17 melhores documentários para assistir na Netflix


Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora e artista visual

Os documentários atualmente estão cada vez mais interessantes, seja no formato longa-metragem ou série.

Com abordagens criativas que prendem a atenção dos espectadores, os bons documentários são ótimas maneiras de ampliar o conhecimento. Isso porque normalmente exibem assuntos relevantes na sociedade e histórias reais.

1. 13ª emenda (2016)

Diretora: Ava DuVernay

O filme trata do sistema prisional norte-americano, da exploração do trabalho, racismo e criminalidade.

Seu título é uma referência à lei estadunidense que regula o sistema carcerário no país. Tal lei sofreu uma alteração, permitindo que prisioneiros executem trabalhos sem remuneração.

Assim, a produção traz um debate muito rico sobre as injustiças sociais e como a constituição é usada para facilitar a opressão sobretudo contra a população negra.

Um filme essencial para entender também como a realidade norte-americana impacta no sistema brasileiro.

O filme teve boas críticas e recebeu o prêmio e melhor documentário pelo BAFTA awards.

2. Professor Polvo (2020)

Diretores: Pippa Ehrlich e James Reed

Professor Polvo é um filme sensível sobre o amor à natureza e aos animais. Nele presenciamos o cineasta Craig Foster em suas descobertas no mar da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Craig decide mergulhar todos os dias no mesmo local e acaba fazendo “amizade” com um polvo, acompanhando toda a sua trajetória de vida.

O filme participou de muitos festivais e acumula prêmios em várias categorias.

3. Cuba e o Cameraman (2017)

Diretor: Jon Alpert

O longa foi muito bem recebido pela crítica. É um dos registros mais significativos da trajetória de Cuba desde a revolução até a morte do líder Fidel Castro, em 2016.

O documentarista norte-americano Jon Alpert visitou a pequena ilha durante 40 anos e acompanhou a vida de pessoas simples e personalidades importantes, traçando um retrato verdadeiro e cativante do país.

4. Laerte-se

Diretora: Eliane Brum

A história da cartunista brasileira Laerte é contada nessa produção dirigida pela jornalista e escritora Eliane Brum.

Laerte é uma personalidade de destaque no país, pois além de ter uma longa trajetória como desenhista, é uma mulher transsexual que se assumiu aos 57 anos.

Assim, o documentário aborda questões íntimas de Laerte e reflete sobre a homofobia, transfobia e o que é se tornar mulher.

5. AmarElo- É Tudo Pra Ontem (2020)

Diretor: Fred Ouro Preto

O rapper Emicida realizou um show no Theatro Municipal de São Paulo em que apresenta seu álbum AmarElo. Ele então aproveitou a oportunidade única para realizar também um documentário.

A produção foi feita pela Netflix e mostra os bastidores do show, entrevistas e efeitos de animação que mostram a trajetória da música negra no Brasil.

Um documentário que vai além da música, tratando de temas importantes como o racismo, a transfobia e a cultura de maneira geral.

6. O Dilema das Redes (2020)

Diretor: Jeff Orlowski

Um filme com grande repercussão em 2020 foi O dilema das redes. Ele aborda os impactos do uso das redes sociais na vida das pessoas e da sociedade.

Nesse longa norte-americano de 89 minutos podemos ouvir a opinião de especialistas e professores, além dos apontamentos de ex-funcionários de grandes redes sociais, como o facebook e instagram.

Se sente ansiedade com a enorme carga de informações nas redes sociais, esse é um documentário essencial para a compreensão de como elas realmente podem prejudicar nossa rotina.

7. Estou Me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar (2019)

Diretor: Marcelo Gomes

Estou Me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar exibe a atividade econômica e social de Toritama, pequena cidade no interior de Pernambuco.

O lugar é conhecido como a “capital nacional do jeans”, pois lá são produzidas cerca de 20 milhões de peças por ano. O trabalho é feito por profissionais autônomos com grandes cargas horárias.

Eles esperam o ano todo a chegada do carnaval, quando finalmente têm um descanso e diversão.

O diretor Marcelo Gomes fala sobre sua obra: "É um filme que expõe a farsa do neoliberalismo. Fala de um Brasil que ninguém conhece. Toritama é uma China com um Carnaval no meio."

O filme participou do festival brasileiro É tudo verdade, ganhando menção honrosa.

8. Democracia em Vertigem (2019)

Diretora: Petra Costa

Quem assina essa produção de 2019 é a jovem cineasta Petra Costa. Através do olhar da autora acompanhamos os acontecimentos políticos no Brasil que resultaram na saída da presidenta Dilma Roussef, em 2016, e na eleição do candidato da extrema-direita Jair Bolsonaro.

O filme é uma produção da Netflix e concorreu ao Oscar de melhor documentário.

9. What Happened, Miss Simone? (2015)

Diretora: Liz Garbus

Nina Simone foi uma cantora negra norte-americana com uma carreira de sucesso no jazz. Sua trajetória é exibida nesse documentário de 100 minutos produzido pela Netflix.

O filme mostra imagens de arquivo, cartas e entrevistas com pessoas que conviveram com a artista e ativista do movimento negro nos EUA.

Lançado no Festival Sundance e Cinema, foi indicado ao Oscar de melhor documentário em 2016.

10. Wild Wild Country

Diretores: Maclain Way e Chapman Way

Wild Wild Country é uma série documental inquietante que fala sobre o guru indiano Osho e a construção do retiro espiritual intitulado Rajneeshpuram.

A comunidade foi criada em um enorme terreno próximo de uma pequena cidade no interior dos EUA.

Osho tinha uma legião de seguidores e os costumes da comunidade passaram a ser contestados, o que levou a enormes conflitos.

No documentário é exibida também a relação do guru com sua assistente, Ma Anand Sheela e atitudes controversas dos dois.

Essa é uma história tão absurda que é preciso assistir para crer.

11. Sankofa, a África que te Habita (2020)

Diretora: Rozane Braga

Imagem do documentário Sankofa retrata mulheres africanas

A série em 10 episódios mostra a viagem do fotógrafo César Fraga e do historiador Maurício Barros por 10 países africanos.

Eles percorreram o continente com o objetivo de investigar a cultura e os costumes dos locais de onde partiram os negros escravizados no Brasil.

A ideia era descobrir conexões entre as culturas brasileira e africana e destacar aspectos pouco explorados do terrível tráfico negreiro, do racismo e da resistência negra.

A viagem foi realizada em 2013 e rendeu também uma exposição fotográfica e um livro.

12. Tiger King (2020)

Diretores: Eric Goode e Rebecca Chaiklin

Tiger King é uma série documental que poderia ser uma história de ficção das mais improváveis.

Lançada em 2020, fez enorme sucesso por contar a trajetória de um extravagante colecionador de felinos conhecido como Joe Exotic. As pessoas que o cercam também são mostradas, assim como suas relações conflituosas.

A série causou tanto impacto no público que alcançou o posto de programa com maior acesso na Netflix em março de 2020.

13. A Morte e a Vida de Marsha P. Johnson (2017)

Diretor: David Grance

O documentário produzido pela Netflix exibe a vida, a morte e o legado da ativista LGBT Marsha P. Johnson.

Marsha foi uma mulher transsexual negra que viveu em Nova York e se tornou uma figura central na luta contra a transfobia na década de 60. Ela foi uma das fundadoras da Transvestites Action Revolutionaries e era vista como a “Rosa Parks LGBT”.

O filme traz entrevistas e investiga sua morte controversa, considerada suicídio, mas que traz evidência de ter sido assassinato.

14. Explicando (2018)

Diretor: Ezra Klein

Explicando é uma série em 10 episódios que traz assuntos variados, desde dietas até o mercado de ações ou relacionamentos amorosos.

São episódios de 20 minutos que abordam os temas de forma leve, didática e interessante. Exibe uma linguagem contemporânea, com efeitos de animação e comunicação acessível mesmo tratando de conteúdos complexos.

Assim, é uma ótima pedida para os curiosos.

15. Absorvendo o Tabu (2019)

Diretora: Rayka Zehtabchi

documentário absorvendo o tabu

O vencedor do Oscar de melhor documentário de curta-metragem em 2019 foi esse filme indiano que mostra a produção e distribuição de absorventes descartáveis em um país onde a menstruação ainda é um tabu.

Na Índia ainda existe uma crença de que o sangramento mensal das mulheres é algo impuro por isso, há muita vergonha e pouco acesso a produtos de higiene específicos para esse período.

Pensando nisso, um grupo de mulheres começou a produzir absorventes de baixo custo e vendê-los em vilarejos. Assim, aumentaram sua renda e contribuíram para que o assunto fosse visto mais naturalidade nessas sociedades.

16. Feministas: O Que Elas Estavam Pensando? (2018)

Diretora: Johanna Demetrakas

O documentário usou como referência um livro de fotografias com retratos de feministas entre 1974 e 1977.

Olhando para as imagens, a idealizadora do filme teve a ideia de procurar algumas dessas mulheres para entender a trajetória de cada uma e o como foi o movimento feminista dos anos 70.

Um recorte interessante de uma parte do movimento das mulheres que ficou conhecido como a 2ª onda feminista.

18. Gabo: A Criação de Gabriel García Márquez (2015)

Diretor: Justin Webster

A vida do escritor colombiano Gabriel García Márquez é retratada nesse longa-metragem do britânico Justin Webster.

Com uma trajetória de sucesso, Márquez nasceu em Aracataca, um pequeno vilarejo em 1927, e se tornou reconhecido no mundo todo pela sua escrita que mistura realidade e fantasia.

Suas histórias absurdas e surpreendentes contribuíram para mostrar muito da cultura de seu povo, retratando também os grandes conflitos universais.

O filme foi indicado ao Emmy internacional de melhor documentário em 2016.

Você também pode se interessar:

Atualizado em
Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design.