13 obras essenciais para compreender Pablo Picasso


Rebeca Fuks
Revisão por Rebeca Fuks • Doutora em Estudos da Cultura

Pablo Picasso foi um pintor, escultor, poeta, ceramista, dramaturgo e cenógrafo espanhol. Passou a maior parte da sua vida adulta em Paris, onde travou amizade com diversos artistas.

Picasso foi um dos fundadores do cubismo e um dos grandes revolucionários da arte no começo do século XX.

Essas são as treze obras essenciais para compreender o pintor e as suas fases artísticas

1. Primeira comunhão (1896) - Antes de 1900

Primeira comunhão

A primeira fase de Picasso é anterior a 1900. Nela se encontram todas as pinturas feitas antes desse ano, como nesse óleo sobre tela, pintado quando Picasso frequentava a escola de artes La Lonja.

A obra foi exposta em Barcelona e chamou a atenção da imprensa local. Ela foi feita de acordo com os preceitos do realismo do final do século XIX.

O quadro apresenta sua irmã, Lola, durante a primeira comunhão, num momento solene de transição da infância para a vida adulta.

2. A Vida (1903) - Fase azul

A Vida

A Vida é um dos quadros mais importantes da chamada fase azul. Entre 1901 e 1904, Picasso deu enfase à obras com tonalidade preferencialmente azul e temas como prostitutas e bêbados.

A fase foi influenciada por uma viagem pela Espanha e pelo suicídio de seu amigo Carlos Casagemas, que foi retratado postumamente nesse quadro. Durante este período, Picasso passou por dificuldades financeiras, alternando a sua moradia entre Paris e Madrid.

3. Garçon à la pipe (1905) - Fase rosa

Garçon à la pipe

A fase rosa de Picasso foi marcada pelo uso de tons mais claros e leves, principalmente o rosa. Nesse período, que foi de 1904 até 1906, Picasso residiu em Paris, no bairro boêmio de Montmartre.

A vida na região também influenciou Picasso, que retratou muitos acrobatas, bailarinas e arlequins. Foi também nessa época que Picasso conheceu a escritora Gertrude Stein, que se tornou uma das suas grandes patronas.

4. Gertrude Stein (1905) - Fase rosa / primitivismo

Gertrude Stein

Gertude Stein encomendou seu retrato para Picasso. Ela havia se tornado amiga próxima do pintor e uma das mais importantes financiadoras das suas obras.

O retrato de Gertude marca a transição da fase rosa para o primitivismo. No seu rosto podemos perceber a influência das máscaras africanas que vão marcar a próxima fase de Pablo Picasso.

5. Les Demoiselles d'Avignon (1907) - Fase africana ou primitivismo

Les Demoiselles d'Avignon

Este quadro marca o começo da fase em que Picasso sofre grande influência das artes africanas, que durou de 1907 à 1909.

Apesar de parte do quadro ser influenciado pelas artes ibéricas, é possível ver claramente às referências da África, principalmente na composição do rosto das duas mulheres ao lado direito do quadro (suas faces são semelhantes a máscaras africanas).

Picasso só expôs esse quadro anos depois, em 1916.

6. Retrato de Daniel-Henry Kahnweiler (1910) - Fase cubismo analítico

Retrato de Daniel-Henry Kahnweiler

Picasso desenvolveu junto com Georges Braque um estilo novo de pintura: o cubismo analítico (1909-1912). Os artistas buscavam "analisar" o objeto nos seus termos e nas suas formas.

A paleta de cores era monocromática e neutra preferencialmente. Nesta obra, Picasso retratou Daniel-Henry Kahnweiler, dono de uma galeria de arte em Paris.

Com esse quadro, Picasso mudou a forma que se faziam retratos, quebrando uma tradição de mais de dois mil anos.

7. Cabeça (Tetê) (1913-14) - Cubismo sintético

Cabeça (Tetê)

O cubismo sintético (1912-1919) foi um desenvolvimento do cubismo. Picasso começou a utilizar pedaços de papéis como papel de parede e jornais em suas obras. Foi o primeiro uso da colagem em obras de arte.

Durante este período, o pintor esteve em contato com diversos artistas em Paris, como André Breton e o poeta Apollinaire. Com o fim da Primeira Guerra, Picasso conheceu ainda mais gente, como o cineasta Jean Cocteau e o compositor Ígor Stravinsky.

O contato com inúmeros artistas de diversas áreas diferentes influenciou a obra de Picasso, que passou por diversos experimentos nesta época e nas subsequentes.

8. Paulo como Arlequim (1924) - Neoclassicismo e surrealismo

Paulo como Arlequim

Picasso teve uma produção muito grande e muito ampla. Esse retrato do seu filho como arlequim está inserido na fase neoclassicista e surrealista (1919-1929).

Com o final da guerra, muitos artistas europeus buscaram dentro do neoclassicismo um modo de "retomar a ordem". Porém, ao mesmo tempo, as vanguardas artísticas continuavam a influenciar as obras dos artistas.

9. Natureza morta (1924) - Neoclassicismo e surrealismo

Natureza morta

Essa natureza morta, pintada no mesmo ano da tela Paulo como Arlequim, mostra a versatilidade do artista.

Picasso passa, em pouquíssimo tempo, de um desenho representativo para uma grande abstração, seguindo os preceitos do surrealismo.

10. O Artista e a sua modelo (1928) - Neoclassicismo e surrealismo

O Artista e a sua modelo

Em 1925, o escritor André Breton, que foi o grande teórico do surrealismo, declarou que Picasso era um deles.

Mesmo que Picasso não tenha seguido à risca os preceitos do surrealismo, ele esteve presente na primeira exposição do grupo no ano de 1925 com obras cubistas.

11. Guernica (1937) - A Grande Depressão e a exposição no MoMA

Guernica

Guernica é a obra mais famosa de Picasso e do Cubismo. Representa os bombardeios nazistas na Espanha durante a Guerra Civil Espanhola.

Durante o período de 1930 a 1939 as constantes figuras do Arlequim na obra de Picasso foram substituídas pelo minotauro. Os quadros de Picasso se tornaram mais sombrios, com o uso de cores pasteis.

Veja a análise completa sobre o quadro Guernica.

12. Busto de mulher com chapéu com flores (1942) - Segunda Guerra Mundial

Busto de mulher com chapéu com flores

Picasso ficou em Paris, mesmo durante a ocupação nazista na Segunda Guerra Mundial. Neste período, o artista não participou de muitas exposições e recebeu algumas visitas da polícia política do regime fascista.

No final dos anos 1940, Picasso já era uma celebridade e tanto sua obra como a sua vida pessoa eram de interesse geral.

13. Jaqueline de mãos cruzadas (1954) - Obras tardias

Jaqueline de mãos cruzadas

De 1949 a 1973 estão englobados os trabalhos finais e as obras tardias de Picasso. Nesse período o artista já era consagrado. Muitas pinturas são retratos de sua esposa Jaqueline.

Ele também se empenhou em diversas esculturas, incluindo uma estrutura gigante conhecida como Picasso de Chicago. Em 1955 o criador ajudou o cineasta Henri-Georges Clouzot a fazer um filme sobre a sua vida chamado O mistério de Picasso.

A formação de Pablo Picasso

Picasso nasceu em Málaga, na Andaluzia, em 1881 e viveu lá por dez anos. Seu pai era professor de desenho na Escuela de San Telmo.

Aos sete anos, Picasso começou a receber aulas de seu pai, que acreditava que a técnica era essencial para um bom artista. Quando Picasso fez treze anos, seu pai achou que ele já o tinha superado nas pinturas. Com essa mesma idade, ele entrou na escola de artes de La Lonja, em Barcelona.

Pablo Picasso
Retrato de Pablo Picasso.

Aos 16, Picasso foi enviado para a Real Academia de Belas-Artes de São Fernando, em Madrid. O jovem pintor passava a maior parte do tempo no Museu do Prado copiando grandes obras de arte ao invés de frequentar as aulas.

Em 1900, com 19 anos, Picasso vai a Paris pela primeira vez, cidade na qual ele passa a maior parte da sua vida. Lá ele conheceu e conviveu com outros artistas, como André Breton, Guillaume Apollinaire e a escritora Gertrude Stein.

Conheça também

Rebeca Fuks
Revisão por Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).