7 exemplos para entender o que são artes visuais


Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora e artista visual

Artes visuais são as modalidades artísticas em que a apreciação da obra ocorre, sobretudo, por meio da visão.

É através da observação que as manifestações das artes visuais podem ser compreendidas, analisadas e interpretadas.

Assim, temos gêneros como pintura, escultura, gravura, cinema, fotografia, arquitetura e design.

1. Pintura

A pintura é talvez o tipo de arte visual mais consagrado no Ocidente.

O uso de tintas sobre tela foi - e continua sendo - uma técnica realizada de maneira a expressar as mais variadas emoções e pensamentos da humanidade.

Os desenhos pintados nos quadros possibilitam ao observador um impacto visual através das cores, texturas e formas.

Como exemplo de pintura, trazemos a conhecida obra Noite Estrelada, do holandês Vincent van Gogh.

quadro noite estrelada, de van gogh
Noite estrelada, de Van Gogh

Concebida em 1889, a tela exibe uma paisagem noturna com um imenso céu cheio de espirais, enquanto um cipreste em formato de fogo sobe ao firmamento.

A cena exibe a vista da janela do quarto em que Van Gogh ficou internado, no hospital psiquiátrico de Saint-Rémy-de-Provence.

Através das pinceladas vigorosas e das formas espiraladas, podemos perceber a confusão e o turbilhão de emoções pelas quais o artista passava.

2. Fotografia

A fotografia é uma vertente das artes visuais que surgiu na primeira metade do século XIX. A princípio não era considerada arte, e sim um método científico de reprodução de imagens.

Entretanto, logo se percebeu sua enorme capacidade inventiva e ela passou a ser vista também como arte.

Como a sua fruição (ou seja, sua apreciação) se dá a partir da visão, ela foi enquadrada como arte visual.

Um grande artista que recorreu à técnica foi Man Ray. O norte-americano se valeu da fotografia para criar obras surrealistas que conseguiram revolucionar a maneira como ela era encarada.

Uma dessas fotografias é Glass Tears - com tradução de Lágrimas de vidro - feita em 1932.

fotografia Glasse Tears, de Man Ray, exibe mullher com lágrimas de vidro no rosto e olhos voltados para cima
Glass tears, de Man Ray

A imagem faz uma conexão com a narrativa cinematográfica, apresentando uma personagem feminina com pesadas lágrimas no rosto. Os olhos, com cílios marcados, observam algo de cima, o que faz o observador se questionar sobre as causas de tal angústia.

3. Cinema

O cinema é uma linguagem artística que surge a partir da fotografia. Assim, também é arte visual, pois a visão é um sentido essencial para poder desfrutar da experiência cinematográfica.

Seu surgimento teve origem no final do século XIX com filmes mudos bem curtos, de menos de um minuto.

Com o tempo, o cinema foi se transformando, e hoje podemos assistir filmes em 3D, uma técnica que permite criar a ilusão de que o público está dentro da narrativa.

Um exemplo de obra importante para a história do cinema é O gabinete do Dr. Caligari, da década de 1920.

Dirigido por Robert Wiene, o filme é um clássico do expressionismo alemão e apresenta uma história cheia de mistérios, com estética contrastante e teatral.

Vemos uma atuação exagerada, enquadramentos angulosos e atmosfera fantasmagórica, que revelam os propósitos do movimento expressionista, que eram retratar a angústia e a inadequação em um contexto entre as duas guerras mundiais.

4. Escultura

A escultura é um tipo de arte que remonta à idade pré-histórica, quando já eram produzidas estatuetas de marfim, ossos, pedras e outros materiais.

Diversas civilizações antigas também utilizaram essa linguagem para consolidar suas visões de mundo, criando cenas mitológicas e históricas.

Apesar de terem surgido novas técnicas artísticas, a escultura perdura como uma importante linguagem e foi se transformando. É uma arte na qual a visão é essencial para a compreensão da obra e, além desse sentido, o tato também pode ser estimulado.

escultura de recém-nascido gigante, de Ron Mueck
Baby, de Ron Mueck

Um artista contemporâneo que possui um trabalho impressionante é o australiano Ron Mueck.

A obra Baby (2000) é um exemplo de escultura que nos coloca frente a um enorme bebê recém-nascido, criado de maneira hiperrealista, que tem o poder de impactar o observador e causar diversas reflexões sobre o corpo e a grandiosidade da vida.

5. Gravura

É chamado de gravura um grupo de técnicas em que se produz desenhos utilizando estruturas rígidas como apoio ou suporte.

Um desses métodos mais antigos e conhecidos é a xilogravura, na qual o artista faz cortes profundos em uma placa de madeira (a matriz), depois passa uma fina camada de tinta e imprime essa matriz em um papel.

A técnica é bastante utilizada no nordeste do Brasil, ilustrando a literatura de cordel com imagens contrastantes.

xilogravura de J. Borges de trabalhadores rurais
Trabalhadores rurais, de J. Borges

Um grande xilogravurista brasileiro é J. Borges. Suas obras trazem temas do sertão, mostrando o povo, costumes e tipos humanos, como é o caso de Trabalhadores rurais.

6. Arquitetura

A arquitetura é um tipo de arte feita no espaço através de construções. São edificações criadas para acolher as pessoas e oferecer suporte para diversas atividades humanas.

Entretanto, para ser considerada arte deve haver uma preocupação plástica e estética, apreciada em grande parte por meio da visualidade, por isso essa vertente é considerada arte visual.

casa de vidro, da arquiteta Li Bo Bardi
Casa de vidro, de Lina Bo Bardi

Como exemplo de obra arquitetônica, trazemos a Casa de Vidro, da reconhecida arquiteta Lina Bo Bardi. Essa casa foi construída na década de 50 e é conhecida como uma emblemática obra da arquitetura moderna no Brasil, localizando-se em São Paulo.

7. Design

O design se refere à criação de objetos, geralmente utilitários. Assim, esse tipo de arte mistura formas, estética e funcionalidade em um produto, que normalmente é produzido em série, em escala industrial.

Nos anos 20 existiu a Escola Bauhaus, uma instituição na Alemanha que se dedicou a trabalhar diversos tipos de arte, entre eles o design.

Infusor de chá, e Marianne Brandt
Infusor de chá, de Marianne Brandt

Uma mulher da Bauhaus que teve algum destaque no design foi Marianne Brandt. Ela foi a responsável pela criação de um Infusor de chá, feito em 1924, que tem um desenho inovador, bem ao estilo modernista que ainda imperava na época.

Você também pode se interessar:

Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007 e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design, localizada em São Paulo, em 2010.