Música Bohemian Rhapsody, dos Queen


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Considerada a obra-prima da banda de rock britânica QueenBohemian Rhapsody foi o primeiro single do álbum A Night at the Opera (1975), quarto disco de estúdio do conjunto. 

Complexa musicalmente e extremamente longa para os padrões da época, Bohemian Rhapsody foi escrita por Freddie Mercury.

A música, que tem 5 minutos e 54 segundos de duração, quebrou paradigmas e vem encantando fãs ao longo de gerações.

Em novembro de 2018 foi lançado um filme com o mesmo nome da música que narra a biografia da banda Queen, enfocando especialmente as reviravoltas do polêmico vocalista Freddie Mercury.

Letra original de Bohemian Rhapsody

Is this the real life?
Is this just fantasy?
Caught in a landslide
No escape from reality

Open your eyes
Look up to the skies and see
I'm just a poor boy
I need no sympathy
Because I'm easy come, easy go
Little high, little low
Anyway the wind blows
Doesn't really matter to me
To me

Mama, just killed a man
Put a gun against his head
Pulled my trigger, now he's dead
Mama, life had just begun
But now I've gone and thrown it all away

Mama!
Didn't mean to make you cry
If I'm not back again this time tomorrow
Carry on, carry on
As if nothing really matters

Too late, my time has come
Sends shivers down my spine
Body's aching all the time
Goodbye everybody
I've got to go
Gotta leave you all behind
And face the truth

Mama!
(Anyway the wind blows)
I don't wanna die
I sometimes wish I'd never been born at all

I see a little silhouetto of a man
Scaramouche! Scaramouche!
Will you do the fandango?
Thunderbolt and lightning
Very, very frightening me!
Galileo! Galileo!
Galileo! Galileo!
Galileo, Figaro!
Magnifico!

I'm just a poor boy and nobody loves me
He's just a poor boy from a poor family
Spare him his life, from this monstrosity

Easy come, easy go
Will you let me go?

Bismillah!
No, we will not let you go!
(Let him go!)
Bismillah!
We will not let you go!
(Let him go!)
Bismillah!
We will not let you go!
(Let me go!)
Will not let you go!
(Let me go!)
Never, never let you go!
Never let me go!
No, no, no, no, no, no, no!

Oh, mamma mia, mamma mia!
Mamma mia, let me go!
Beelzebub, has a devil put aside for me!
For me!
For me!

So you think you can stone me and spit in my eye?
So you think you can love me and leave me to die?
Oh, baby!
Can't do this to me, baby!
Just gotta get out
Just gotta get right outta here!

Oh, yeah! Oh, yeah!

Nothing really matters
Anyone can see
Nothing really matters
Nothing really matters to me

Anyway the wind blows

Análise e interpretação da letra

O significado real da música como um todo permanece opaco de propósito. A música tem uma série de referências ocultas e pode ser interpretada sob diferentes pontos de vista. O próprio autor da letra, Freddie Mercury, que sempre se recusou a explicar sua criação, afirmou em entrevista:

"Acho que as pessoas deveriam apenas ouvir, pensar sobre isso e depois decidir o que isso significa para elas.”

A leitura literal da canção é que o narrador confessa um assassinato, é levado a julgamento e ou escapa ou é executado. Há quem diga que o clássico romance O Estrangeiro, de Albert Camus, teria sido uma referência chave para a criação de Mercury.

No livro, o protagonista confessa um assassinato por impulso e tem uma epifania antes de ser executado. A primeira parte da letra pode mesmo fazer referência a célebre obra-prima francesa:

Is this the real life? (Isso é a vida real?)
Is this just fantasy? (Isso é apenas fantasia?)
Caught in a landslide (Pego num desmoronamento)
No escape from reality (Sem escapatória da realidade)
Open your eyes (Abra seus olhos)
Look up to the skies and see (Olhe para os céus e veja)

Há, no entanto, possíveis leituras figurativas, como, por exemplo, a ideia de que a letra seria uma alegoria de Freddie para tratar da luta com a sua própria sexualidade.

Mais tarde soube-se que o cantor era bissexual, no entanto, na época da composição de Bohemian Rhapsody, ele, um astro do rock, preferiu omitir do público as suas preferências afetivas.

Nesse sentido, a parte a seguir da letra parece fazer mesmo uma referência a vida pessoal do vocalista:

I'm just a poor boy (Sou apenas um pobre garoto)
I need no sympathy (Eu não preciso de compaixão)
Because I'm easy come, easy go (Porque eu fácil venho, vou fácil)
A little high, little low (Um pouco forte, um pouco fraco)
Anyway the wind blows (Não importa para onde o vento sopre)
Doesn't really matter to me, to me (Realmente não importa para mim, para mim)

Existe ao longo da letra uma série de referências obscuras que procuraremos iluminar. Na parte logo a seguir o eu-lírico dirige-se a alguém e conta que matou um homem com um tiro na cabeça. Mamma pode vir de "Mamma Mia!", uma exclamação bastante comum italiana que traduz incredulidade ou surpresa. É um termo originalmente religioso, que faz menção à Virgem Maria.

"Mamma" é também lido por alguns como uma referência à Mary Austin, uma grande amiga do cantor que o acompanhou durante quase toda a vida.

Freddie e Mary chegaram a ser namorados durante a juventude, mas, um ano após o lançamento de Bohemian Rhapsody, ele confessou a ela que era bissexual e os dois terminaram o relacionamento amoroso.

Apesar de não terem seguido juntos no plano amoroso, ambos permaneceram cuidando um do outro como amigos. Freddie deixou para a ex metade da sua fortuna, incluindo os direitos autorais de toda a sua obra e a mansão onde vivia em Kensington.

Em entrevista concedida, Freddie afirmou sobre a sua relação com Mary Austin:

“Todos os meus amantes perguntam por que eles não podem substituir a Mary, mas é impossível. A Mary é minha única amiga, eu não quero mais ninguém. Para mim, ela era minha esposa, vivíamos um casamento. Nós acreditamos um no outro, é suficiente”. 

Retornado à letra, depois do eu-lírico contar o suposto assassinato com uma arma de fogo, ele dirige-se novamente a esse alguém não identificado e pede desculpas pelo ocorrido lamentando o fato do seu gesto impensado fazer sofrer.

O narrador a orienta a seguir em frente apesar de tudo:

Mama! (Mama!)
Didn't mean to make you cry (Não foi minha intenção fazê-la chorar)
If I'm not back again this time tomorrow (Se eu não estiver de volta a esta hora amanhã)
Carry on, carry on (Continue, continue)
As if nothing really matters (Como se nada realmente importasse)

Outro trecho que corrobora a teoria de que a música no fundo trata da sexualidade de Freddie Mercury é a descrição a seguir. A passagem transparece uma espécie de culpa, de remorso e de lamento por ele ter nascido desta forma:

Mama! (Mama!)
(Anyway the wind blows) / (De qualquer forma o vento sopra)
I don't wanna die (Eu não quero morrer)
I sometimes wish I'd never been born at all (Às vezes eu queria nunca ter nascido!)

A partir de então surge uma parte mais psicodélica da letra onde Mercury faz uma série de referências obscuras como Scaramouche, Fandango, Galileu, Fígaro e Bismillah. 

Bismillah! (Em nome de Deus!)
No, we will not let you go! (Não, nós não te deixaremos ir!)
(Let him go!) (Deixe-o ir!)
Bismillah! (Em nome de Deus!)

A dualidade entre alguém que quer ir embora e alguém que não deixa o sujeito ir é evidente neste trecho da canção. O eu-lírico volta então a expressar indignação através da expressão italiana e pede para partir. Nessa parte diz "Beelzebub, has a devil put aside for me!" (Belzebu, tem um diabo reservado para mim!). Belzebu, o príncipe dos demônios, também é referenciado na letra em oposição à Bismillah.

A parte final da canção parece ser uma reação do eu-lírico que aprende finalmente a se defender e a se revoltar com a atitude dos que estão ao redor:

So you think you can stone me and spit in my eye? (Então você acha que pode me apedrejar e cuspir no meu olho?)
So you think you can love me and leave me to die? (Então você acha que pode me amar e me deixar morrer?)
Oh, baby! (Ah, meu bem!)
Can't do this to me, baby! (Você não pode fazer isso comigo, meu bem!)

A solução encontrada pelo eu-lírico é se esvair, sair daquela situação ("Just gotta get out / Just gotta get right outta here!") e conclui que nada realmente importa ("Nothing really matters to me").

O que significa Scaramouche, Fandango e Bismillah?

Scaramouche é um palhaço personagem da comédia dell'arte (drama improvisado do século 16 italiano), a sua principal característica é o fato de sempre conseguir escapar de situações complicadas sendo tido como uma espécie de malandro. O scaramouche consegue se esquivar das situações difíceis em que invariavelmente se encontra, geralmente à custa de outra pessoa. Ele por vezes usa uma máscara preta e por vezes usa óculos.

Depois de chamá-lo o eu-lírico pergunta "Will you do the fandango?". Fandango, por sua vez, é uma dança de flamenco espanhola realizada em pares. Trata-se de uma dança espanhola tradicional, antiga (data do período Barroco) e agitada. Muitos consideram o fandango como uma dança exibicionista, sensual, onde são trocados muitos olhares.

Logo a seguir a letra menciona Galileo e Figaro. 

Galileo era um astrônomo florentino e pode ter sido inserido por Freddie na música como uma referência ao amigo da banda Brian May, que era um astrofísico de formação. Figaro, por sua vez, faz uma menção a ópera de Rossini, O barbeiro de Sevilha. Ao aludir a peça de Rossini, Mercury traz para o universo do rock a influência e a natureza da ópera.

Bismillah, que também aparece versos a frente na canção, faz uma referência a ascendência zoroastriana da família de Freddie Mercury. Bismillah é a primeira palavra no Alcorão e significa "em nome de Alá", “Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso”.

História da criação de Bohemian rhapsody

Os membros da banda sobreviventes afirmaram que a narrativa é baseada na lenda de Fausto. Na lenda de Fausto, escrita sob a forma de versos por Goethe (em 1775 foi composta a primeira versão), o protagonista Henrique Fausto vende a sua alma ao diabo, chamado Mefistófeles.

Primeira edição de Fausto (1808), poema trágico escrito por Goethe que teria servido de influência central para a composição de Bohemian Rhapsody, dos Queen.
Primeira edição de Fausto (1808), poema trágico escrito por Goethe que teria servido de influência central para a composição de Bohemian Rhapsody, dos Queen.

A obra-prima de Goethe é baseada em uma lenda medieval e conta a história do cientista/alquimista Fausto. No Céu, o diabo (Mefistófeles) aposta com Deus que é capaz de conquistar a alma de Fausto.

Como Fausto é um sujeito curioso que deseja aprender tudo, acaba caindo na lábia do diabo. Mefistófeles promete que Fausto terá tudo o que desejar na terra, desde que prometa servir o demônio no inferno. Os dois fecham o acordo que é selado com sangue.

A palavra Bohemia, presente no título da música dos Queen, refere-se à cidade da Boêmia, atual República Tcheca, onde Fausto, protagonista da história de Goethe, faz um pacto com o diabo a fim de ganhar fama. Há também um trecho da canção composta por Freddie Mercury que é apontada como tendo uma relação com a tragédia por mencionar um suposto pacto do eu-lírico com o diabo ("Belzebu deixou um diabo reservado para mim / Para mim, para mim").  

A palavra Bohemian também se refere a um grupo de artistas e músicos do século 19 conhecido por desafiar as convenções e viver com desrespeito aos padrões. 

Já a segunda parte do título, o termo rhapsody (derivado do grego: ῥαψῳδός ou rhapsosidos para um recitador da poesia épica, ou um rapsódico) é uma peça de música clássica com seções distintas que são tocadas como um único movimento. As rapsódias geralmente apresentam temas ou narrativas complexas.

A canção foi incluída no disco A night at the opera, lançado em 21 de novembro de 1975 pela gigante EMI.

Capa do disco A Night at the Opera.
Capa do disco A Night at the Opera.

Uma curiosidade sobre Bohemian rhapsody: o piano com que Freddie gravou aquela que viria a ser um clássico do rock foi o mesmo que Paul McCartney tocou quando os Beatles gravaram Hey Jude.

Sobre a criação musical, Brian May, integrante da banda, revelou em entrevista:

“Foi uma grande oportunidade para estarmos a plenos pulmões como uma banda de rock. Mas aquele riff grande e pesado veio de Freddie, não de mim. Isso foi algo que ele tocou com a mão esquerda em oitavas no piano. Então eu tive isso como um guia - e isso é muito difícil de fazer, porque Freddie era excepcional no piano, embora ele não achasse isso. Na verdade, ele achava que era um pianista medíocre e simplesmente acabou por parar de tocar durante a carreira.”

A banda Queen, já então famosa, queria lançar Bohemian Rhapsody como single, mas a gravadora EMI discordou, alegando que a música era muito longa para ser aceita nas rádios. 

Roy Featherstone, diretor da EMI e grande apoiador da banda, foi imediatamente contra o fato de Bohemian Rhapsody ser o single escolhido. 

A fim de quebrar o impasse, Freddie levou a obra para o seu amigo, o DJ de rádio Kenny Everett, que deu uma segunda opinião sobre o assunto.

Freddie comentou a respeito da imposição colocada pela gravadora:

“Estávamos convencidos de que poderia ser um sucesso em sua totalidade. Fomos obrigados a fazer concessões ao longo da carreira, mas cortar uma música nunca foi uma delas.” 

Bohemian Rhapsody tornou-se um sucesso internacional, alcançando o 1º lugar em cinco países e alcançando o 9º lugar nos Estados Unidos. Dezessete anos após seu lançamento inicial, voltou a entrar nas paradas de sucesso nos EUA, chegando ao 2º lugar depois de ser apresentado no filme Wayne's World (1992) . 

Em 2002, a música foi escolhida como a número um em uma pesquisa encomendada pelo Guinness World Records como o single favorito da Grã-Bretanha de todos os tempos. A pesquisa mostrou que Bohemian Rhapsody superou grandes clássicos dos Beatles e até mesmo Imagine, de John Lennon.

queen

Tradução

Isto é a vida real?
Isto é apenas fantasia?
Soterrado num deslizamento
Sem saída da realidade

Abra seus olhos
Olhe para o céu e veja
Mas eu sou apenas um pobre menino
Eu não necessito de nenhuma simpatia

Porque eu venho fácil, vou fácil
Um pouco elevado, pouco baixo
De qualquer maneira, o vento sopra
Isso realmente não importa para mim
Para mim

Mamãe, acabei de matar um homem
Coloquei uma arma contra a sua cabeça
Puxei o gatilho, agora ele está morto
Mamãe, a vida tinha acabado de começar
Mas agora eu estou acabado e joguei tudo fora

Mamãe, oh!
Não quis te fazer chorar
Se eu não estiver de volta a esta hora amanhã
Siga em frente, siga em frente
Como se nada realmente importasse

Tarde demais, minha hora chegou
Sinto arrepios em minha espinha
O corpo doendo o tempo todo
Adeus a todos, eu preciso ir
Tenho que deixar vocês todos para trás
E enfrentar a verdade

Mamãe, oh!
(De qualquer maneira, o vento sopra)
Eu não quero morrer
Mas às vezes desejo
Que eu nunca tivesse nascido

Eu vejo uma pequena silhueta de um homem
Palhaço, Palhaço
Você vai dançar Fandango?
Trovões e relâmpagos
me assustando muito, muito

Galileo. Galileo
Galileo. Galileo
Galileo, Figaro
Magnifico!

Mas eu sou apenas um pobre menino
E ninguém me ama
Ele é apenas um menino pobre
De uma família pobre
Poupe a sua vida desta monstruosidade

Venho fácil, vou fácil
Vocês me deixarão ir?
Bismillah!
Não, nós não o deixaremos ir
(Deixe-o ir!)
Bismillah! Nós não o deixaremos ir
(Deixe-o ir!)
Bismillah! Nós não o deixaremos ir
(Deixem-me ir!)
Não o deixaremos ir
(Deixem-me ir!)
Nunca, nunca o deixaremos ir
(Deixem-me ir!)

Nunca me deixe ir, oh!
Não, não, não, não, não, não, não
O minha mãe, minha mãe
Minha mãe, deixe-me ir
Belzebu deixou um diabo reservado para mim
Para mim, para mim

Então você pensa que pode me apedrejar
e cuspir no meu olho
Então você pensa que pode me amar
E me deixar morrer

Oh, amor, não pode fazer isto comigo, amor
Tenho apenas que sair
Tenho apenas que sair daqui agora mesmo

Oh, oh yeah, oh yeah!

Nada realmente importa
Qualquer um pode ver
Nada realmente importa
Nada realmente importa para mim
(De qualquer maneira, o vento sopra)

Videoclipe oficial (1975)

O clipe abaixo foi gravado no dia 10 de novembro de 1975. Levou apenas quatro horas para ser filmado e outras cinco para ser editado. O custo total foi de £4.500. Dez dias depois o clipe foi exibido no Top Of The Pops

Quando os outros artistas e gravadoras viram o efeito da promoção que o videoclipe foi capaz de fazer, embarcaram na onda e começaram a investir nesse tipo de produto audiovisual. 

O vídeo abre com uma imagem dos quatro membros da banda na escuridão enquanto eles cantam a cappella. As luzes se apagam e a câmera aponta para um close-up do vocalista principal, Freddie Mercury. Todos os efeitos especiais foram alcançados durante a própria gravação. O efeito do zoom do rosto, por exemplo, foi conseguido apontando a câmera para um monitor. 

Confira o resultado final abaixo: 

Filme Bohemian Rhapsody (2018)

Lançado no dia 1 de novembro de 2018, Bohemian Rhapsody conta com a direção de Bryan Singer e Dexter Fletcher. Com 2h e 15min de duração, o filme que conta a história de Freddie Mercury (interpretado por Rami Malek) desvenda os bastidores do astro do rock desde a sua adolescência até a sua trágica morte prematura.  

A história se inicia na década de 1970, na Inglaterra, quando Freddie conhece os seus futuros companheiros da banda Queen. 

Brian May (interpretado por Gwilyn Lee), Roger Taylor (interpretado por Ben Hardy) e John Deacon (interpretado por Joseph Mazzello) juntam-se ao astro. Os quatro criam aquele que virá a ser um dos maiores conjuntos de rock de todos os tempos.

Uma curiosidade: o protagonista Freddie Mercury seria interpretado por Sacha Baron Cohen mas, devido a divergências criativas com Brian May e Roger Taylor, músicos da banda Queen, o ator acabou por ser substituído por Rami Malek.

Confira abaixo o trailer do longa metragem:

As 5 diferenças essenciais entre o filme e a história original

1. O vilão Ray Foster, executivo da gravadora EMI

No longa metragem o personagem Ray Foster, um executivo da gravadora EMI, se nega a aceitar Bohemian Rhapsody como o single do álbum A Night at the Opera (1975). Na vida real, o chefe da EMI era Roy Featherstone e sempre foi um enorme apoiador da banda Queen. 

2. Como Mercury e o namorado se conheceram

No filme, Mercury conhece o namorado no seu apartamento após uma festa de arromba. O namorado seria um garçom que havia trabalhado na festa e teria se negado a dormir com ele. Na vida real o astro do rock conheceu Jim Hutton em uma boate na década de 1980. Hutton era um cabeleireiro do Savoy Hotel.

Mercury e seu companheiro Jim.
Mercury e seu companheiro Jim.

3. Quando o cantor divulgou que era soropositivo

Segundo o namorado de Mercury, o cantor descobriu que tinha a doença em 1987. No filme, o astro conta para os outros integrantes do Queen sobre a sua condição durante os ensaios do show Live Aid, no entanto o cantor só anunciou, de fato, que havia contraído AIDS no dia 23 de novembro de 1991, um dia antes de morrer.

4. Aparição no show Live Aid

De acordo com o filme, a banda se reencontrou após as desavenças e fez a sua primeira apresentação no show beneficente Live Aid. Nesse caso a ficção não corresponde a realidade, os Queen já haviam feito uma turnê mundial antes do show Live Aid para promover o disco The works.

Apresentação no show Live Aid de 1985.
Apresentação no show Live Aid de 1985.

5. A separação do grupo

Pelo longa metragem acreditamos que a ruptura do conjunto foi feita de modo tenso, com a assinatura de um contrato solo feita por Mercury que lhe rendeu 4 milhões de dólares. O contrato teria sido assinado as escuras, sem que os outros membros da banda soubessem. Na vida real a separação foi amigável e os integrantes resolveram se afastar depois de tanto tempo juntos, em turnê. Todos os membros quiseram se dedicar a projetos individuais e não perderam contato durante a pausa dos Queen.

queen
Retrato dos Queen.

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Graduada em Letras, mestre em Literatura e doutora em Estudos de Cultura, trabalhou durante dez anos como editora assistente e executiva em editoras no Brasil e em Portugal.