15 livros de poesia que você precisa conhecer


Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes

Um dos gêneros literários que continuam arrecadando leitores de todas as gerações, ao longo de séculos, a poesia é um universo riquíssimo, repleto de títulos fundamentais.

Neste conteúdo reunimos algumas dicas de livros brasileiros e internacionais, combinando grandes clássicos e lançamentos recentes, que você precisa descobrir ou relembrar.

1. Canções de atormentar, Angélica Freitas

Canções de atormentar, Angélica Freitas

Angélica Freitas (1973) é uma poeta e tradutora nascida no Rio Grande do Sul que tem sido apontada como um nome de destaque na poesia contemporânea nacional. A autora ganhou mais notoriedade com o livro um útero é do tamanho de um punho (2012), uma reflexão poética acerca do gênero feminino.

Canções de atormentar (2020), sua obra mais recente, combina um olhar nostálgico sobre a infância e o passado com uma visão crítica aguçada acerca dos problemas sociopolíticos atuais.

Seus poemas, atravessados por um tom de humor e rebeldia, se focam em temas tão vastos como o amor, a desilusão e as complexidades da vida cotidiana.

2. O meu quintal é maior do que o mundo, Manoel de Barros

O meu quintal é maior do que o mundo, Manoel de Barros

Considerado um dos nomes mais célebres da nossa literatura, o mato-grossense Manoel de Barros (1916 — 2014) também é conhecido como o "poeta das miudezas".

Influenciado pelas experiências do meio rural, onde passou uma boa parte da sua vida, o autor escrevia principalmente sobre a natureza e o a vida cotidiana. Seus versos são lembrados por uma forte presença dos cinco sentidos, além do uso de linguagem simples e neologismos.

A antologia Meu quintal é maior do que o mundo, lançada em 2015, reúne poemas publicados ao longo de seis décadas de carreira. Revelando a riqueza da sua lírica, o livro apresenta as composições mais famosas do poeta, assim como as várias fases e facetas da sua escrita.

Para entrar em estado de árvore é preciso partir de
um torpor animal de lagarto às três horas da tarde,
no mês de agosto.
Em dois anos a inércia e o mato vão crescer em
nossa boca.
Sofreremos alguma decomposição lírica até o mato
sair na voz.

Hoje eu desenho o cheiro das árvores.

Confira também os melhores poemas de Manoel de Barros.

3. Para o meu coração num domingo, Wislawa Szymborska

Para o meu coração num domingo, Wislawa Szymborska

Vencedora do Prêmio Nobel de Literatura em 1996, Wisława Szymborska (1923 — 2012) foi uma importante autora, crítica literária e tradutora polonesa. Apelidada de "Mozart da poesia", Szymborska se tornou uma enorme influência internacional.

Seu percurso foi marcado por inúmeros conflitos políticos e ideológicos. Na juventude, durante a Segunda Guerra Mundial, foi proibida de frequentar a escola; mais tarde, em 1949, teve sua primeira obra de poesia censurada.

Na coletânea, encontramos 85 composições marcadas pela ironia que se debruçam sobre temas atemporais como a história, a filosofia e a vastidão da experiência humana.

Só nos conhecemos na medida
em que somos postos à prova.
Digo-lhes isso
do meu coração, que desconheço.

4. Da poesia, Hilda Hilst

Da poesia, Hilda Hilst

Nascida em São Paulo, Hilda Hilst (1930 — 2004) foi uma das grandes vozes da sua geração e publicou obras de vários gêneros literários, como poesia, teatro, crônica se ficção.

Controversa e vanguardista, sua lírica fala de amor, erotismo, morte, loucura e muito mais. Da Poesia é uma obra lançada em 2017 que contem toda a produção poética da autora, além de textos inéditos, correspondências e depoimentos dos seus pares.

Canção do mundo
perdida na tua boca.

Canção das mãos
que ficaram na minha cabeça.

Eram tuas e pareciam asas.

Confira também melhores poemas de Hilda Hilst.

5. A rosa do povo, Carlos Drummond de Andrade

A Rosa do povo, Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade (1902 — 1987), poeta mineiro que integrou a segunda geração do modernismo, é sem dúvida um dos maiores nomes da nossa literatura.

O autor conhecido por tratar temas como a vida nos grandes espaços urbanos, a solidão e as relações humanas, publicou A Rosa do Povo em 1945.

A obra, que é um verdadeiro clássico, contem poemas escritos nos dois anos anteriores e ilustra a dura atmosfera do seu tempo. Seus versos, repletos de reflexões políticas e inquietações existenciais, deixam transparecer um tom sério, muitas vezes céptico e desiludido.

Com o Estado Novo no Brasil e o cenário internacional da Segunda Guerra como pano de fundo, o livro revela o lado social da poesia de Drummond.

Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
Uma flor ainda desbotada
ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
garanto que uma flor nasceu.

Confira também os melhores poemas de Carlos Drummond de Andrade.

6. Meu corpo minha casa, Rupi Kaur

Meu corpo minha casa, Rupi Kaur

Um verdadeiro fenômeno de popularidade nas redes sociais, Rupi Kaur (1992) é uma poeta e artista visual indiana que mora no Canadá desde a infância.

Sua lírica se caracteriza por uma linguagem simples e temáticas atuais como os relacionamentos amorosos, a autoestima e o empoderamento feminino. Meu corpo minha casa, seu terceiro livro de poesia, foi publicado em 2020 e já bateu recordes de vendas pelo mundo inteiro.

Com seu lirismo confessional, a autora narra episódios traumáticos do passado, pensando na relação que mantém consigo mesma e com o seu corpo. As composições, que falam que sobre depressão e ansiedade, mas também sobre força e superação, foram traduzidas por Ana Guadalupe.

cansei de ficar decepcionada
com a casa que me mantém viva
estou exausta de tanto gastar energia
odiando a mim mesma

7. Toda poesia, Paulo Leminski

Toda Poesia, Paulo Leminski

Nascido em Curitiba, Paulo Leminski (1944 — 1989) foi um incomparável poeta, crítico e tradutor literário brasileiro que também se dedicou ao ensino e à música.

Seus versos se caracterizam pela linguagem coloquial e uso do humor, surgindo habitualmente em composições breves, influenciadas pelos haikais da cultura japonesa que seguiam uma métrica e um conjunto singular de regras.

A antologia Toda Poesia, que reúne seus poemas concretos e líricos, foi lançada em 2013 e ajudou a popularizar a sua obra junto do grande público. Atualmente, o livro continua integrando os tops de vendas nacionais.

não discuto
com o destino
o que pintar
eu assino

Confira também os melhores poemas de Leminski.

8. A vida submarina, Ana Martins Marques

A vida submarina, Ana Martins Marques

Ana Martins Marques (1977) é uma autora e acadêmica de Belo Horizonte que tem sido considerada uma das grandes referências da poesia contemporânea brasileira.

Influenciada pelos artistas do modernismo nacional, sua lírica se foca nos elementos do cotidiano e repensa a própria linguagem e criação poética.

A vida submarina foi o seu primeiro livro, lançado em 2009, e projetou o nome da escritora para a fama, refletindo acerca da relação do sujeito com o mundo. Devido ao grande êxito, a obra foi reeditada em 2020 pela editora Companhia das Letras.

9. O amor é um cão dos diabos, Charles Bukowski

O amor é um cão dos diabos, Charles Bukowski

Um dos autores mais célebres e polêmicos da literatura norte-americana, Charles Bukowski (1920 — 1994) escreveu inúmeras obras de prosa e poesia que se popularizaram pelo mundo inteiro.

Em O amor é um cão dos diabos, publicado originalmente em 1977, podemos encontrar composições inspiradas nas próprias vivências de Bukowski. A edição brasileira foi lançada em 2010, com tradução de Pedro Gonzaga.

Os versos falam sobre encontros e paixões fugazes, acompanhando episódios do seu estilo de vida boêmio e solitário.

Confira também os melhores poemas de Charles Bukowski.

10. A teus pés, Ana Cristina César

A teus pés, Ana Cristina César

A carioca Ana Cristina Cesar (1952 — 1983), também conhecida como Ana C., foi uma das maiores representantes da Geração Mimeógrafo e da literatura marginal dos anos 70 e 80.

Embora também tenha trabalhado como tradutora e crítica literária, a autora é lembrada principalmente pela sua poesia intimista, ancorada no existencialismo e com um olhar fixado nas emoções e inquietações do presente.

A Teus Pés, seu último livro, foi lançado em 1982 e reúne textos poéticos que constavam em três publicações independentes. Apesar do falecimento prematuro de Ana C., a obra segue ganhando leitores e admiradores.

Eu não sabia
que virar pelo avesso
era uma experiência mortal.

11. Antologia Poética, Vinicius de Moraes

Antologia Poética, Vinicius de Moraes

Apelidado carinhosamente de "poetinha", Vinicius de Moraes (1913 — 1980) foi um notório escritor, músico e compositor nacional que fez parte do nascimento da Bossa Nova.

Sua lírica conquistou o público brasileiro através de sonetos e poemas de amor que encantaram gerações. Contudo, seus versos também se focavam nos tempos que vivia, atentando nas pautas políticas e sociais em voga.

Na antologia publicada pela Companhia de Letras, em 2015, são apresentadas as melhores composições do poeta, assim como retratos inéditos de vários momentos da sua vida, para quem quiser conhecer mais sobre Vinicius.

Confira também os melhores poemas de Vinicius de Moraes.

12. Jamais peço desculpas por me derramar, Ryane Leão

Jamais peço desculpas por me derramar, Ryane Leão

Ryane Leão (1989) é uma poeta nascida em Cuiabá e radicada em São Paulo que iniciou a carreira espalhando textos da sua autoria pela cidade. A escritora atingiu a fama através da publicação nas suas redes sociais, assim como pela participação em saraus e slams de poesia.

Em 2017, Leão publicou o sucesso Tudo Nela Brilha e Queima, onde escreve sobre questões raciais e de gênero, bem como outras temáticas relacionadas com autoestima, aceitação e representatividade.

Dois anos mais tarde lançou Jamais peço desculpas por me derramar, uma obra inspiradora que fala de emoções, mudanças e resistência.

13. Esconderijos do tempo, Mario Quintana

Esconderijos do tempo, Mario Quintana

Mario Quintana (1906 — 1994), o encantador "poeta das coisas simples", foi um escritor, tradutor e jornalista nascido no Rio Grande do Sul.

Seus poemas são conhecidos por serem curtos e repletos de sabedoria, utilizando uma linguagem cotidiana e estabelecendo uma espécie de diálogo com o autor.

A obra foi lançada em 1980, já numa fase tardia da vida de Quintana, e espelha a sua maturidade, pensando temas como a memória, o envelhecimento e o final da jornada.

Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

Confira também os melhores poemas de Mario Quintana.

14. Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda

Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda

Pablo Neruda (1904 — 1973) foi um importante poeta chileno, apontado como um dos maiores autores da língua espanhola, que venceu o Nobel de Literatura em 1971. Os versos apaixonados de Neruda entraram para a história de leitores e amantes do mundo todo.

Vinte poemas de amor e uma canção desesperada (1974) é uma de suas obras-primas, ainda de influência modernista, que revela oerotismo da sua poesia, assim seu olhar de encantamento perante o gênero feminino.

Confira também os maiores poemas de amor de Pablo Neruda.

15. Aqui estão as minhas contas, Adília Lopes

Aqui estão as minhas contas, Adília Lopes

Além de grandes nomes como Fernando Pessoa ou Mário de Sá-Carneiro, o universo da poesia portuguesa é vasto e tem muitos autores que precisam ser lidos e descobertos pelos nossos leitores.

Um dos exemplos mais incontornáveis da atualidade é Adília Lopes (1960), escritora e tradutora contemporânea que nasceu em Lisboa. Seus poemas são passados principalmente no cenário doméstico e se caracterizam pela ironia e pelas rimas simples, com um tom quase infantil.

Aqui estão as minhas contas é uma antologia publicada no Brasil em 2019, com textos selecionados por Sofia de Sousa Silva, professora da UFRJ.

Aproveite para ver também:

Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes e licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.