Música Smells like Teen Spirit de Nirvana


Integrada em Nevermind, o segundo e mais vendido álbum de Nirvana, a música Smells like Teen Spirit foi lançada em 1991. Logo se tornou o hino de uma geração e um dos sons mais marcantes da década de noventa, projetando a banda para a fama internacional e estabelecendo Kurt Cobain como ícone. 

Capa do cd Nevermind de Nirvana.
Capa de Nevermind (1991).

Grande responsável pela divulgação do grunge como estilo musical, Nirvana deu voz à angustia adolescente. Usando a música como forma de libertação e catarse, Smells like Teen Spirit continua conquistando corações de jovens por todo o mundo. 

Letra da música

Smells like Teen Spirit

Load up on guns
Bring your friends
It's fun to lose and to pretend
She's overboard, self assured
Oh no I know, a dirty word

Hello, hello, hello, how low 
Hello, hello, hello

With the lights out, it's less dangerous
Here we are now, entertain us
I feel stupid and contagious
Here we are now, entertain us
A mulatto, an albino
A mosquito, my libido, yeah

I'm worse at what I do best
And for this gift, I feel blessed
Our little group has always been
And always will until the end

Hello, hello, hello, how low 
Hello, hello, hello

With the lights out, it's less dangerous
Here we are now, entertain us
I feel stupid and contagious
Here we are now, entertain us
A mulatto, an Albino
A mosquito, my libido, yeah

And I forget just why I taste
Oh yeah, I guess it makes me smile
I found it hard, it was hard to find
Oh well, whatever, nevermind

Hello, hello, hello, how low 
Hello, hello, hello

With the lights out, it's less dangerous
Here we are now, entertain us
I feel stupid and contagious
Here we are now, entertain us
A mulatto, an albino
A mosquito, my libido

A denial (x9)

Tradução da letra

Cheira A Espírito Adolescente

Carregue suas armas

E traga seus amigos

É divertido perder e fingir

Ela está entediada e auto-confiante

Oh não, eu sei um palavrão

Olá, olá, olá, que baixaria 

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá, que baixaria 

Olá, olá, olá

Com as luzes apagadas é menos perigoso

Aqui, estamos nós agora, nos divirta

Me sinto estúpido e contagioso

Aqui, estamos nós agora, nos divirta

Um mulato, um albino, um mosquito

Minha libido

Sou o pior no que faço de melhor

E por esta dádiva me sinto abençoado

Nosso pequeno grupo sempre existiu

E sempre existirá até o fim

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá, que baixaria

Com as luzes apagadas é menos perigoso

Aqui, estamos nós agora, nos divirta

Me sinto estúpido e contagioso

Aqui, estamos nós agora, nos divirta

Um mulato, um albino,

Um mosquito, minha libido

E eu me esqueço porque eu provo

Oh sim, acho que me faz sorrir

Eu achei difícil, é difícil de achar

Bem, que seja, esquece

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá, que baixaria

Com as luzes apagadas é menos perigoso

Aqui estamos nós agora, nos divirta

Me sinto estúpido e contagioso

Aqui, estamos nós agora, nos divirta

Um mulato, um albino, um mosquito

Minha libido

Uma negação (x9)

Análise da música

Apesar de ser uma das músicas mais emblemáticas do século XX, a letra de Smells like Teen Spirit continua envolta em mistério. Composta por versos enigmáticos e cantada com gritos de revolta, não é fácil compreender a sua mensagem.

Numa primeira análise, é desde logo notório o discurso confuso e fragmentado, como se o sujeito lírico também não soubesse exatamente o que está dizendo. Esta sensação de dificuldade de comunicação aumenta devido ao tom de ironia e sarcasmo que transparece em alguns dos versos.

Com uma reflexão mais profunda e detalhada, conseguimos descortinar várias leituras e interpretações possíveis, relativas ao contexto histórico e social da criação, e também ao percurso e trabalho da banda. 

O título

O próprio nome da música é ambíguo e gera algum debate. Traduzido, "Cheira a Espírito Adolescente", promete um retrato geracional. No entanto, devido ao tom de sarcasmo adotado pelo sujeito lírico, não fica claro se essa representação pretende ser fiel ou satírica. 

Uma espécie de lenda que rondava o título foi confirmada, a sua fonte de inspiração. Kathleen Hanna, líder da banda punk Bikini Kill e ícone feminista da época, escreveu numa parede:


Kurt cheira a espírito adolescente. 

Alguns defendem que Cobain interpretou a frase como uma metáfora, acreditando que Hanna o apontava como porta-voz da revolta adolescente. Outros, incluindo fontes próximas do cantor, afirmam que ele gostou da frase por achá-la absurda. Em todo o caso, Nirvana usou o rabisco da artista como referência no título de seu maior hit.

Algum tempo depois da música sair, descobriram o significado da frase misteriosa. Kathleen estava se referindo ao desodorante Teen Spirit, que a namorada de Kurt usava na época. De alguma forma, a história de como o titulo surgiu combina com o teor da letra, confundindo metafórico e literal, construção e realidade.

Primeira estrofe

Carregue suas armas

E traga seus amigos

É divertido perder e fingir

Ela está entediada e auto-confiante

Oh não, eu sei um palavrão

A canção começa com um convite: “Carregue suas armas / E traga seus amigos”. Estes primeiros versos funcionam como mote da letra, marcando o tom de revolta compartilhada e aborrecimento. Espelhando a angústia adolescente, sob a forma de vazio e tédio existencial, a frase sintetiza a tendência juvenil de "brincar com o fogo".

O verso e a mensagem ganham ainda mais força quando temos em vista o contexto norte-americano no qual Cobain viveu e contra o qual escreveu e cantou tantas vezes. 

Com a lei dos Estados Unidos permitindo e praticamente incentivando o uso de armas de fogo em algumas regiões, era habitual que um segmento da juventude se unisse para disparar, caçar, etc.

Esta relação entre diversão e violência, parte da cultura americana, continua presente ao longo da composição. O próprio sofrimento e a derrota são transformados em brincadeira: “É divertido perder e fingir”. Aqui surge um tom de sarcasmo e, talvez, o prazer da autodestruição: a ideia de que gostamos daquilo que nos faz mal.

Toda aquela geração estava “entediada e autoconfiante”, acreditando em si mesma mas sem saber o que fazer com a própria vida. Embora não existam evidências, algumas interpretações afirmam que ao dizer “ela”, Kurt se referia à namorada da época, Tobi Vail.

A relação conturbada dos dois, pautada mais pelas conversas políticas e filosóficas do que pelo romance, é referida em outras composições da banda.

O último verso. jocoso. dita o final de uma inocência que teria restado da infância, sugerindo que o sujeito lírico está, de alguma forma, corrompido: “oh não, eu sei um palavrão”.

Pré-refrão

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá, que baixaria

Olá, olá, olá

O pré-refrão consiste num jogo de palavras. Brincando com a assonância, Kurt repete “hello” (“olá”) até se transformar em “how low” (que pode ser traduzido como “que baixo” ou “que baixaria”). Esses versos, aparentemente tão simples e absurdos, podem ser interpretados de várias formas diferentes, embora todas impliquem um tom depreciativo.

Uma das leituras possíveis é a de que se trata de uma crítica às relações sociais fúteis e as conversas sem conteúdo. Outra é a de que a crítica é direcionada à própria indústria musical, ridicularizando os refrões fáceis e repetitivos que atingiam os tops de vendas.

Numa leitura biografista, é também possível que Kurt estivesse falando acerca do seu estado de espírito. O seu quadro mental depressivo, que culminou no suicídio, está documentando nas suas músicas e nos seus diversos escritos. Alguns fãs de Nirvana defendem que estes versos podem sugerir que, apesar de todas as interações sociais, Cobain permanecia triste e solitário.

Refrão

Com as luzes apagadas é menos perigoso

Aqui estamos nós agora, nos divirta

Me sinto estúpido e contagioso

Aqui, estamos nós agora, nos divirta

Um mulato, um albino, um mosquito

Minha libido

O começo do refrão confirma a existência de um perigo que está sendo sugerido desde o início da música. "Com as luzes apagadas" não conseguimos ver o que está acontecendo e isso pode trazer uma falsa sensação de conforto ou segurança. 

O verso ilustra um pensamento comum, principalmente entre os jovens: a ideia de que se não estivermos conscientes do perigo, ele não vai nos atacar. Esta apologia da inconsciência surge de forma sarcástica, embora possa também ser entendida como uma confissão do sujeito, que tem medo de ver a realidade. 

Da mesma forma, os versos seguintes podem ser lidos como o desespero de alguém que se confessa ou a sátira de alguém que pretende criticar a sociedade sobre a qual e para a qual canta. 

"Aqui estamos nós agora, nos divirta" parece apontar a alienação de uma juventude que cresceu na frente da TV e prefere entretenimento do que informação. 

Se declarando "estúpido e contagioso", o sujeito indica que esse espírito de desinformação é coletivo, aparenta ser cultivado e transmitido ou encorajado pelos outros.

A frase também pode ser encarada como um desabafo de Cobain, que teria medo de contagiar as outras pessoas com a sua depressão e não sabia como se relacionar com a fama e o público. 

O final do refrão também não é de fácil compreensão, gerando várias hipóteses. Algumas leituras sugerem pares de contrastes: "albino" seria oposto de "mulato" por não ter melanina, "mosquito" o oposto de "libido" por ser pequeno.  

Outras interpretações apontam uma possível lista de imagens daquilo que estava fora da norma ou que incomodava a sociedade. Uma terceira perspectiva defende que se trata de um jogo de palavras, atentando apenas ao som e não ao significado dos vocábulos. 

Segunda estrofe 

Sou o pior no que faço de melhor

E por esta dádiva me sinto abençoado

Nosso pequeno grupo sempre existiu

E sempre existirá até o fim

Aqui parece se consolidar a relação entre o sujeito lírico e o autor da letra. Kurt amava a música e vivia em função dela mas se sentia inferior aos ídolos que cresceu escutando. Se declarando "o pior" no que fazia "de melhor", admite que não é um gênio, não é especial nem particularmente talentoso. 

Embora afirme que se sente "abençoado" por ser mais um, não deixa de ser irônico reparar que esta foi a canção que eternizou Cobain como um dos maiores nomes do rock mundial.

Os versos finais desta estrofe também estão abertos a diversas leituras. Na linha do que foi dito acima, poderiam ser uma referência à própria banda, que estava unida antes da fama e permaneceria junta quando o sucesso terminasse. 

Contudo, também podemos presumir que os versos se referem à existência de um grupo de jovens que sempre foram socialmente excluídos. Nirvana deixaria, então, a promessa: esses indivíduos não iriam mudar para se encaixarem na sociedade, continuariam sempre existindo nas margens.

Esta visão parece ganhar força quando pensamos no própria cultura punk que nasceu pela mão dos marginalizados, sobreviveu à moda e à comercialização e continua firme na atualidade.

Terceira estrofe

E eu me esqueço porque eu provo

Oh sim, acho que me faz sorrir

Eu achei difícil, é difícil de achar

Bem, que seja, esquece

Com um discurso fragmentado e confuso, como se o sujeito estivesse falando sozinho, divagando, a última estrofe pode versar sobre vários temas. Podemos entender que aquilo que o sujeito prova e que o faz sorrir são as drogas, que o afastam momentaneamente da realidade.

O uso de heroína de Kurt Cobain é referido nas suas músicas e nos seus diários, como algo que lhe trazia um grande sofrimento, mas também um prazer instantâneo. Em contrapartida, talvez pudéssemos dizer o mesmo acerca da sua relação com a música ou com as outras pessoas. 

Com o verso "Bem, que seja, esquece",  o sujeito interrompe o que estava falando, não se explica, como se o interlocutor não fosse entender o que ele queria dizer.  Assim é sublinhada a sua solidão e incapacidade de exprimir de forma clara aquilo que sente. 

Verso final

Uma negação

A terceira estrofe poderia ser lida como uma apologia da vida boêmia enquanto forma de fugir dos problemas. No entanto, o verso final da canção, gritado nove vezes por Cobain, vem contradizer essa ideia. Sim, podemos brincar com o perigo, podemos até gostar do próprio sofrimento, mas estamos apenas negando a realidade dos nossos sentimentos. 

Por trás de todo o entusiasmo juvenil que Smells like Teen Spirit transmite, é também notória a dor e a angústia, a revolta e a sede de transformação social. 

Significado da música 

Smells like Teen Spirit se tornou a música mais icônica e representativa do grunge, sub-gênero do rock alternativo que surgiu em Seattle, no final dos anos 80. Assim, expressa muitos dos sentimentos próprios do estilo musical, tal como a revolta, a alienação social e o desejo de libertação. 

Devido ao seu conteúdo críptico, não é fácil termos a certeza do seu significado. Ao longo do tempo, foram surgindo inúmeras interpretações para a letra da canção. O tema pode ser entendido, simultaneamente, como um hino de e contra uma geração. 

Mostrando o sentido e o absurdo, a fé e o cinismo, o entusiasmo e o tédio, a música parece resumir os conflitos interiores de um "espírito adolescente".

Enfatizando a raiva própria da juventude, Nirvana deu voz à insatisfação da Geração X perante as camadas nucleares da sociedade, fazendo ecoar o desejo de revolução. 

Assim, podemos interpretar a canção como um desabafo e uma crítica de Cobain à geração da qual fazia parte e que o tomou, contra a sua vontade, como porta-voz. Apesar de todas as ambições de mudança, estes jovens permaneciam alienados, inertes, em negação. Ou, nas palavras de Kurt Cobain: 

A apatia da minha geração. Estou enojado com ela. Estou enojado com minha própria apatia, também...

Kurt Cobain: cantor e letrista de Nirvana 

Fotografia de Kurt Cobain durante um concerto de Nirvana.
Fotografia de Kurt Cobain durante um show de Nirvana. 

Kurt Donald Cobain nasceu em Aberdeen, dia 20 de fevereiro de 1967. Teve uma infância difícil, marcada pela pobreza e pelo divórcio dos pais. Nessa época, nasceu o seu espírito de rebeldia e Kurt começou a se dedicar à música e ao desenho. 

Em 1987 formou a banda Nirvana com Krist Novoselic, lançando o primeiro álbum, Bleach, dois anos depois. Nirvana passou por várias formações, contando com a participação de alguns baterias até 1990, quando Dave Grohl se juntou ao grupo. 

Em 1991 saiu Nevermind, o disco que veio cimentar o sucesso estratosférico da banda. Kurt, que era tímido e sofria de vários problemas como depressão e dependência química, não soube lidar com a fama súbita. Não tendo o desejo de ser ídolo ou herói de ninguém, acreditava que as mensagens de suas músicas não eram entendidas pelo público. 

Smells like Teen Spirit foi o tema que lançou a banda para o estrelato e, por isso, Cobain não gostava dela e por vezes se recusava a tocá-la nos shows.

Apesar de todas as interpretações que a canção possibilita, explicava a sua criação de maneira bem simples, como se quisesse desfazer o mito: 

Eu estava tentando escrever a melhor música pop. Estava basicamente tentando copiar os Pixies. Tenho que admitir isso.

Dia 5 de fevereiro de 1994, Kurt Cobain se suicidou com um tiro de espingarda na cabeça, deixando de luto uma geração inteira. As suas palavras e as suas músicas, no entanto, são intemporais.