Arte gótica


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

A arte gótica se inicia na França, em meados do século XII, com a construção de catedrais. Mais tarde, a estética gótica transcende o universo da arquitetura para ganhar outros espaços (a pintura, a escultura, o desenho, os vitrais).

Catedral de Reims
Catedral de Reims

Artes góticas: resumo

O estilo gótico tem uma gênese no contexto religioso (cristão), não por acaso as primeiras construções góticas foram as catedrais urbanas, erguidas a partir das doações da crescente burguesia.

O termo gótico foi usado pela primeira vez pelo teórico Giorgio Vasari, na Itália, no século XVI. Até então aqueles que queriam se referir ao estilo diziam que se tratava de uma estética francesa, sem maiores adjetivações.

O termo gótico tinha originalmente uma conotação negativa, associada muito à noção pejorativa que se tinha deste gênero até então. A estética gótica só passou a ser vista com bons olhos apenas a partir do romantismo (no princípio do século XIX). Muitos dos artistas dessa geração se voltaram para o passado ressignificando esse tipo de estética. Goethe, por exemplo, colocou um olhar demorado sobre as catedrais góticas alemães.

Catedral de Colônia
Catedral de Colônia, na Alemanha, exemplo da suntuosidade da arquitetura gótica

O contexto histórico do nascimento do gótico

Os séculos XI e XII são de profunda transformação social decorrente da expansão do comércio e da superação da sociedade feudal. Tratou-se de um período de bonança, com uma economia próspera, que proporcionou um mundo cada vez mais interligado (as comunicações começam a se desenvolver estreitando as distâncias).

As pessoas passaram a se concentrar cada vez mais nas cidades e a igreja compreendeu que precisava construir edifícios grandes - as catedrais - para abrigar o seu público fiel.

As catedrais dessa época são um símbolo não só do poder da igreja como da ascensão da burguesia, que proporcionou a construção desses edifícios enormes através de elevadas doações.

Durante esse período observamos o surgimento das primeiras monarquias, das primeiras grandes cidades e do florescimento de uma burguesia poderosa composta principalmente por comerciantes e banqueiros.

O que significa gótico?

A palavra gótico foi utilizada pela primeira vez pelo intelectual italiano Giorgio Vasari durante o século XVI.

Giorgio Vasari
Retrato de Giorgio Vasari, que usou pela primeira vez o termo gótico

Gótico vem do termo Godos, um povo que destruiu Roma antiga em 410. O termo, portanto, foi originalmente usado de modo depreciativo para se referir a algo obscuro, aos bárbaros.

Características da arte gótica

Podemos resumir algumas das características norteadoras da arte gótica nos seguintes itens:

  • uma nova filosofia de construção baseada na harmonia
  • verticalidade: a evolução matemática permitiu que as construções fossem mais altas (por trás desse impulso estava o desejo de comunicar com o divino, chegando mais próximo do céu)
  • a importância da luz (por isso o uso abusivo de janelas e vitrais), permitindo que o interior da construção fosse mais bem iluminado
  • atenção ao detalhe, valorização da decoração tanto interna quanto externa nos edifícios
Catedral de Beauvais
Catedral de Beauvais

Os tipos de gótico

Uma série de estudiosos costumam dividir o gótico nas seguintes fases:

  • Gótico primitivo (ou proto-gótico): são as primeiras ideias da estética, possíveis de serem identificadas num período inicial, nas construções como a Abadia de Saint-Denis
  • Gótico pleno (ou clássico): já com o domínio da técnica e estilo mais consolidado, uma série de edifícios foram erguidos. Essa fase é marcada pelas enormes catedrais
  • Gótico tardio: depois da peste negra (no século XIV), os países passaram por severam crises económicas e as construções ficaram subordinadas a condições mais modestas

Arquitetura gótica

Enquanto a arquitetura românica (que antecedeu a gótica) investia em linhas horizontais, o estilo gótico foi o responsável por construir a partir de uma lógica do verticalismo. As paredes mais finas e leves graças aos novos cálculos matemáticos permitiram construções cada vez mais elevadas.

Os edifícios góticos contêm a presença de torres (muitas delas com sinos) e arcos pontudos. Nessas construções observamos uma planta com um espaço unificado, inteiro (ao contrário dos vários espaços que existiam na construção românica).

A primeira catedral de estilo gótico foi a Abadia Real de Saint-Denis, em Paris. A obra de reconstrução da abadia ocorreu entre 1137 e 1144, sob supervisão do abade Suger. Outros exemplos de construções góticas são: a Notre-Dame de Paris, a Notre-Dame de Amiens, a Catedral de Beauvais e a Catedral de Chartres.

Abadia de Saint-Denis
Abadia de Saint-Denis

Na arquitetura gótica verificamos uma atenção especial à decoração tanto interna quanto externa fazendo uso de elementos humanos, animais e da flora. Estão presentes muitas esculturas decorativas, muitas rosáceas decorando torres, pórticos e muitas gárgulas no exterior do edifício (por vezes decorando o sistema de escoamento da água).

Em termos espaciais, é frequente o uso de abóbada em cruzaria, que usa estruturas diagonais para distribuir o peso, e uma sequência de arcos especialmente nas abóbadas e ogivas. A geometrização dos espaços, por sinal, é uma constante nesse tipo de arquitetura.

Outro elemento importante é a proliferação de janelas, muitas delas com a presença de vitrais, deixando o espaço interior muito mais iluminado.

Gargula
Gárgula presente na Catedral de Reims

Embora inicialmente a arquitetura gótica esteja relacionada a um contexto religioso, logo os edifícios públicos e privados aderiram à estética - foram construções como câmaras municipais, palácios, hospitais e casas de burgueses.

Pintura gótica

Esse gênero de pintura surge em 1200, praticamente meio século depois da arquitetura gótica ter dado os primeiros passos.

A pintura gótica alcança o seu ápice entre 1300 e 1350 e se torna independente da arquitetura, tendo sido inicialmente usada no interior das catedrais. Posteriormente esse tipo de pintura conseguiu se desenvencilhar do espaço religioso ocupando outros lugares como palácios e castelos.

Em termos de estilo, é possível afirmar que não houve uma ruptura drástica e datada em comparação com o estilo de pintura que se praticava anteriormente.

Embora cada pintor seguisse com o seu DNA próprio, podemos resumir a produção dessa geração como uma pintura mais sombria, mais emotiva, majoritariamente religiosa. Os grandes nomes desse período foram o italiano Giotto (1267-1337) e o belga Jan Van Eyck (1390-1441).

arnolfini
O casal Arnolfini (1434), de Jan Van Eyck

Escultura gótica

Utilizada sobretudo nas catedrais, as esculturas góticas eram vistas inicialmente no exterior das construções - em fachadas, portais, e sobre suportes que davam destaque às peças.

Somente a partir do século XIV é possível verificar o uso de mais esculturas no interior dos edifícios.

Estudiosos costumam categorizar as esculturas góticas em quatro grandes grupos:

  • estátuas-coluna (inicialmente colocadas nas ombreiras do portal)
  • relevo escultórico (postas no tímpano do portal)
  • escultura de vulto redondo (estátuas de devoção)
  • escultura funerária (usada para adornar túmulos)
tumulo ines de castro
Estilo gótico presente no túmulo de Ines de Castro (situado no Mosteiro de Alcobaça, Portugal)

Vitral gótico

Inicialmente tido como um elemento importante da arquitetura das catedrais, o vitral gótico carrega forte peso simbólico.

Em termos técnicos, os vitrais são pedaços de vidro colorido unidos por uma estrutura de chumbo. Só foi possível a implementação dos vitrais graças à inovação tecnológica que permitiu libertar uma série de paredes de carregar o peso da construção.

Vitral Cathedral Chartres
Vitral da Cathedral Chartres

Os vitrais começaram a se desenvolver em 1200 e alcançaram o ápice em 1250. Eles eram um elemento importante da construção porque permitiam a entrada de muita luz nos edifícios antes escuros.

Compostos a partir de uma arte geométrica, os vitrais quase sempre traziam imagens de representações bíblicas embora por vezes também apresentassem ilustrações abstratas.

Conheça também

Atualizado em
Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).