Filme Nasce Uma Estrela, de Bradley Cooper


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

O filme Nasce Uma Estrela (no original A Star Is Born) conta a trágica história de um casal de cantores chamado Ally (interpretada por Lady Gaga) e Jackson Maine (vivido por Bradley Cooper).

Profundamente apaixonados e talentosos, os dois são jovens estrelas do mundo da música: ela em ascensão, ele em decadência. O drama central gira em torno de Jack, que tem vários problemas com o álcool e com as drogas.

A Star Is Born é, na verdade, um remake - o longa metragem já teve outras três versões - e, ao contrário do que se costuma crer, não foi criado a partir de uma história verídica.

A produção com direção de Bradley Cooper recebeu o Globo de Ouro 2019 na categoria Melhor Canção Original. O filme também venceu o BAFTA 2019 na categoria Melhor Trilha Sonora Original.

Nasce Uma Estrela foi indicado ao Oscar 2019 em sete categorias: Melhor Filme, Melhor Ator (Bradley Cooper), Melhor Atriz (Lady Gaga), Melhor Ator Coadjuvante (Sam Elliott), Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia e Melhor Canção Original . O longa metragem ficou com a estatueta de Melhor Canção Original pela música "Shallow".

[Atenção, o texto a seguir contém spoilers]

Resumo

O encontro de Ally e Jack

Ally (Lady Gaga) era uma cantora amadora, pouco conhecida, que costumava se apresentar por prazer em um bar de travestis e tinha o trabalho de garçonete para pagar as contas.

Um dia, durante uma das apresentações, é vista pelo famoso cantor de country Jackson Maine (Bradley Cooper), que imediatamente se encanta com a voz da garota.

A talentosa Ally é descoberta quando cantava em uma casa noturna
A talentosa Ally é descoberta quando cantava em uma casa noturna.

Ally sempre havia cantado e escrito as suas próprias canções. Fascinada pelo universo da música, ela nunca tinha tido a oportunidade de viver da sua própria voz e, para se sustentar, trabalhava como garçonete. A jovem vivia com o pai, um motorista.

Sua vida vira de cabeça para baixo quando Jack percebe o talento da moça e se apaixona por ela. Após o final do espetáculo, ele vai atrás dela no camarim e tenta se aproximar, convidando-a para sair. Ally, por fim, cede e começa um romance que irá transformar o seu futuro.

O início da carreira de Ally

Com o convívio e a intimidade do casal crescendo, Jack convida Ally para cantar uma de suas canções em conjunto, durante um de seus shows.

Mesmo extremamente receosa, Ally topa o desafio e os dois dividem os vocais da música, escrita por ela:

Ally estreia para o grande público em um show de Jack.
Ally estreia para o grande público em um show de Jack.

A parceria dos dois se estende da vida pessoal para a profissional e o casal começa a compor junto e a se apresentar em shows como uma rotina. Durante um desses duetos, o empresário de Jack repara no talento de Ally e a convida para alavancar a sua carreira.

Rapidamente a jovem começa a gravar e a apresentar seus próprios shows solo. Sua aparência passa a ser sugerida pelo empresário que consegue colocá-la na grande mídia. Essas mudanças repentinas deixam Ally insegura quanto a sua essência.

Jack, no entanto, permanece ao seu lado e se prontifica a ajudá-la dando uma série de dicas sobre o mundo da música. De modo inesperado e precoce, Ally é indicada ao Grammy em três categorias. Tudo seria perfeito se não fosse o vício do amado.

Jackson Maine, o álcool e as drogas

Jack teve uma história de vida trágica: ficou órfão de mãe muito jovem e foi criado pelo pai alcoólatra, ao lado de um ausente meio-irmão mais velho.

Desde muito cedo Jack enfrentou, assim como o pai, problemas com a bebida, com a cocaína e com as pílulas. Ficamos sabendo, ao longo do filme, que já aos treze anos o cantor havia tentado se suicidar.

Apesar de amar profundamente Ally, em uma série de momentos ele sucumbe ao vício e vai parar no fundo do poço. O meio-irmão, que era seu empresário, muitas vezes o ajudava a se reerguer, mas a situação foi se agravando.

Quando Maine faz um vexame no palco durante a entrega do prêmio Grammy da mulher, ele resolve se internar em uma clínica para dependentes químicos.

O vício faz com que Jack passe por uma série de vexames.
O vício faz com que Jack passe por uma série de vexames.

O trágico final da história

Jack parece motivado a se livrar dos seus antigos hábitos e se interna voluntariamente em uma clínica de reabilitação. O processo parece estar correndo bem, mas, quando volta para casa, a tentação surge novamente.

Enquanto isso, a carreira de Ally encontra-se numa espiral crescente e ela consegue uma turnê pela Europa. O reconhecimento profissional e os cada vez maiores compromissos sociais não a impedem, no entanto, de ficar ao lado de Jack ajudando na sua recuperação.

Um belo dia ele recebe a visita do empresário de Ally, que também era o seu empresário, e ele o alerta para os danos que Jack fez na carreira da moça. Extremamente abalado com o diálogo, Jack interioriza que está fazendo mal a Ally.

Numa recaída, justamente quando ia se apresentar em um show da mulher, ele volta a tomar comprimidos e se suicida, deixando Ally sozinha.

Personagens principais

Ally (Lady Gaga)

Ally

Uma jovem moça com uma linda voz que cantava por prazer em um bar de travestis enquanto trabalhava como garçonete.

Filha única de um pai que era motorista, ela sempre sonhou em cantar e compunha as letras desde cedo. A sua vida muda quando conhece e se apaixona pelo então já famoso cantor de country Jackson Maine.

Nasce Uma Estrela foi a estreia de Lady Gaga no cinema.

Jackson Maine (Bradley Cooper)

Jackson Maine

Jack ficou órfão de mãe quando era muito jovem e foi criado pelo pai, que era alcoólatra. O rapaz também cresceu ao lado de um ausente meio-irmão bem mais velho.

Extremamente solitário, o rapaz surfou numa onda de sucesso da música country desde muito jovem. Seu grande problema era a dependência química: assim como o pai, Jack era viciado em álcool, cocaína e comprimidos. Fora as questões com a dependência, Maine possuía também um sério problema de audição irreversível.

Análise do filme

A Star Is Born, o remake

O longa de Bradley Cooper não é propriamente baseado em uma única história real, mas é resultado de uma narrativa que circula nos bastidores do universo dos famosos há gerações.

Na verdade, a história de um astro em decadência que se apaixona por uma jovem talentosa em ascensão já foi contada em outras três versões do filme.

A Star Is Born é, na verdade, o remake de um remake de um remake e não se baseia propriamente em um relato verídico.

As outras versões do filme

A história de A Star Is Born já havia sido contada três vezes antes da produção de Bradley Cooper.

A primeira delas nasceu no ano de 1937 e chamava-se Nasceu Uma Estrela. Dirigido por William A.Wellman, a versão contou com a participação dos protagonistas Janet Gaynor e Frederic March.

O pano de fundo da história era a indústria cinematográfica, e não musical. A produção recebeu o Óscar de Melhor Roteiro Original.

Cartaz da primeira versão do filme A Star Is Born.
Cartaz da primeira versão do filme A Star Is Born.

A segunda versão do filme foi dirigida por George Cukor e lançada no ano de 1954.

Nessa versão a história também não se passa no universo da música e sim na do cinema.

O filme registra um raio X dos bastidores de Hollywood, os protagonistas dessa vez foram Judy Garland e James Mason.

Cartaz da segunda versão do filme, lançada em 1954.
Cartaz da segunda versão do filme, lançada em 1954.

Em 1976, veio a público a terceira versão da história, a primeira passada no contexto da indústria da música.

Dirigida por Frank Pierson, essa versão contou com a participação da célebre cantora Barbra Streisand. O protagonista escolhido foi Kris Kristofferson.

Cartaz da terceira versão do filme, lançada em 1976.
Cartaz da terceira versão do filme, lançada em 1976.

As antíteses dos protagonistas

Maine e Ally possuem muitas vezes características opostas.
Maine e Ally possuem muitas vezes características opostas.

No filme vemos um protagonista masculino relativamente frágil, demonstrando possuir sentimentos como a vaidade, o ciúme e a competição. Jack é influenciado pelo seu meio e muitas vezes recai no hábito do vício por um ambiente pernicioso onde imerge.

O cantor country também é profundamente vulnerável aquilo que lhe dizem, basta lembrar que o desejo de suicídio surge após uma breve conversa com o empresário de Ally.

A protagonista feminina, por sua vez, parece ser a antítese do seu companheiro. Forte em todos os momentos, ela fica ao lado de Jackson Maine mesmo quando todos a aconselham a se afastar. Ela não desiste do parceiro e permanece acreditando nele inclusive após as maiores crises.

Quando recebe o prêmio Grammy e passa um vexame com o porre de Maine, Ally tenta o proteger e o apoia inclusive na clínica de reabilitação.

A cantora chega a deixar a sua própria carreira para segundo plano e cancela a ida à Europa apenas para ficar ao lado de Maine.

Por que o filme encanta?

A história de Nasce Uma Estrela cativa o público por uma série de motivos, talvez o principal deles seja o fato do longa metragem apresentar os bastidores da fama, o ser humano real por trás dos artistas que costumamos ver em palco.

Assistimos no filme indivíduos extremamente reais, com características vulgares e sentimentos genuínos como todos nós sentimos. Vemos em Ally e Jack crises de ciúme, raiva, fraqueza, inveja e desejo de posse.

Essa versão específica do filme também atrai o público porque é a estreia de Lady Gaga como atriz de cinema. É também a primeira vez que Bradley Cooper atua como diretor.

Curiosidades sobre o lado musical de Nasce Uma Estrela

Quando decidiu que iria atuar no filme, Bradley Cooper percebeu que precisava de uma grande inspiração do universo musical. Para interpretar Jackson Maine ele se inspirou em Eddie Vedder, vocalista do Pearl Jam.

O ator e diretor viajou para Washington onde esteve durante quatro ou cinco dias com o vocalista para aprender trejeitos e hábitos que o ajudaram a compor o personagem.

Bradley Cooper teria se inspirado em Eddie Vedder para compor o personagem.
Bradley Cooper se inspirou no músico Eddie Vedder (vocalista dos Pearl Jam) para compor o personagem.

Em relação às canções que fazem parte da playlist do filme, as letras que Jackson Maine canta no longa foram compostas por Bradley Cooper e por Lukas Nelson. Para cantar e convencer o público, Cooper teria feito uma série de aulas de canto.

Todas as canções de A Star Is Born foram gravadas ao vivo, essa teria sido a maior exigência da cantora Lady Gaga.

As cenas onde aparece o público foram praticamente todas filmadas no Festival de Música de Coachella, em 2017, quando Gaga atuou como destaque.

As cenas do longa metragem onde aparece público foram filmadas no Festival de Coachella, em 2017.
As cenas do longa metragem onde aparece público foram filmadas no Festival de Música de Coachella, em 2017.

Outra curiosidade sobre o filme: a primeira candidata ao papel de Ally não teria sido Lady Gaga e sim Beyoncé. Como Beyoncé ficou grávida, ela precisou ser substituída.

Para interpretar o papel de Jackson Maine também foram cogitados nomes como Leonardo DiCaprio, Christian Bale, Tom Cruise e Will Smith.

O diretor inicial também era suposto ser outro: Clint Eastwood deveria ter ocupado o lugar de Bradley Cooper.

Ficha técnica

Título originalA Star Is Born
Lançamento11 de outubro de 2018
DiretorBradley Cooper
RoteiristaBradley Cooper, Eric Roth, Will Fetters
GêneroDrama
Duração2h16min
Atores principaisLady Gaga, Bradley Cooper, Sam Elliott
Prêmios

Vencedor do Globo de Ouro 2019 na categoria Melhor Canção Original.
Vencedor do Bafta 2019 na categoria Melhor Trilha Sonora Original.
Indicado ao Oscar 2019 em sete categorias: Melhor Filme, Melhor Ator (Bradley Cooper), Melhor Atriz (Lady Gaga), Melhor Ator Coadjuvante (Sam Elliott), Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia e Melhor Canção Original.
Vencedor do Oscar 2019 na categoria Melhor Canção Original por "Shallow".

Cartaz do filme Nasce uma estrela.
Cartaz do filme Nasce uma estrela.

Trailer

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).