As 14 danças africanas e afro-brasileiras mais famosas


Revisão por Laura Aidar
Escrito por Carolina Marcello

As danças africanas são uma expressão fundamental da cultura deste continente e influenciaram diversos ritmos internacionais. Habitualmente são acompanhadas por instrumentos de percussão e todos podem participar delas, não importa seu status ou sua idade.

Além de possuírem essa faceta artística e lúdica, algumas são encaradas como um modo de estar em contato com os antepassados e o mundo espiritual.

1. Guedra

Guedra
Crédito: Collectie Stichting Nationaal Museum van Wereldculturen

Trata-se de uma dança ritual típica de determinadas comunidades berberes que vivem na região do deserto do Saara e são chamadas de "Povo Azul" pela cor das suas roupas.

Seu intuito é afastar doenças e influências negativas: enquanto os homens tocam tambores, apenas as mulheres dançam, usando a força feminina para combater os possíveis males.

Ajoelhadas no chão, elas executam vários movimentos simbólicos com os braços e as mãos que pretendem abençoar aquele solo e seus habitantes.

2. Ahouach

Ahouach
Crédito: Dounia Benjelloun-Mezian

A dança tradicional coletiva, presente no centro e no sul de Marrocos, é associada a festas e celebrações. Envolvendo um grande número de participantes, o Ahouach simboliza o espírito de união e comunidade.

Os dançarinos estão divididos em dois grupos, formados em semicírculos ou fileiras, com homens de um lado e mulheres do outro.

Através de uma coreografia repetitiva e sincronizada, eles sacodem seus corpos que podem estar adornados com joias e diversos enfeites.

3. Gnawa

Gnowa

As danças conhecidas como Guinaua ou Gnawa, populares em Marrocos e na Argélia, integram rituais de cura que também envolvem música e poesia.

Nelas, os movimentos são encarados como uma porta de entrada para o mundo dos espíritos e os participantes usam roupas brancas com ornamentos coloridos.

Enquanto os músicos estão organizados em linha ou em círculo, os dançarinos executam várias acrobacias na sua frente.

4. Rebita

Rebita
Crédito: Associação Instituto Piaget Angola

Referida pelas gerações jovens como a "dança dos cotas" (pais ou pessoas mais velhas), a Rebita é uma dança de salão angolana.

Aqui, os participantes dançam em pares e seguem vários passos coreografados que são comandados por uma figura chamada "chefe da roda". Os gestos que executam criam um clima de elegância e cumplicidade entre os pares.

5. Kuduro

Nascido em Angola, durante a década de 80, o Kuduro começou sendo um tipo de dança e depois se tornou um estilo musical que conquistou admiradores do mundo todo.

A dança foi criada nas ruas de Luanda por uma juventude periférica que a encarava como um veículo para expressar sua criatividade.

Com movimentos rápidos, principalmente nos quadris e membros inferiores, o Kuduro é bastante comum em bailes e festas, podendo ser dançado de forma coletiva ou individual.

6. Kazukuta

A dança típica de Angola é uma forma de sapateado lento na qual os bailarinos vão se apoiando nos calcanhares e nas pontas dos pés, fazendo também movimentos com o resto do corpo.

Executada de modo coletivo, a Kazukuta é muito popular durante o Carnaval e pretende afastar os inimigos e opressores. Os participantes vestem roupas de tons e padrões chamativos, carregando uma bengala ou guarda-chuva, acessório que é usado na hora de dançar.

7. Funaná

O Funaná, um estilo que nasceu em Cabo Verde, é dançado em pares. Unidos, os participantes se apertam com um dos braços enquanto dão as mãos com o outro.

Seus passos mais importantes consistem em mexer o quadril e flexionar os joelhos seguindo o ritmo da música que, tradicionalmente, é tocada num tipo de acordeão conhecido como "gaita".

8. Kizomba

Cada vez mais famosa em várias partes do mundo, a Kizomba é um gênero de música e dança que surgiu em Angola, resultado dos vários ritmos que se misturavam nas grandes festas que eram chamadas de "kizombadas".

A dança lenta e sensual, nascida na década de 80, desperta a cumplicidade entre os pares e se tornou a favorita de muitos casais apaixonados.

9. Morna

Essa é uma dança original de Cabo Verde que transmite certa melancolia e nostalgia. Pode ser dançada de forma lenta ou de maneira mais dinâmica.

Caracteriza-se por ser executada em casais, em estilo quaternário, ou seja, "dois para frente e dois para trás".

10. Semba

A chamada "dança da família" tem uma tradição muito forte em Angola e se popularizou na década de 50. Em kimbundo a palavra significa "umbigada", ou seja, uma dança na qual os umbigos dos pares ficam colados.

Além desse passo fundamental se destacam as caminhadas e variações de ritmo que abrem espaço para a criatividade e o improviso. Por isso, o semba é encarado como um dos estilos africanos mais fáceis para os iniciantes aprenderem.

11. Capoeira

roda de capoeira
Crédito: Ricardo André Frantz

As expressões culturais africanas tiveram um grande impacto na formação do nosso país e deixaram muitos frutos no panorama nacional; entre eles se encontram as danças afro-brasileiras.

A capoeira, que combina elementos de dança, esporte, música e artes-marciais, nasceu no Brasil durante o século XVII. Seus criadores eram indivíduos da etnia Banto que foram escravizados e a utilizavam como método de defesa.

Atualmente, a capoeira assume estilos diferentes e é praticada em vários pontos do país e do mundo. Em 2014, ela foi declarada Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco.

12. Maracatu

O maracatu é uma tradição criada em Pernambuco, durante o período colonial, que faz parte do folclore brasileiro. Ele pode assumir várias formas e combina dança, música e religiões de matriz africana com elementos das culturas indígena e portuguesa.

Os cortejos fazem referência às cortes africanas e apresentam vários personagens como o rei, a rainha e a baianas.

Popular em regiões como Recife e Nazaré da Mata, o maracatu é o ritmo afro-brasileiro mais antigo e pode prestar homenagem a alguns orixás do Candomblé.

13. Samba de roda

Relacionado com a capoeira, o samba de roda nasceu no Recôncavo Baiano, durante o século XVII, e é considerado o precursor do samba como conhecemos hoje.

Normalmente associado às celebrações e ao culto dos orixás, o estilo foi influenciado pelo semba africano e é considerado Patrimônio Imaterial da Humanidade. A dança coletiva costuma ser acompanhada por palmas e poesias declamadas; nela, as mulheres assumem um maior destaque.

14. Congada

Parte do folclore afro-brasileiro, a Congada é uma manifestação de caráter cultural e religioso que envolve música, teatro, dança e espiritualidade.

Sua origem está relacionada com uma antiga tradição africana na qual se comemorava a coroação do Rei do Congo e da Rainha Jinga de Angola. Através do sincretismo religioso, a celebração passou a ser dedicada a São Benedito, Santa Efigênia e Nossa Senhora do Rosário.

Durante a dança os participantes se organizam em fileiras, frente a frente, e realizam coreografias que simulam um combate ao ritmo da música.

Aproveite para conferir também:

Laura Aidar
Revisão por Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design.
Carolina Marcello
Escrito por Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes e licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.