Catedral de Notre-Dame (Paris)


Andrea Imaginario
Andrea Imaginario
Licenciada em Artes e mestre em Literatura Comparada

A Catedral de Notre-Dame ou Nossa Senhora de Paris, representa o estilo gótico francês em todo o seu esplendor. 

O monumento começou a ser construído no ano de 1163 e, desde então, é uma referência fundamental da cultura ocidental (a Catedral é considerada como um Patrimônio Mundial da UNESCO).

No dia 15 de abril de 2019 a Catedral sofreu um incêndio de grandes proporções.

A fachada ocidental de Notre Dame.
A fachada ocidental de Notre-Dame.

Depois de mais de 850 anos de existência, a Notre-Dame de Paris recebe, em média, 20 milhões de visitantes por ano.

Características da Catedral de Notre-Dame

A Catedral de Notre-Dame de Paris foi construída no meio de ruas estreitas e muitas casas, um contexto bastante distinto se compararmos com o espaço aberto que hoje a rodeia. 

Qualquer mortal que tenha chegado à entrada da igreja sente imediatamente a grandeza incontestável daquela massa de concreto repleta de símbolos, lendas e histórias. 

Portanto, em primeiro lugar devemos destacar a monumentalidade e o seu poder simbólico, sublinhando a importância da construção para a arte gótica. Compatível com uma visão do mundo teocêntrica, cada espaço do edifício gótico foi diligentemente cuidado e, embora muitas vezes não tenha uma função específica, cada espaço recebeu a atenção detalhada de artesãos que acreditavam que Deus os observava.

Riqueza de detalhes da entrada.
Riqueza de detalhes da entrada.

Não é de admirar a profusão de detalhes únicos em cada seção, mesmo aqueles inacessíveis ou sem um propósito definido. Aquela geração não se importava com o fato do olho humano não ser capaz de absorver todos os detalhes do esforço. A mentalidade dos construtores da Catedral era esta: dar toda a dignidade ao trabalho como uma oferenda a Deus

Notre dame

A Catedral é dedicada à Virgem Maria ou à Notre Dame (Nossa Senhora, em francês). Maria, mãe de Deus, encontrou ressonância numa sociedade em que as mulheres, cada vez mais sozinhas por causa das cruzadas, se envolveram na espiritualidade de maneira diferente.

Esse período coincidiu com o nascimento do humanismo teológico, que abriu o caminho para a percepção de um Deus mais próximo e a reivindicação do mundo sensível (criação) como uma expressão da luz divina. 

A construção buscava novos recursos arquitetônicos que procuravam  fornecer luz e altura, tanto nas obras quanto nas artes plásticas integradas ao edifício. Cofres de cadinho, contrafortes, arcobotantes (criados apenas para Notre-Dame), vitrais e rosetas uniram-se ao poder de uma arte cada vez mais naturalista, que permitiu expressar a fé renovada do povo em relação ao seu Deus. 

A planta da Catedral

A planta da Catedral de Notre-Dame tem a forma de uma cruz latina. A nave principal tem um total de 127 metros de comprimento e 48 metros de largura. O transepto, particularmente curto, tem 14 metros de largura e 48 metros de comprimento, ou seja, a mesma medida da largura do navio. 

Distingue uma nave principal e 4 laterais, para um total de 5 naves com deambulatório duplo. Por sua vez, o edifício atinge uma altura máxima de 96 metros e uma área total de 5500 m². 

A esquerda vemos a planta da Catedral de Notre Dame, a direita observamos elementos arquitetônicos exteriores.
A esquerda vemos a planta da Catedral de Notre-Dame, a direita observamos elementos arquitetônicos exteriores.

Fachada principal

Base da fachada ocidental. Da esquerda para a direita: pórtico de Santa Ana, pórtico do Juízo Final e pórtico da Virgem Maria.
Base da fachada ocidental. Da esquerda para a direita: pórtico de Santa Ana, pórtico do Juízo Final e pórtico da Virgem Maria.

A fachada ocidental de Notre-Dame  é composta basicamente por três secções horizontais. 

Na sua base, três pórticos preparam a entrada dos fiéis para um espaço interior absolutamente subjugador. 

Os três pórticos, embora semelhantes, diferem nos processos de criação, dimensões e temas expressos.

Pórtico de Santa Ana

Pórtico de Santa Ana, repare nos detalhes das esculturas.
Pórtico de Santa Ana, repare nos detalhes das esculturas.

O primeiro pórtico (o da esquerda) é consagrado a Santa Ana, mãe de Maria. Grande parte das esculturas não é original, mas foram recuperadas de outra igreja e reutilizadas. Isso explica o hieratismo da parte superior da peça, típica do estilo românico tardio. Aqui a Virgem Maria parece rígida em seu trono com a criança.

Na parte central podemos ver a representação da vida de Maria e, na margem inferior, a representação de Santa Ana e San Joaquín. As histórias de Santa Ana e São Joaquim, assim como a infância de Maria, foram documentadas à luz dos evangelhos apócrifos. 

Pórtico do Julgamento Final

Pórtico do Julgamento Final
Pórtico do Julgamento Final.

O pórtico central é dedicado ao julgamento final. Cristo como juiz preside a cena na margem superior, ladeado por dois anjos de cada lado, e ao lado deles, San Juan (à direita) e a Virgem Maria (à esquerda). Na faixa do meio você pode ver os eleitos que usam uma coroa. No lado oposto, o condenado. No centro da faixa, o arcanjo São Miguel carrega a balança da justiça, enquanto um demônio tenta inclina-lo a seu favor.

A faixa inferior representa a ressurreição dos mortos no final dos tempos e foi reconstruída pelo arquiteto Eugène Viollet-Le-Duc no século XIX. Cada personagem está vestido com os atributos de sua ocupação ou comércio. No meio vemos a benção de Cristo. Nos batentes dos lados, os apóstolos completam o grupo. Abaixo de cada um deles, os signos zodiacais estão representados.

Vale observar que os contornos da peça resultam de elementos alegóricos do céu e do inferno. Podemos ver os demônios torturando as almas do lado direito, no nível da faixa inferior. No lado esquerdo, vemos a representação dos abençoados como crianças. No resto da peça figuram anjos, patriarcas e santos.

Pórtico de Nossa Senhora

Pórtico de Nossa Senhora.
Pórtico de Nossa Senhora.

Esta seção sofreu importantes mutilações durante a Revolução Francesa e teve que ser restaurada no século XIX. A porta é dedicada à Virgem Maria. Ela representa a cena da coroação da Virgem na faixa superior.

No meio da peça, o sono de Maria é representado. Ela se encontra em uma cama acompanhada pelos apóstolos, enquanto os anjos elevam as suas almas ao céu. Na faixa inferior, os patriarcas que seguram ou guardam um dossel com a arca da aliança e as tábuas da lei.

Na peça, a Virgem Maria aparece com o Santo Menino em seus braços. Nos batentes, vemos vários personagens como reis ou patriarcas. A representação de Saint Denis se destaca à esquerda, ele segura a cabeça em suas mãos, aludindo ao seu martírio. 

Galeria dos Reis e Galeria das Quimeras (Gárgulas)

Galeria dos reis.
Galeria dos reis.

A galeria dos reis, localizada na seção intermediária da fachada ocidental, foi feita na Idade Média e representa um grupo escultural de 28 figuras reais da Judéia e Israel. 

A galeria dos reis, como parte dos pórticos, sofreu importantes destruições na época da Revolução Francesa, já que os revolucionários pensavam que as personagens eram os reis da França.

Galeria de quimeras ou gárgulas.
Galeria de quimeras ou gárgulas.

O arquiteto Eugène Viollet-leDuc que, como vimos, foi comissionado para restaurar a Catedral, não se limitou a fazer uma mera restauração. Ele também criou e recriou novos elementos. 

Por um lado, Viollet-le-Duc incorporou seu rosto em um dos retratos dos reis. Por outro lado, usando a imaginação e baseado na fantasia romântica do século XIX, o arquiteto adaptou os restos da galeria das gárgulas a figuras monstruosas e fantásticas. 

Fachada Norte

Fachada Norte.
Fachada Norte.

Na fachada norte, de frente para a rue du Cloitre, vemos uma das portas do transepto. O pórtico é característico das portas e janelas das igrejas de estilo gótico. Neste caso, cada fachada tem um conjunto de três frontões, devidamente hierarquizados. 

Alpendre de Cloitre. Detalhe da peça dedicada a Teófilo de Adana.
Alpendre de Cloitre. Detalhe da peça dedicada a Teófilo de Adana. 

Na varanda, vemos a Virgem com o Menino no batente, mas a escultura é incompleta. O tímpano é dedicado a Teófilo de Adana um monge cuja história encontra-se representada nas partes superior e média.

A história conta que Teófilo de Adana foi um monge contratado para se tornar um abade, mas preferiu permanecer arquidiácono. O novo abade retirou-o do cargo e Teófilo, desesperado, concordou com o diabo com a ajuda de um judeu, a fim de se impor ao abade. Vendo o estrago que ele tinha feito, Teófilo se arrependeu e foi libertado com a ajuda da Virgem Maria. 

Na parte de baixo do painel está representada a infância de Jesus: seu nascimento,  a apresentação no Templo de Jerusalém, a matança dos inocentes e a fuga para o Egito. 

Fachada Sul 

Fachada Sul.
Fachada Sul.

Como a fachada norte, o pórtico da fachada sul, a outra extremidade do transepto, é coroado por uma empena. O pórtico dedicado a San Esteban é, como todos os anteriores, constituído por três registos. 

No registro superior, Jesus pode ser visto com os seus anjos contemplando o martírio de Santo Estêvão. Os registros mais baixos relatam a vida e o martírio de Santo Estêvão. 

Pórtico de San Esteban.
Pórtico de San Esteban.

A porta vermelha

Esquerda: a porta vermelha. Direita: detalhes da parte superior da porta vermelha.
Esquerda: a porta vermelha. Direita: detalhes da parte superior da porta vermelha.

A porta vermelha é uma porta usada em Notre-Dame para facilitar a passagem do claustro religioso para a Igreja e, particularmente, para a área do coro, a fim de comemorar o "Matins" nas primeiras horas da manhã. Foi construída no século 13 e é coroada por um complexo de empena. Como o seu uso é "interno", a porta é menor do que as outras e a sua parte superior é mais simples.

Atribuída ao maestro Pierre de Montreuil, a parte superior é dedicada à coroação da Virgem Maria. Em cada extremidade da peça aparecem os doadores que o financiaram: o rei St. Louis e a sua esposa rainha Margaret da Provença.

Ao redor da peça há uma única arquivolta em homenagem a São Marcelino (São Marcel), bispo de Paris por volta do século IV, cujo relicário foi guardado na Catedral até a Revolução Francesa. Sua vida é representada em cenas diferentes que começam com o batismo por imersão e incluem algumas lendas populares, como aquela segundo a qual Marcel teria derrotado um dragão que devorava mulheres de má reputação, apenas com a equipe do bispo. 

O telhado e a agulha

Notre Dame Agulha do telhado. Século XIX.
Agulha do telhado de Notre-Dame datada do século XIX. 

O telhado de Notre Dame é apoiado por uma moldura de madeira chamada "floresta de Notre Dame". A razão para este nome é está não apenas nas numerosas vigas, mas no fato de cada uma delas ter sido composta por um carvalho inteiro (muitos deles com centenas de anos de idade). 

No telhado da Catedral de Notre-Dame, a agulha se destaca. Esta agulha foi adicionada no século XIX por Viollet-le-Duc, substituindo uma antiga agulha tipo sino, que havia sido colocada por volta do ano de 1250, mas foi desmantelada no final do século XVIII. 

À esquerda: detalhe do grupo escultórico de bronze Os Doze Apóstolos (telhado). Direita: Detalhe do retrato de Viollet-le-Duc como Saint Thomas.
Esquerda: detalhe do grupo escultórico de bronze Os Doze Apóstolos (telhado). 
Direita: Detalhe do retrato de Viollet-le-Duc como Saint Thomas.

Viollet-le-Duc reproduziu uma série de estátuas de bronze dos doze apóstolos que observam a cidade de cima. Um deles, St. Thomas, seria o mesmo Viollet-le-Duc que, de costas para Paris, observa a agulha. Assim, Viollet-le-Duc tornou-se um guardião imortal do edifício sagrado.

Interior da Catedral de Notre Dame.
Interior da Catedral de Notre Dame.

No interior da Catedral, um telhado resoluto com abóbadas com nervuras é exibido. O desenho é formado pelo cruzamento de dois arcos pontiagudos. As costelas destas abóbadas distribuem o peso para os pilares. 

Graças a essa técnica arquitetônica, os arquitetos conseguiram eliminar as paredes pesadas e abrir vãos para criar janelas que proporcionassem um efeito celestial. Na foto anterior você pode notar os três níveis de elevação da Catedral.

Rosetas

Esquerda: roseta do transepto norte. Centro: Roseta da fachada ocidental (observe o órgão tubular). Direita: roseta do transepto sul.
Esquerda: roseta do transepto norte. Centro: Roseta da fachada ocidental (observe o órgão tubular).  Direita: roseta do transepto sul.

Não é difícil imaginar o impacto emocional dessas luzes coloridas vindas dos vitrais, numa época em que a única fonte de iluminação interior vinha do fogo. 

Um dos elementos característicos da Notre-Dame são as suas belas rosetas presentes nas fachadas oeste, norte e sul. A roseta do norte seria dedicada à Virgem Maria e a do sul seria dedicada a Jesus Cristo.   

Arte litúrgica e decorativa

Mesas policromas do Juba de Notre Dame adjacentes ao coro.
Mesas policromas do Juba de Notre Dame adjacentes ao coro.

Na arte gótica, a escultura e a pintura estão a serviço da arquitetura e, embora careçam de uma função litúrgica, elas sempre têm uma função educacional e de propaganda. 

Dentro do complexo de Notre-Dame, um parte específica se destaca: trata-se de uma espécie de parede que envolve o coro e o enquadra dentro do piso. O trecho é decorado com esculturas de madeira policromada, que contam diferentes ciclos da vida de Jesus. Estes foram pintados ao longo do século XIV. 

A seção do norte foi supervisionada por Pierre de Chelles e aborda a vida de Jesus desde a infância até a sua paixão e morte. O trabalho foi elaborado entre 1300 e 1318. A seção sul foi supervisionada por Jean Ravy e, após a sua morte, a supervisão passou para o sobrinho Jean le Boutellier. O trabalho retrata cenas após a ressurreição, um tema menos desenvolvido na iconografia daquela época do que as anteriores. Foi elaborado entre 1344 e 1351. 

Seção norte: a vida de Jesus. 1300-1318.
Seção norte: a vida de Jesus. 1300-1318.
Seção sul: Histórias da ressurreição. 1344-1351.
Seção sul: Histórias da ressurreição. 1344-1351.

Além disso, como parte da interpretação da estética da luz, a Catedral é dotada de uma coleção de arte litúrgica em pedras preciosas e metais, carregada de cor e brilho. Nenhum deles caiu em desuso, pois é considerado essencial manter viva a razão de sua existência.  

História da Catedral de Notre Dame 

A Catedral de Notre Dame começou a ser construída em 1163 e terminou em 1345. Nós estamos falando de quase dois séculos de trabalho incansável, gerações inteiras que viveram a serviço desta magnífica obra para deixar o testemunho da sua fé inscritos. É disso que se trata a arte gótica: uma oferenda literalmente elevada ao céu. 

A Ilha da Cidade de Paris, local da Catedral, é uma pequena ilha localizada no meio do rio Sena que séculos atrás havia sido um local de culto celta e romano. Mesmo nela havia um templo dedicado a Júpiter.

Após a cristianização da Europa, uma igreja românica conhecida como Saint Etienne também foi construída, mas com a mudança cultural que possibilitou a formação das cidades, logo surgiu o interesse de construir uma igreja de acordo com os novos tempos. Esta seria a Catedral gótica de Notre-Dame. 

O projeto foi promovido pelo bispo Maurice de Sully durante o reinado de Luís VII. A Catedral contou com o apoio do rei e a participação econômica de todas as classes sociais de Paris, graças às quais o trabalho não sofreu interrupções. Ele foi inspirado no modelo da Abadia de Saint Denis, onde o abade Suger havia aplicado pela primeira vez a chamada "estética da luz", o coração da arte gótica. 

Estágios de construção, transformações e restaurações de Notre Dame

  • 1163: Início da construção.
  • 1182: A Catedral começa a prestar serviços religiosos no final da área do coro.
  • 1182-1200 (aproximadamente): Conclusão da nave principal. 
  • Início do século XIII: Construção de fachadas e torres. 
  • 1250-1267: Conclusão do transepto (trabalho de Jean de Chelles e Pierre de Montreuil). 
  • 1250: Instalação da primeira agulha. 
  • 1345: Fim da construção. 
  • 1400: Instalação do sino na torre sul. 
  • Século XVII, reinado de Luis XIV: Destruição dos vitrais para substituí-los por decoração barroca.
    - 1630-1707: Desenvolvimento de um total de 77 pinturas das quais apenas 12 foram recuperadas. 
  • Século XVIII, Revolução Francesa: Aaque e destruição parcial da Catedral por parte dos revolucionários. Deterioração causada pelo seu uso como loja de alimentos. Os sinos foram removidos para se fazer canhões com o ferro fundido. 
  • Século XIX: Projetos de restauração de Eugène Viollet-le-Duc e Jean-Baptiste-Antoine Lassus. 
    - 1831, fato curioso: Victor Hugo publica o romance Nossa Senhora de Paris
    - 1856: Instalação de 4 novos sinos na torre norte. 

(Texto traduzido e adaptado por Rebeca Fuks)

Conheça também 

Andrea Imaginario
Andrea Imaginario
Professora universitária, licenciada em Artes, menção Promoção Cultural (2000), com mestrado em Literatura Comparada (2005) pela Universidad Central de Venezuela.