Taj Mahal


Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes

Uma das sete maravilhas do mundo, o Taj Mahal é um mausoléu de mármore branco situado em Agra, na Índia, junto ao rio Yamuna.

Considerado o mais importante monumento nacional, o Taj Mahal foi reconhecido pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, em 1983.

Além de ser surpreendente pela sua beleza e simetria, o monumento representa uma história de amor, eternizada pela magnífica construção.

Taj Mahal
Fotografia do Taj Mahal.

Conheça mais sobre a história do Taj Mahal, seus elementos principais e curiosidades.

Taj Mahal: a história da construção

O Taj Mahal foi construído entre os anos de 1632 e 1653, a mando do imperador Shah Jahan. Quando Aryumand Banu Begam, a sua esposa favorita, morreu dando à luz ao 14º filho, o imperador caiu numa grande tristeza.

Também conhecida como Mumtaz Mahal ("A joia do palácio"), Aryumand era a conselheira do marido e o seu grande amor. Algumas versões da lenda contam que foi ela que pediu, no seu leito de morte, que erguessem um monumento em sua homenagem.

Pintura de Shah Jahan e Mumtaz Mahal.
Pintura de Shah Jahan e Mumtaz Mahal.

A narrativa mais corrente, no entanto, é a de que Shah Jahan quis honrar a memória da mulher, mandando construir o Taj Mahal em cima do seu túmulo, como um último presente.

O imperador também ficou conhecido por ser um grande mecenas e ter usado os seus fundos para a construção de vários palácios e jardins.

O monumento se torna ainda mais grandioso quando conhecemos a sua história: é uma prova de amor, o símbolo de um sentimento maior que a própria morte.

Sobre o Taj Mahal e sua arquitetura

Um dos maiores pontos turísticos do mundo, o Taj Mahal é um edifício octagonal que combina elementos da arquitetura islâmica, persa e indiana.

O Taj Mahal demorou cerca de 20 anos para ser construído, com o trabalho de 20 mil homens, que vieram de diversos locais do Oriente. Os materiais foram trazidos de várias partes da Índia, e também do Tibet, do Egito e da Arábia Saudita.

Darwaza, o edifício de entrada do Taj Mahal.
Darwaza, o edifício de entrada do Taj Mahal, em pedra vermelha.

Na época, era habitual que os monumentos fúnebres fossem construídos em pedra vermelha. O memorial para Mumtaz Mahal se destacou, no entanto, sendo erguido em mármore branco e decorado com pedras semipreciosas.

A pedra vermelha também está presente na construção: no edifício de entrada, denominado Darwaza, assim como nos muros e nos mausoléus secundários.

O mausoléu principal também tem duas mesquitas, uma de cada lado, e é rodeado por quatro minaretes. As mesquitas seguem o estilo comum desse período, em pedra vermelha e com três cúpulas no topo.

Detalhe: um dos minaretes do Taj Mahal.
Detalhe: um dos minaretes do Taj Mahal.

Os minaretes, construídos em mármore branco como o mausoléu, são torres que ultrapassam os 40 metros de comprimento. Eles complementam a simetria do edifício e são decorados com padrões que se repetem.

Taj Mahal: elementos principais

Os jardins

Situado na margem do rio Yamuna, o Taj Mahal é rodeado por grandes jardins que formam uma mancha verde em volta do monumento.

O chahar bagh (jardim persa) segue a tradição dos jardins que pretendiam recriar o Paraíso, segundo as descrições presentes nos textos islâmicos.

Jardins do Taj Mahal
O Taj Mahal visto de cima, rodeado pelos seus jardins.

Assim, o jardim (de 320 m x 320 m) é formado por incontáveis árvores, arbustos e canteiros de flores coloridas. Conta também com belos caminhos de azulejos e mármore, percorridos por visitantes de todo o planeta.

Um dos aspetos fundamentais sobre o exterior do Taj Mahal é a sua simetria. Esta característica é reforçada pela existência de um curso de água, ao centro, que atravessa a extensão do jardim.

Reflexo do Taj Mahal nas águas.
Reflexo do Taj Mahal nas águas.

O reflexo do mausoléu provoca a ilusão de ótica de que existe um segundo Taj Mahal, invertido, nas águas.

A cúpula do mausoléu

Sem dúvida que, pela sua grandiosidade e riqueza, o mausoléu é a parte mais admirada do Taj Mahal. Entre os seus elementos, a cúpula principal chama a atenção.

Trata-se de uma amrud, cúpula em forma de cebola, bastante comum na arquitetura islâmica.

Detalhe: cúpula principal do Taj Mahal
Detalhe: cúpula principal do Taj Mahal.

A cúpula é trabalhada, com flores de lótus esculpidas, e contém fios de ouro. Combinando as tradições do islamismo e do hinduísmo, o topo da cúpula está adornado com uma agulha que culmina numa lua crescente.

As decorações do mausoléu

Um testemunho intemporal do amor de Shah Jahan por Aryumand Banu Begam, o Taj Mahal se destaca pelas suas decorações suntuosas.

As colunas, a cúpula e as arcadas contêm vários elementos decorativos de destaque. Nas arcadas, por exemplo, existem diversas inscrições do Corão.

Detalhe: inscrições do Corão
Detalhe: inscrições do Corão.

Outro aspecto que precisamos mencionar são as inúmeras pedras semipreciosas que estão incrustadas no edifício, organizadas em formas florais.

Nas ornamentações do Taj Mahal podemos encontrar lápis-lazúlis, ametistas, turquesas, ágatas e safiras, entre outras pedras. O trabalho meticuloso de incrustação faz com que as pequenas pedras não sejam visíveis a olho nu.

Detalhe: padrões florais com pedras semipreciosas.
Detalhe: padrões florais com pedras semipreciosas.

Taj Mahal por dentro

A magia e a opulência do Taj Mahal se mantêm no interior do mausoléu. O espaço que mais se destaca é a sala central, decorada com ouro e pedras preciosas. Lá estão localizados os cenotáfios (memoriais fúnebres) do imperador e da esposa preferida.

No centro da sala, em destaque, está o cenotáfio de Mumtaz Mahal. Do seu lado, e um pouco mais alto, fica o cenotáfio de Shah Jahan.

Simbolizando a união eterna do casal, esta é a única assimetria do espaço. Os dois memoriais fúnebres estão decorados de forma semelhante, com padrões florais, incrustações e caligrafia.

Cenotáfios de Shah Jahan (à direita) e Mumtaz Mahal (à esquerda).
Cenotáfios de Shah Jahan e Mumtaz Mahal.

Curiosidades sobre o Taj Mahal

Um dos mais belos e célebres monumentos do mundo, o Taj Mahal está envolto em lendas e histórias. Conheça algumas curiosidades sobre a construção:

  • Acredita-se que o imperador planejava fazer uma réplica do Taj Mahal, em mármore negro, na outra margem do rio Yamuna. O projeto ficou conhecido como o "Taj Mahal Negro".
  • Também corre a lenda de que Shah Jahan mandou cortar as mãos dos artesãos que trabalharam no Taj Mahal, para que eles não pudessem recriar a obra noutro local.
  • A riqueza do edifício chamou a atenção dos ladrões: as portas de prata originais e algumas joias da câmara central acabaram sendo roubadas.
  • O Taj Mahal parece mudar de cor, dependendo da hora do dia. Em alguns horários, o reflexo da luz faz o mausoléu adquirir uma coloração rosa, noutros ele fica com um tom dourado.
  • Apesar de ser uma das sete maravilhas do mundo, o Taj Mahal não tem conseguido resistir a um inimigo comum a todos nós: a poluição. O ar poluído, as chuvas ácidas e os resíduos químicos têm escurecido o mármore do monumento.
  • Há uma estimativa que, em média, 70 mil visitantes passavam pelo Taj Mahal, todos os dias. Para preservar o local, o governo indiano decidiu limitar o número de visitas diárias ao mausoléu.
  • No Brasil, em 1972, Jorge Ben Jor lançou uma música em homenagem ao monumento. Na letra, o artista fala do romance que motivou a construção, anunciando que é "a mais linda / história de amor". Escute abaixo:

Conheça também

Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes e licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.