Música Let It Be dos The Beatles


Carolina Marcello
Carolina Marcello

Let It Be é uma das baladas mais famosas da banda The Beatles, lançada no álbum com o mesmo título, em 1970. Escrita por Paul McCartney e composta com a participação de John Lennon, à primeira vista parece ter um tema religioso, mas na verdade trata um episódio da vida de Paul. A sua mensagem, no entanto, vem inspirando o mundo ao longo das últimas décadas. 

Capa do álbum Let it be de 1970.
Capa do álbum "Let It Be" (1970).

Música e vídeo de Let It Be

Letra original

Let It Be

When I find myself in times of trouble
Mother Mary comes to me
Speaking words of wisdom, let it be

And in my hour of darkness
She is standing right in front of me
Speaking words of wisdom, let it be

Oh, let it be, let it be, let it be, let it be
Whisper words of wisdom, let it be

And when the broken hearted people
Living in the world agree
There will be an answer, let it be
For though they may be parted 
There is still a chance that they will see
There will be an answer, let it be

Oh, let it be, let it be, let it be, let it be
And there will be an answer, let it be

Oh, let it be, let it be, let it be, let it be
Whisper words of wisdom, let it be

Oh, let it be, let it be, let it be, let it be
Whisper words of wisdom, let it be

And when the night is cloudy
There is still a light that shines on me
Shine on until tomorrow, let it be
I wake up to the sound of music
Mother Mary comes to me
Speaking words of wisdom, let it be

Oh, let it be, let it be, let it be, let it be
There will be an answer, let it be

Oh, let it be
Won't you let it be, let it be, let it be
Whisper words of wisdom, let it be

Tradução e análise da música

A característica da música que mais capta a atenção do ouvinte é a repetição. A própria estrutura do tema sugere que ele tenha surgido a partir de um momento de inspiração e emoção, no qual o sujeito lírico precisa reproduzir e repetir em voz alta uma ideia ou pensamento. 

Mesmo antes de começarmos a analisar a letra, podemos perceber que há no tema uma sensação de calma, como se a voz que canta procurasse consolar aquele que a escuta. 

Título

 A expressão "let it be" pode ser traduzida, em português, como "deixe estar", "deixe acontecer" ou, pela expressão bem brasileira, "deixe rolar".

O próprio título transmite a ideia de desprendimento, de aceitação face aos acontecimentos da vida,

Estrofe 1

Quando eu me encontro em tempos difíceis

Mãe Maria vem até mim

Falando palavras de sabedoria, deixe estar

E nas minhas horas de escuridão

Ela está de pé bem diante de mim

Falando palavras de sabedoria, deixe estar

Segundo suas declarações em várias entrevistas, Paul escreveu a música depois de ter sonhado com sua mãe, Mary McCartney, que morreu dez anos antes. Embora o cantor não saiba se essas foram mesmo as palavras usadas pela mãe no sonho, o cerne do seu conselho era esse: "deixe estar". 

Retrato de Paul com sua mãe e irmão.
Retrato de Paul (à esquerda), com sua mãe e seu irmão Michael.

A canção começa com a figura maternal, "Maria", se aproximando do sujeito lírico perturbado e procurando acalmá-lo. Não sabemos se é um sonho, uma memória ou apenas a sua imaginação que procura recordar as palavras da mãe nas ocasiões mais difíceis. 

Numa leitura mais ampla e afastada do contexto pessoal, esta poderia ser entendida como uma manifestação da Virgem Maria, figura maternal e piedosa por natureza, segundo a religião católica.

Aqui, Maria representa a mãe de Paul mas também todas as mães que surgem nos momentos de sufoco para reconfortar e aconselhar seus filhos com "palavras de sabedoria". 

Refrão 

Deixe estar, deixe estar

Deixe estar, deixe estar

Sussurrando palavras de sabedoria, deixe estar

O refrão reproduz o conselho da mãe, substituindo o verbo "falar" por "sussurrar" e, assim, transmitindo uma maior sensação de proximidade, de carinho e conforto. A repetição assume a sonoridade de um de mantra, de uma espécie de oração ou de uma canção de ninar. 

O ensinamento é, então, deixar passar, ser paciente, manter a calma perante tudo aquilo que nos perturba. Diante das circunstâncias que o magoam ou fogem do seu controlo, o sujeito relembra do conselho materno, procurando se convencer e acalmar a si mesmo. 

Estrofe 2

E quando as pessoas de coração partido

Vivendo no mundo concordarem

Haverá uma resposta, deixe estar

Pois embora possam estar separadas

Elas verão que ainda há uma chance

Haverá uma resposta, deixe estar

A tradução aqui oferece algumas possibilidades de interpretação. No original, "parted" pode ser uma referência a pessoas que estão "separadas", isoladas ou que estão, como o sujeito, de luto por alguém que partiu.

Num tempo marcado por guerras e conflitos internacionais, assim como pela contracultura hippie e seus ideais de paz e amor, os Beatles apelavam a uma postura de harmonia coletiva, ou até global. Nesse sentido, na segunda estrofe, deixam uma mensagem de esperança para o futuro. 

Segundo o sujeito, quando todos aprenderem a tolerância, quando souberem aceitar as coisas como elas são, haverá uma resposta, uma solução: a serenidade para receber tudo o que a vida traz.

O recado poderia também ser direcionado aos próprios fãs fervorosos dos Beatles, que em breve sofreriam com a separação do grupo mas teriam de acatar sua decisão.

Paul pretende transmitir aos outros a sabedoria das palavras de sua mãe, acreditando que esses ensinamentos pacifistas têm o poder de mudar o mundo. Na gravação original, "haverá uma resposta" é substituído por "não haverá mais tristeza”, reforçando a possibilidade e a força dessa mudança. Nesta passagem, "let it be" também pode ser entendido como“deixe isso acontecer”, deixe que esse momento chegue. 

Estrofe 3

E quando a noite está nublada

Há ainda uma luz que brilha em mim

Brilha até a manhã, deixe estar

Eu acordo ao som da música

Mãe Maria vem até mim

Falando palavras de sabedoria, deixe estar

A última estrofe começa com uma "noite nublada", cenário nostálgico, que sugere solidão, tristeza ou desespero. Esse nevoeiro pode também ser metáfora para a mente confusa do sujeito e o seu estado de espírito. 

A escuridão é contrariada pelo verso seguinte, no qual surge a luz como símbolo de fé e força. A presença luminosa "brilha até amanhã": ou seja, até voltar o sol, até regressarem os dias felizes, ele se agarra à sua luz interior, à sua esperança.

"Let it be", nestes versos em particular, pode ser interpretado como "deixe para lá" ou "siga em frente". Com o verso "Eu acordo com o som da música" lembramos que a vida se transforma, melhora. O som pela manhã representa a ideia de recomeço, de um novo dia com inspiração e entusiasmo.

Algumas interpretações assumem que a mãe do cantor apareceu, num sonho, para o reconfortar por causa da separação iminente da banda, daí a referência à música. Nesta linha de pensamento, Paul estaria querendo transmitir aos seus admiradores que os membros dos Beatles continuariam criando e seguiriam suas carreias a solo.

Significado da música

A mensagem da música parece até simples demais, se limitando a duas palavras: deixe estar. No entanto, elas resumem uma postura perante a vida, uma forma de encarar as frustrações e tudo que foge do nosso controle.

A canção é, acima de tudo, uma lição de paciência, otimismo e esperança. Paul coloca na voz de sua mãe as palavras apaziguadoras que precisa escutar para suportar as agruras do destino com serenidade.  

A aparição da mãe, no momento em que o sujeito mais precisa dela, vem lembrar a união eterna, o laço inquebrável entre mães e filhos, um amor mais forte que a própria morte.

Semelhante à visão de um anjo, a memória de Maria o aconselha a não se preocupar muito com os problemas, nem pensar demais nas coisas tristes, pois a vida está em constante transformação.

É necessário aprender e exercitar a calma, a tolerância, a paz interior e o perdão, mantendo a fé em dias melhores. O sujeito repete esse ensinamento como um mantra, procurando interiorizar e transmitir aos outros também.

Face a derrotas ou episódios de solidão e tristeza, o conselho que os Beatles deixam nesta música é esse: esqueça isso, deixe que as coisas aconteçam, a vida segue em frente, deixe estar. 

Contexto histórico

O período de produção e lançamento da música (1969 e 1970) foi uma época marcada por inúmeros conflitos políticos e palco de várias transformações sociais. Trata-se de um tempo de grande confronto entre as mentalidades conservadoras e as novas correntes culturais que faziam da liberdade sua maior bandeira. 

Guerra e conflitos violentos

Retrato de soldado americano no Vietnã
Retrato de soldado no Vietnã com um capacete que diz "Guerra é inferno", de Horst Fass.

Em 1968, ano anterior à composição da música, começava a Guerra Civil da Irlanda, motivada por divergências religiosas entre católicos e protestantes.

A Guerra Fria entre os Estados Unidos da América e a União Soviética se mantinha desde 1945, através de conflitos indireto, entre os quais a Guerra do Vietnã (1955 a 1975),

A batalha entre o Vietnã do Norte e o Vietnã no Sul era, na verdade, entre a União Soviética e seus aliados comunistas e os Estados Unidos, Coreia do Sul e países anticomunistas. Em nome de interesses políticos, o governo norte-americano enviou seus jovens soldados para a morte. 

Contracultura e direitos civis

Esta também foi uma época altamente revolucionária no que diz respeito aos direitos civis e das minorias. As palavras de Martin Luther King e dos Black Panthers pelo fim da discriminação dos negros, os motins de Stonewall que originaram a luta LGBT e as marchas feministas e defesa das mulheres começaram a conquistar cada vez mais atenção. 

Imagem de um protesto contra a guerra do Vietnã.
Cartaz de protesto pacifista com a palavras "Amor, não guerra".

Era evidente uma mudança de paradigma da juventude que, influenciada pelos ideais de "paz e amor" da contracultura hippie, se recusava a ir para a guerra e protestava pela retirada das tropas.

Perante os confrontos violentos que atravessavam o seu tempo, estes jovens pregavam o pacifismo, o perdão e a harmonia entre todas as pessoas. 

Os Beatles se identificavam com esta mensagem e ajudaram a propagá-la, sendo apontados como uma influência progressista para os seus milhares de admiradores.

John Lennon e Yoko Ono em manifestação pelo fim do conflito.
John Lennon e Yoko Ono em manifestação pelo fim do conflito. 

John Lennon se destacou enquanto ativista político, desenvolvendo diversas performances, músicas e instalações com Yoko Ono para exigir o fim da guerra. 

The Beatles

A banda de rock britânica se formou em 1960, em Liverpool. Dois anos depois, ganhou a formação com a qual alcançou a fama estratosférica: John Lennon, Paul McCartney , George Harrison e Ringo Starr . The Beatles se tornou o grupo musical com maior sucesso da história da música popular.

O público literalmente parecia enlouquecer por eles, sofrendo aquilo que os jornais chamaram de "beatlemania". Ao longo da década de 60, seguiam atraindo multidões de fãs e influenciando de forma definitiva e inegável o mundo da música e a cultura pop ocidental.

Retrato das fãs dos Beatles
Retrato das fãs do grupo, contagiadas pelas Beatlemania.

Em 1969 deram seu último show e no ano seguinte lançaram o álbum final, Let It Be, acompanhado por um filme homônimo que documentava o processo de gravação . Embora a parceria só tenha sido desfeita legalmente em 1975, os membros não voltaram a tocar nem a gravar juntos. 

Diversas razões contribuíram para a separação da banda, como distância geográfica, diferenças artísticas, visões diferentes e novos projetos. Muitos também afirmam que o relacionamento de Lennon com Yoko Ono dificultou o processo, pois ele queria incluí-la na produção das músicas dos Beatles, algo que o resto da banda não aceitava. 

Tema que deu título ao último álbum da banda, Let It Be pode ser escutado como uma canção de despedida dos Beatles para seus fãs, querendo deixar uma mensagem positiva, de esperança

Carolina Marcello
Carolina Marcello
Formada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, alcançando o grau acadêmico de mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes na mesma instituição em 2014.