Os 19 clássicos da literatura mundial que você não pode deixar de ler


Aceitamos o desafio proposto e fizemos uma breve lista de livros essenciais da literatura universal. Escolhemos os melhores livros de todos os tempos independente de gênero - incluímos aqui desde romances passando pela poesia e pela escrita de aventura.

Confira essa coletânea de obras imperdíveis, ordenadas cronologicamente.

1. Odisseia, século 8 a.C. – Homero

Odisseia talvez seja o maior clássico da literatura ocidental. Trata-se de um poema épico escrito na Grécia Antiga supostamente por Homero, que transcreveu os versos da tradição oral. Ainda perdura a dúvida se Homero de fato existiu. A data da escrita não é certa, acredita-se que o manuscrito tenha sido produzido entre 8a.C. e 9a.C.

A tragédia conta a história do protagonista Ulisses, rei de Ítaca, e das suas aventuras bélicas. O livro também descreve o retorno do herói para casa, onde Penélope (sua esposa) e o Telêmaco (o filho), o esperam. 

Homero
Busto de Homero.

2. A divina comédia, 1321 – Dante Alighieri

A divina comédia é dos livros mais representativos do Renascimento e deixou de ser um clássico italiano para alcançar o título de clássico da literatura universal. A obra, originalmente escrita em florentino, foi gradativamente sendo traduzida para as mais diversas línguas.

Assim como a Odisseia, o clássico de Dante é um poema. São cerca de 100 cantos totalizando 140 versos. Ao longo da narração conhecemos Dante, o narrador e protagonista da história, que conta a sua passagem pelo paraíso, pelo purgatório e pelo inferno.

dante-alighieri
Pintura de Dante Alighieri.

3. Decamerão, 1353 – Giovanni Boccaccio

Os contos do escritor italiano Giovanni Boccaccio exaltam o amor carnal. Assim como Dante, Boccaccio é um clássico do Renascimento italiano. A história se passa na Toscana, em meados do século XIV, quando a população sofria com a disseminação da peste negra. Com medo de serem contaminados, dez jovens se mudam para a montanha e, para passarem o tempo, resolvem contar histórias.

Adaptação feita pela rede Globo foi ao ar no dia 2 de janeiro de 2009 com roteiro de Jorge Furtado e Guel Arraes e direção de Guel Arraes.

4. Romeu e Julieta, 1595 – Shakespeare

Os amantes mais famosos da história da literatura foram criados pelo inglês William Shakespeare. O cenário da tragédia Romeu e Julieta, dividida em cinco atos, é Verona, na Itália. O conflito entre a família Capuleto e a família Montecchio faz com que os apaixonados Julieta e Romeu sofram com a impossibilidade da concretização do amor.   

Primeira edição de Romeu e Julieta.
Primeira edição de Romeu e Julieta.

5. Os Lusíadas, 1572 – Camões

O poema épico Os Lusíadas, escrito pelo português Luís Vaz de Camões, exalta a força e a coragem do povo lusitano. São dez cantos que contam a história da viagem do navegador Vasco da Gama rumo as Índias.

Os Lusíadas
Primeira edição de Os Lusíadas.

6. Dom Quixote de la Mancha, 1605 – Cervantes

O clássico espanhol escrito por Miguel de Cervantes é considerado uma obra de ficção em prosa e está dividido em dois volumes. Há quem diga que o livro é uma sátira aos romances de cavalaria e há quem diga que é a maior homenagem que poderia ser feita ao gênero. A verdade incontornável é que as aventuras de Dom Quixote e Sancho Pança fazem parte do imaginário da cultura ocidental.

A obra clássica também se encontra disponível em formato de audiolivro:

Miguel de Cervantes
Retrato de Miguel de Cervantes.

7. Orgulho e preconceito, 1813 – Jane Austen

O romance Orgulho e preconceito, escrito pela britânica Jane Austen, se passa no princípio do século XIX. O cenário escolhido é Longbourn, interior da Inglaterra, e a história contada é a de Elizabeth Bennet e de sua família.

Através da protagonista ficamos conhecendo diversas questões relacionadas à vida social, cultural, financeira e educacional da sociedade aristocrática inglesa.

Pride and prejudice
Primeira edição de Pride and prejudice.

8. Moby Dick, 1851 – Herman Melville

Você pode até não ter lido o clássico de Herman Melville, mas aposto que assim que leu o título Moby Dick se deparou com a imagem de uma imensa baleia.

Quem conta essa história composta pelo estadunidense é Ismael, um jovem marinheiro que deseja caçar baleias e tem uma fixação especial por Moby Dick, a baleia branca que lhe arrancou a perna no passado.

Herman Melville
Retrato a óleo de Herman Melville.

9. Crime e castigo, 1866 – Dostoiévski

O romance do russo Fiódor Dostoiévski conta a história de Ródion Ramanovich Raskolnikov, um antigo estudante residente em Pitsburgo. Pobre e sem perspectivas de futuro, o personagem comete um crime terrível: assassina uma pessoa. Crime e castigo pode ser considerado um ensaio filosófico e ético sobre as consequências das ações humanas. 

Dostoeivsky
Retrato de Dostoiévski.

Entenda melhor a obra Crime e castigo.

10. Dom Casmurro, 1899 – Machado de Assis

Capitu traiu ou não traiu Bentinho? Essa talvez seja a maior pergunta que paira até os dias de hoje na literatura brasileira. O clássico Dom Casmurro, escrito pelo célebre Machado de Assis em 1899, narra a história de um triângulo amoroso composto pelo casal Capitu e Bentinho e pelo melhor amigo do marido, Escobar. Narrado em primeira pessoa por Bentinho, o romance é uma obra prima porque é capaz de deixar em aberto todas as dúvidas que permeiam a história.

Veja a análise completa da obra Dom Casmurro.

O livro foi adaptado para o cinema em 1968 e contou com a direção de Paulo Cesar Saraceni.

11. A metamorfose, 1912 – Kafka

Ja pensou acordar num dia normal e descobrir que se transformou em um enorme inseto? Esse é o enredo escolhido pelo autor austro-húngaro Franz Kafka para compor o seu clássico. O romance A metamorfose, escrito em alemão, conta a história do caixeiro viajante Gregor, que um belo dia acorda metamorfoseado em um animal monstruoso.

A metamorfose
Capa de uma das primeiras edições de A metamorfose.

Leia o resumo e análise da obra A metamorfose.

12. Em busca do tempo perdido, 1913 – Proust

O escritor francês Marcel Proust escreveu uma única história em sua vida, a enorme À la recherche du temps perdu. O enredo começou a ser criado em 1909 e alcançou sete volumes (três deles foram apenas publicados postumamente). O protagonista, Marcel, é nomeado apenas duas vezes ao longo das milhares de páginas e é através do seu olhar que ficamos conhecendo o seu percurso para tornar-se escritor. Ao invocar o passado para tentar capturá-lo, Proust promove uma distinção entre a memória voluntária e involuntária.

Proust
Fotografia de Marcel Proust.

13. O estrangeiro, 1942 – Camus

O escritor francês Albert Camus escolhe como protagonista  o Sr. Meursault, uma pessoa com um cotidiano normal, funcionário de um escritório, que tem a sua vida revirada por conta de um assassinato que comete por mero impulso. Logo após receber a notícia da morte da mãe, que reage com indiferença absoluta, interessa-se por Marie, uma colega de trabalho. Um belo dia, enquanto passeia pela praia, tem uma reação completamente inesperada e mata um árabe sem qualquer motivo.

O filme, que estreou em 2001, ganhou uma adaptação turca feita pelo diretor e roteirista Zeki Demirkubuz.

14. O Pequeno príncipe, 1943 - Antoine de Saint-Exupéry

O livro Le petit prince, originalmente voltado para o público infantil, tem como protagonista aquele que conta a história. Chateado porque ninguém compreende as suas ilustrações, o rapaz estava a bordo de um avião que caiu sobre o deserto do Saara. Eis que o personagem central finalmente encontra consolo em um pequeno príncipe que conhece acidentalmente. A obra, ilustrada pelo próprio escritor, é das mais vendidas do mundo. 

O pequeno principe
Ilustração do pequeno príncipe retirada do livro.

Entenda o significado e os personagens de O Pequeno Príncipe.

15. Lolita, 1955 – Nabokov

A obra prima do escritor moderno russo Vladimir Nabokov tem como protagonista e narrador Humbert Humbert, um professor de meia idade. O professor conhece Dolores, uma menina de 12 anos e um metro e quarenta e sete, porque aluga um quarto na casa de Charlotte Hazze, a mãe da garota. O nome Lolita é o apelido dado a Dolores por Humbert após se sentir seduzido por ela. Juntos, os dois tem um caso amoroso.

16. Ensaio sobre a cegueira, 1955 – Saramago

O romance do prêmio Nobel José Saramago transcendeu os muros da literatura portuguesa para alcançar um status de obra clássica da literatura mundial. A história gira em torno de um surto de cegueira branca que se espalha entre os moradores de uma cidade. Nessa circunstância extrema, com a sociedade a beira de um colapso, assistimos o melhor e o pior florescer no ser humano.  

A adaptação do romance de José Saramago para o cinema foi feita por Fernando Meirelles e acabou sendo lançada em 2008.

17. O jogo da amarelinha, 1963 – Cortázar

Julio Cortázar é o único representante da Argentina presente nessa lista de grandes clássicos. O seu lugar ao sol está garantido pela invenção que fez a partir da sua material prima: a linguagem. O livro O jogo da amarelinha representou uma verdadeira revolução em termos literários porque deu a possibilidade do leitor escolher a sua forma de ler o texto.

O protagonista é o intelectual Horácio Oliveira e a obra, que é considerada surrealista, permite que o leitor realize uma espécie de jogo, encarando múltiplos desdobramentos possíveis. 

Cortazar
Fotografia do autor Julio Cortázar.

18. Cem anos de solidão, 1967 – García Márquez

Engrossando a lista dos latino americanos prodigiosos está o colombiano Gabriel García Márquez, vencedor do prêmio Nobel de Literatura. A sua obra clássica é um trabalho exemplar da literatura moderna e conta a história de Macondo, uma cidade imaginária criada por José Arcadio Buendia. A narração acompanha as várias gerações da família Buendia que vão se sucedendo.

O livro está disponível também em formato áudio:

19. A hora da estrela, 1977 – Clarice Lispector

Rodrigo S.M. é o narrador da obra prima escrita pela autora brasileira Clarice Lispector. A hora da estrela conta a história de Macabéa, uma jovem órfã, imigrante nordestina, massacrada pelo cotidiano na cidade grande. A alagoana de 19 anos, que vive na cidade do Rio de Janeiro, parece não ter nada de especial, mas somos aos poucos absorvidos e seduzidos pela jovem desengonçada.

Clarice Lispector
Retrato da autora Clarice Lispector.

Leia os clássicos na íntegra em pdf

Conheça também