Livro Clara dos Anjos, de Lima Barreto


Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Lima Barreto em seu romance Clara dos Anjos retrata assuntos delicados como o preconceito racial, a obrigação social do casamento e o papel das mulheres na sociedade fluminense durante o princípio do século XX. 

Clara dos Anjos foi o último livro escrito por Lima Barreto. O trabalho foi concluído em 1922, ano da morte do autor. O romance que carrega como título o nome da protagonista foi lançado apenas postumamente, em 1948. 

Em termos literários, a obra pertence ao pré-romantismo.

Resumo

Narrado em terceira pessoa por um narrador onisciente e por vezes intruso, Clara dos Anjos tem como tema central o racismo e o lugar ocupado pela mulher na sociedade carioca do princípio do século XX.

Clara, a protagonista da história, é uma bela jovem de dezessete anos que vive no subúrbio do Rio de Janeiro. Pobre, mulata, filha de um carteiro e de uma dona de casa, a menina sempre recebeu a melhor educação e acolhimento. 

Viviam todos numa casa modesta de dois quartos com quintal no subúrbio fluminense. O ambiente urbano ao redor era descrito contendo “casas, casinhas, casebres, barracões, choças”, já pela descrição percebemos que se tratava de uma vizinhança relativamente humilde.

Clara foi a única filha sobrevivente do casal, os irmãos da menina todos morreram e pouco se sabe do destino deles. 

A vida da garota muda subitamente quando, num domingo, numa roda de amigos, Lafões, parceiro do pai, sugere uma comemoração diferente para o aniversário de Clara:

—A bênção, meu padrinho; bom dia, seu Lafões.
Eles respondiam e punham-se a pilheriar com Clara.
Dizia Marramaque:
—Então, minha afilhada, quando se casa?
—Nem penso nisso — respondia ela, fazendo um trejeito faceiro.
—Qual! — observa Lafões. — A menina já tem algum de olho. Olhe, no dia dos seus anos... É verdade, Joaquim: uma coisa.
O carteiro descansou a xícara e perguntou:
—O que é?
—Queria pedir a você autorização para cá trazer, no dia dos anos, aqui da menina, um mestre do violão e da modinha.
Clara não se conteve e perguntou apressada: —Quem é?
Lafões respondeu:
—É o Cassi. A menina...

Cassi, o músico sugerido por Lafões, fará a vida da família virar pelo avesso. Sedutor convicto, sem qualquer tipo de preocupação com as mulheres com quem andava, Cassi colecionava no seu currículo amoroso dez defloramentos e a sedução de muito maior número de senhoras casadas.

Sua fama já era conhecida nos jornais, nas delegacias e entre os advogados. As moças, vítimas, eram quase sempre mulatas ou negras, humildes e ingênuas. A mãe do rapaz, contudo, sempre o defendeu com unhas e dentes de todas as acusações feitas contra o filho. 

Lafões havia conhecido Cassi na prisão: enquanto o primeiro havia causado distúrbios em um botequim, o segundo havia se metido com uma mulher casada e, quando descoberto pelo marido, foi perseguido com arma em punho. Cassi, com os conhecimentos que tinha, consegue libertar Lafões.

Clara era o oposto de Cassi: muito recatada, raramente saía de casa e estava sempre na companhia dos pais. 

Por fim chegou o dia da festa de aniversário da jovem: amigos reunidos, casa cheia, grande expectativa para o baile. A menina ainda chegou a ser alertada por uma de suas colegas:

—Clara, toma cuidado. Este homem não presta.

Assim que adentrou no ressinto, Cassi fez a alegria das damas que lá estavam. O rapaz foi apresentado por Lafões aos donos da casa e à aniversariante e logo se interessou pela jovem. 

A mãe, percebendo a intenção do rapaz, pediu ao marido que nunca mais levasse Cassi à casa. Joaquim imediatamente concordou com a esposa e garantiu que "não porá mais os pés na minha casa".

O modo superprotetor como a menina fora criada pelos pais, especialmente pela mãe, parece ter sido um erro que viria a culminar no trágico destino na filha. Como vivia reclusa, sem convivência, sem relações, Clara não tinha sequer uma pequena experiência da vida, sendo facilmente enganada por quem quer que fosse. 

Clara não reparava, por exemplo, no preconceito social despertado por ela ser mulata. Naquela altura, no subúrbio do Rio de Janeiro, uma mulata não se casava e constituía família com um homem branco. 

Cassi, aos poucos, foi se aproximando da moça. Um dia passou na casa da família e chamou por Joaquim, com o argumento de ter ido visitar um amigo e ter passado ali a porta. Outras vezes mandou cartas destinadas à jovem. Por fim, a moça finalmente caiu na lábia do interesseiro rapaz.

O padrinho de Clara, ao se aperceber da situação, resolve interceder para defender a afilhada, mas acaba, contudo, sendo assassinado por Cassi e um colega.

Cassi chega a confessar o crime para Clara e argumenta que se tratou de um ato de amor. Frágil e iludida com a promessa de uma paixão verdadeira, Clara cede as insistências de Cassi.

O tempo passa e Clara descobre que está grávida. Quando recebe a notícia Cassi imediatamente desaparece, deixando a moça sozinha e desamparada. Sem saber o que fazer, Clara, antes de abortar, decide seguir o conselho da mãe, Engrácia, e vai procurar a mãe do rapaz.

Qual é a sua surpresa quando, ao ser recebida por Salustiana, é maltratada e humilhada, especialmente devido a cor da sua pele e a sua condição social. Assim como havia acontecido em outras ocasiões, Salustiana defende o filho até o fim e praticamente acusa a pobre jovem do acontecido:

—Ora, vejam vocês, só! É possível? É possível admitir-se meu filho casado com esta... As filhas intervieram:
—Que é isto, mamãe?
A velha continuou:
—Casado com gente dessa laia... Qual!... Que diria meu avô, Lord Jones, que foi cônsul da Inglaterra em Santa Catarina — que diria ele, se visse tal vergonha? Qual!
Parou um pouco de falar; e, após instantes, aduziu:
—Engraçado, essas sujeitas! Queixam-se de que abusaram delas... É sempre a mesma cantiga... Por acaso, meu filho as amarra, as amordaça, as ameaça com faca e revólver? Não. A culpa é delas, só delas...

Pela fala da mãe de Cassi é possível perceber marcas claras de preconceito e discriminação racial e social. 

Após ouvir o discurso cru e duro de Salustiana, finalmente Clara se torna consciente da sua condição social de mulher, oprimida, mestiça, pobre e faz um desabafo final à mãe que ocupa a última página do livro:

Num dado momento, Clara ergueu-se da cadeira em que se sentara e abraçou muito fortemente sua mãe, dizendo, com um grande acento de desespero:

—Mamãe! Mamãe!
—Que é minha filha?
—Nós não somos nada nesta vida.

Clara dos Anjos é um livro que trata de temas difíceis e espinhosos, especialmente polêmicos no período em que a obra foi escrita e lançada, embora não deixe de conter doses pontuais de humor e ironia. 

Personagens principais

Clara

Uma ingênua jovem de dezessete anos, frágil, pobre, mulata e superprotegida pelos pais. Era a filha única do casal Joaquim dos Anjos e Eugrácia. Tem o destino desgraçado após conhecer Cassi.

Joaquim dos Anjos

Carteiro, de origem humilde, pai de Clara e marido de Engrácia. Flautista, entusiasta de violão e de modinhas, Joaquim dos Anjos compunha valsas, tangos e acompanhamentos de modinhas.

Engrácia

Dona de casa, esposa de Joaquim há mais de vinte anos, católica, descrita como uma mulher sedentária e caseira, mãe muito dedicada à Clara e à rotina familiar.  

Antônio da Silva Marramaque

Padrinho de Clara, companheiro de solo e grande amigo de Joaquim, semi-aleijado e semiparalítico do lado esquerdo do corpo. Tinha muito interesse em discutir política e literatura. Defendia com unhas e dentes a afilhada e, por ela, acabou perdendo a vida.

Cassi Jones de Azevedo

Filho ilegítimo de Manuel Borges de Azevedo e Salustiana Baeta de Azevedo. Um violeiro, com pouco menos de 30 anos, homem branco, que toca no aniversário de Clara. Malandro e conhecido por colecionar mulheres, Cassi seduz Clara até que ela finalmente se apaixona por ele. 

Salustiana Baeta de Azevedo

Vaidosa, fã número um do filho, Cassi Jones, ajudou a construir a sua inabalável auto-estima e sempre acobertou os casos amorosos e as confusões pessoais armadas pelo filho. Racista, preconceituosa, jamais concebeu que o herdeiro se casasse com alguém que considerasse ser um mau partido.

Adaptação para os quadrinhos

A adaptação para os quadrinhos do romance Clara dos Anjos foi feita por Marcelo Lelis e Wander Antunes no ano de 2011. O projeto foi tão bem idealizado que os artistas receberam o Troféu HQ Mix de 2012 na categoria Adaptação para os quadrinhos.

Adaptação para os quadrinhos do romance de Lima Barreto.
Adaptação para os quadrinhos do romance de Lima Barreto.

Características do pré-romantismo

O pré-romantismo é considerado uma fase de transição literária. Por não ter sido uma escola literária propriamente organizada com doutrinas e regras, os escritores pré-românticos não possuiam a homogeneidade de um grupo.

Durante esse período literário é possível dizer que o sentimentalismo venceu o racionalismo neoclássico e iluminista. O sentimento passou a ganhar protagonismo, o amor pôs-se a frente de preconceitos sociais e convenções vigentes na época.

Nenhum conceito literário foi bem consolidado uma vez que a estética, transitória, ainda vinha sendo desenvolvida e alcançaria, por fim, aquilo que viríamos a conhecer como Romantismo. 

A poesia o pré-romântica guardava características entre a ternura melancólica e os sentimentos mais sombrios. A maior inspiração para poetas dessa geração foi o escritor português Bocage.

Contexto histórico

O Rio de Janeiro durante o princípio do século XX vivia graves problemas sociais e de saúde pública. Foi a chegada da febre amarela, que se proliferou nos cortiços, e das doenças transmitidas pela falta de saneamento básico. 

Tratou-se de um período polêmico marcado pela vacinação forçada comandada por Oswaldo Cruz e o seu desdobramento histórico (a Revolta da Vacina, ocorrida em 1904).

Enquanto obras monumentais eram concluídas - como a Igreja da Candelária, no Centro - toda a estrutura da cidade ia passando por grandes modificações. Pereira Passos levava a frente a obra da Vista Chinesa (na Tijuca) e da Avenida Atlântica (em Copacabana). Em 1909 era aberto o suntuoso Teatro Municipal do Rio de Janeiro e o seu edifício vizinho, a Biblioteca Nacional.

Durante o mesmo período, a Igreja de São Joaquim foi demolida para dar lugar a Avenida Marechal Floriano. Os políticos viam no Centro o desejo de reproduzir um estilo belle epoque parisiense. 

Em 1912, foi também a inauguração do famoso bondinho do pão de açúcar, que viria se tornar o maior cartão postal do Rio de Janeiro. Oito anos mais tarde foi a vez da cidade despontar como polo da educação. Em 1920, o governo federal inaugurou a Universidade do Rio de Janeiro, a primeira universidade brasileira. 

O ano seguinte foi das grandes obras. Os engenheiros mandaram abaixo o morro do Castelo, que diziam que prejudicava a circulação do ar na região, e, com o material retirado, deram início as obras que julgavam essenciais para a cidade como a construção do Aeroporto Santos Dumont e da Praça Paris.

Como se pode notar, Lima Barreto testemunhou um período de profundas mudanças sociais e arquitetônicas ocorridas no Rio de Janeiro.

Leia na íntegra

O livro Clara dos Anjos está disponível na íntegra em formato PDF.

Conheça também

Rebeca Fuks
Graduada em Letras, mestre em Literatura e doutora em Estudos de Cultura, trabalhou durante dez anos como editora assistente e executiva em editoras no Brasil e em Portugal.