao Brasil em 2003:

O primeiro romance do escritor foi lançado em 1947 (Terra do Pecado), depois da publicação Saramago ficou 19 anos sem lançar novas obras. Quando finalmente resolveu colocar livros no mercado, Saramago publicou algumas das maiores obras da literatura portuguesa contemporânea.

Principais obras de José Saramago: Memorial do convento (1982), O ano da morte de Ricardo Reis (1984) e Ensaio sobre a cegueira (1995)

Não perca a leitura do artigo José Saramago: biografia e livros.

2. Clarice Lispector (1920-1977, Brasil)

Clarice Lispector

Apesar de ter nascido em Tchetchelnik, na Ucrânia, Clarice (que quando nasceu foi batizada de Haia) se mudou ainda pequena para o Brasil ao lado dos pais e das irmãs. Fugindo da perseguição antissemita, a família Lispector decidiu se mudar de vez para o nosso país.

Clarice passou a infância no nordeste e, após a morte da mãe, em 1934, se estabeleceu no Rio de Janeiro. Foi lá que se formou em Direito, em 1941, e começou a trabalhar em redações.

Além de escrever para a imprensa, Clarice também fazia traduções e escrevia ficção. A sua primeira obra, muito celebrada, foi Perto do coração selvagem, romance lançado em 1944. Depois dele vieram outros clássicos dos mais diversos gêneros (contos, crônicas, literatura infantil).

Relembre uma das mais importantes entrevistas concedidas por Clarice Lispector:

Principais obras de Clarice Lispector: Laços de família (1960), A paixão segundo G.H. (1964) e A hora da estrela (1977)

Leia também o artigo Clarice Lispector: vida e obra.

3. Edgar Allan Poe (1809-1849, Estados Unidos)

Edgar Allan Poe

Sem pestanejar, qualquer crítico irá dizer que Edgar Allan Poe é dos grandes nomes da literatura norte-americana. Além de autor, Poe também foi crítico, redator e editor.

Aquele que viria a se tornar o precursor da literatura policial moderna, teve uma origem conturbada. Filho de um casal de atores de uma companhia itinerante, Edgar ficou sem o pai ainda pequeno (não se sabe se ele abandonou a família ou faleceu) e ficou órfão de mãe em 1811.

Abrigado por uma família adotiva, Poe teve problemas de relacionamento com os mais próximos, foi um boêmio e agitador que colecionou problemas com as drogas e apostas.

A sua carreira literária teve início em 1927, quando publicou poemas e lançou o seu livro de estreia com recursos próprios. Dois anos a seguir publicou o segundo livro e, a partir do terceiro, resolveu se dedicar integralmente à literatura.

O poema The raven (O corvo) foi publicado no dia 29 de janeiro de 1845 e se tornou um dos maiores clássicos da literatura norte-americana

Principais obras de Edgar Allan Poe: O poço e o pêndulo (1842), O coração revelador (1843) e O corvo (1845).

Que tal saber mais sobre o escritor? Espreite o artigo Edgar Allan Poe: biografia e obra completa.

4. Fiódor Dostoiévski (1821-1881, Rússia)

Fiódor Dostoiévski

Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski, esse é o nome completo de um dos maiores gênios da literatura russa. Com uma história de vida triste, Fiódor ficou órfão jovem (perdeu a mãe quando tinha 16 anos e o pai aos 18).

Formado em Engenharia Militar, ocupou cargos públicos e começou a escrever em 1844. O seu primeiro romance (Gente pobre) foi publicado dois anos mais tarde.

Cinco anos depois foi preso acusado de conspiração contra o Czar. Apesar de ter sido condenado à morte, teve a pena revista e trabalhou durante cinco anos em regime de trabalhos forçados na Sibéria.

Foi em 1861 que publicou o romance Humilhados e ofendidos, que o consagrou entre os pares. A escrita de Dostoiévski, densa, levanta muitas reflexões existenciais e toca principalmente no tema da culpa.

Principais obras de Fiódor Dostoiévski: Crime e Castigo (1866), O idiota (1869) e Os irmãos Karamazov (1880)

5. William Shakespeare (1564-1616, Inglaterra)

Shakespeare

O poeta e dramaturgo inglês é tido como um dos maiores nomes da literatura universal. Nascido numa pequena cidade da Inglaterra (Stratford-upon-Avon), William era filho do subprefeito da região e recebeu o melhor da educação do seu tempo.

Apesar de ter vindo do interior, foi em Londres que Shakespeare alcançou a fama depois de ter entrado para a Companhia de Teatro de Lord Chamberlain, em 1594. O sucesso fez com que se tornasse sócio do Globe Theatre.

Ao longo da vida o autor escreveu cerca de 40 peças de teatro além de uma série de poemas.

Que tal conhecer o artigo Poemas de Shakespeare?

Principais obras de William Shakespeare: Romeu e Julieta (1594), Hamlet (1603), Otelo (1609) e Macbeth (1623)

6. Marcel Proust (1871-1922, França)

Marcel Proust

Filho de Adrien Proust e Jeanne Weil, uma família abastada, Proust foi criado com acesso as boas escolas francesas. Durante a adolescência fez aulas de Direito e Literatura.

Em 1896, Proust publicou a sua primeira obra (Les Plaisirs et les jours), uma coletânea de breves histórias.

Foi só depois da morte dos pais (o pai em 1903 e a mãe em 1905) que Proust se sentiu a vontade para empreender o maior desafio da sua vida: um romance de tirar o fôlego. A partir de 1905 Marcel começou a escrever então a sua grande obra.

O primeiro rascunho do primeiro volume (Du côté de chez Swnn) ficou pronto em setembro de 1912 e foi recusado por uma série de editores. Motivado a levar o seu projeto a frente, Proust pagou pela publicação com recursos próprios.

Depois desse primeiro impasse, com o livro já lançado, Proust encontrou editores interessados em pagarem pela publicação das suas obras seguintes.

O maior escritor francês faleceu vítima de pneumonia, mas deixou como legado uma das maiores obras literárias da cultura ocidental.

Principal obra de Marcel Proust: Em busca do tempo perdido (1913-1927)

7. Miguel de Cervantes (1547-1616, Espanha)

Miguel de Cervantes

O maior nome da literatura espanhola, Miguel de Cervantes é considerado como o precursor do realismo espanhol. Pioneiro, o seu Dom Quixote de La Macha (1605/1615) é tido como a primeira novela moderna e é a obra literária mais traduzida do mundo.

O pai do escritor era cirurgião surdo e durante toda a vida a família passou por problemas financeiros. Miguel começou a escrever no ano de 1569, mas teve o trabalho logo interrompido no ano a seguir, quando virou soldado e foi enviado para uma base espanhola na Itália.

Depois de muitas aventuras em solo estrangeiro, retornou para casa em 1580, ano em que começou a escrever aquela que viria a se tornar a sua grande obra.

A primeira publicação de Miguel de Cervantes foi lançada em 1585 e não teve grande expressão assim como os escritos que lançou nos anos seguintes. Foi apenas em 1605 que saiu a primeira parte do Dom Quixote, obra que o consagrou, tendo lançado a segunda parte dez anos mais tarde.

Principais obras de Miguel de Cervantes: A Galatea (1585), O engenhoso fidalgo Dom Quixote de La Mancha (1605 e 1915) e Novelas exemplares (1613)

8. Gabriel García Márquez (1927-2014, Colômbia)

Gabriel García Márquez

Um dos maiores nomes do realismo fantástico, as obras do colombiano Gabriel García Márquez já foram traduzidas para mais de trinta línguas. Em 1982, Gabo recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, que o consagrou como um dos poucos laureados da América Latina.

Nascido em Aracataca, numa família que teve onze filhos, Gabriel resolveu ser escritor aos 17 anos de idade, depois de ler A metamorfose, obra clássica de Franz Kafka.

Apesar de ter entrado no curso de Direito, Gabo sempre soube que queria mesmo era escrever e, em 1947, teve o seu primeiro conto publicado. No ano a seguir passou a trabalhar como jornalista no periódico El Universal.

O primeiro romance - O enterro do diabo: a revoada - foi lançado em 1955. Mas a sua obra mais famosa, Cem anos de solidão, havia de ser publicada somente em 1967.

Assista entrevista concedida por Gabo em 1995 na íntegra:

Principais obras de Gabriel García Márquez: Cem anos de solidão (1967), Crônica de uma morte anunciada (1981) e O amor nos tempos do cólera (1985)

Não perca a leitura do artigo A vida e a obra fantástica de Gabriel García Márquez.

9. Franz Kafka (1883-1924, Alemanha)

Franz Kafka

Kafka é um dos maiores nomes da literatura moderna. Nascido em Praga, filho de um rico comerciante, Franz era judeu e se formou em Direito no ano de 1906.

Apesar de ter se tornado advogado, Kafka nunca advogou e sempre achou que tinha vocação para escritor - apesar de a sua escolha muito ter desagradado o pai, Hermann, que era um homem de negócios e desejava que o filho seguisse o mesmo caminho.

Com uma escrita realista, Kafka descreveu com precisão os sentimentos de ansiedade, culpa e injustiça com os quais muitos de nós conseguimos nos relacionar até os dias de hoje.

Principais obras de Franz Kafka: A metamorfose (1915), O castelo (1926) e Carta ao pai (1952)

10. Jorge Luis Borges (1899-1986, Argentina)

Jorge Luis Borges

Nascido em Buenos Aires, Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo foi criado na capital argentina embora tenha passado um breve período na Suíça. Mais tarde, também se mudou para a Espanha, onde desenvolveu ainda mais o seu estilo literário.

As primeiras publicações de Borges na Argentina aconteceram durante a década de 1920 e foram exemplares de poesia. Depois vieram os contos e os livros de ficção.

Borges se tornou funcionário da Biblioteca Municipal Miguel Cané em 1937 e, 18 anos mais tarde, virou diretor da Biblioteca Nacional.

Além de escrever, Borges também trabalhou como professor e deu aulas de literatura americana e inglesa na Universidade de Buenos Aires.

Muito premiado em vida, o argentino ficou consagrado como uma das grandes vozes da literatura latino-americana. Relembre uma das entrevistas do autor:

Principais obras de Jorge Luis Borges: História da eternidade (1936), Ficções (1944) e Aleph (1949)

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).