Significado dos personagens de Divertida Mente


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

No filme Divertida Mente (em inglês Inside Out), lançado em 2015, Riley é uma menina de 11 anos de Minnesota que se vê obrigada a mudar com a família para São Francisco. Acompanhamos a vida afetiva da garota desde o dia em que ela nasceu até a sua pré-adolescência.

Os sentimentos base que constituem a identidade de Riley são representados pelos cinco personagens que simbolizam as emoções da menina: a Tristeza, a Alegria, a Raiva, o Medo e o Nojinho. Na Sala de Comando os cinco disputam o que se passa no interior de Riley. As principais emoções apresentadas no filme afetam a percepção da garota, a forma como ela enxerga o mundo e como lida com a sua própria vida e com os que estão ao redor.

Tristeza

Tristeza

Depois do nascimento de Riley, e da apresentação do sentimento da Alegria, o segundo afeto experimentado pela bebê é a Tristeza.

Com um ar pessimista e desanimado, a Tristeza no filme personifica tudo aquilo que gera infelicidade para a pequena menina. A Tristeza está associada aos momentos de angústia e de aflição, onde Riley se sente melancólica, inquieta e sem esperança. Apesar de ser introduzida já logo a seguir ao nascimento de Riley, a personagem da Tristeza ganha mais força depois que a menina é informada pelos pais que precisará mudar de cidade. Ciente de que precisará deixar os amigos para trás, a menina se vê de repente imersa num mar de desânimo.

Embora ninguém goste de se sentir triste, vemos no filme como a Tristeza é importante para que Riley amadureça e lide com as situações novas que vão surgindo ao se sentir sozinha na nova casa.

A sociedade contemporânea costuma muitas vezes mascarar a tristeza, e um dos aspectos mais importantes de Divertida Mente é justamente a legitimação do sentimento. O filme ressignifica o lugar da Tristeza, tirando o afeto do lugar de vilão e colocando-o como um sentimento importante para o nosso processo de crescimento psicológico.

Ao vermos o funcionamento da mente de Riley compreendemos que a Tristeza tem um papel e que ela é importante para garantir o funcionamento saudável no mundo dos afetos.

Fisicamente descrita como sendo baixa, azul, gordinha e com um ar deprimido, a Tristeza usa óculos e anda sempre com um casaco branco. Ela é uma personagem feminina que carrega um ar cabisbaixo e o seu próprio corpo tem o formato de uma gota, fazendo o espectador se lembrar da imagem de uma lágrima. Em inglês a palavra blue - a cor da personagem - é usada em uma expressão bastante comum (“feeling blue”) que significa desanimada, triste ou deprimida.

A mesma cor azul da Tristeza aparece nas bolas presentes no arquivo mental de Riley quando a personagem as toca. Essas esferas ficam marcadas como carregando então as memórias infelizes, cristalizadas como sendo de um momento ruim.

A personagem Tristeza é dublada na versão original por Phyllis Smith e na versão brasileira por Katiuscia Canoro.

Alegria

Alegria

A Alegria é a principal narradora do filme, é ela que nos guia por essa aventura e apresenta as principais emoções de Riley.

A Alegria, que é a grande administradora da Sala de Comando do cérebro da menina, é a primeira emoção sentida por Riley. Depois da tela escura, quando a bebê nasce, surge logo a Alegria quando Riley conhece os pais.

A recém-nascida ouve a voz do pai e admira a expressão da mãe, já nesse momento a Alegria é acionada e a menina sorri. A principal missão da Alegria é deixar Riley contente e realizada, ela é a grande responsável pela menina ler os acontecimentos da sua vida de forma positiva e favorável. O sentimento tem como maior objetivo a felicidade de Riley.

Antes de saber que mudaria de cidade, Riley era conhecida pelos pais e pelos amigos como sendo uma menina sempre sorridente e feliz da vida, a Alegria reinava no seu universo mental. A emoção, no entanto, perde o protagonismo quando Riley descobre que precisará mudar de cidade.

Fisicamente a Alegria é uma personagem feminina, que usa um vestido estampado e está sempre bem disposta. Ela é repleta de energia, cheia de otimismo, mesmo quando surgem situações inesperadas como a mudança de casa (a Alegria interpreta esses imprevistos como uma chance de Riley crescer).

É a Alegria que é responsável pela sensação de bem-estar e euforia sentida pela menina.

Com cabelos e olhos azuis, bem magrinha, a Alegria tem a pele amarelado claro e está sempre saltitante. A Alegria tem um formato corporal de uma estrela.

No arquivo das memórias de Riley, as esferas com a cor amarela simbolizam as memórias marcadas pela Alegria. O amarelo, cor da personagem, é frequentemente associado à energia, à jovialidade, ao calor, referências que se associam ao perfil expresso pela personagem.

A personagem Alegria no Brasil foi dublada por Miá Mello e na versão original por Amy Poehler.

Raiva

Raiva

A última emoção que é apresentada a Riley é a Raiva. Ele representa a sua revolta e traduz a fúria que sentimos quando o que desejamos não acontece conforme planejado. A presença da Raiva está associada aos momentos em que Riley se vê acometida por uma fúria intensa, se tornando agressiva física ou verbalmente.

A primeira cena em que é apresentada acontece quando a menina diz que não vai, de modo algum, comer brócolis. O pai da garota então retruca que, se ela não comer, ficará sem sobremesa. É nesse momento que surge a Raiva pela primeira vez.

A Raiva ganha mais força quando Riley vai entrando na pré-adolescência. Com o corpo se desenvolvendo muito rapidamente e sem saber lidar bem com os afetos, a menina muitas vezes tem a Sala de Comando invadida pela Raiva.

Quando Riley se sente frustrada ou decepcionada, muitas vezes a Raiva toma o controle do seu sistema emocional e espanta todos os outros sentimentos.

O personagem masculino Raiva é todo vermelho e liberta labaredas de fogo pela cabeça. Com o corpo quadrado e sólido como um tijolo, ele é baixinho e se veste como um executivo (com roupa social).

Quando Riley se enfurece com alguma situação, a Raiva coloca a mão na esfera da memória na Sala de Comando e a bola imediatamente se transforma em vermelha, eternizando o afeto que a menina irá reviver quando se lembrar daquela situação específica.

A cor vermelha carregada pelo personagem está habitualmente associada ao nervosismo e a ira.

Leo Jaime foi responsável por dublar a Raiva na versão brasileira enquanto Lewis Black ficou com a versão original.

Medo

Medo

O sentimento do Medo é essencial para proteger a criança dos perigos do mundo. Ele surge quando nos vemos ameaçados de alguma forma, seja de modo físico ou imaginário.

O personagem no filme representa o nosso lado prudente, nos ensina a ter cautela e a cuidar de nós mesmos com atenção.

O Medo é fundamental para a nossa autopreservação e nos faz escapar de situações potencialmente perigosas nos transportando para realidades mais seguras - tanto em termos do corpo como da mente.

Por mais que o Medo não seja um sentimento desejado - e vemos as situações vividas por Riley que causam esse desconforto - a verdade é que ele é muito importante para o amadurecimento da protagonista.

O Medo permite que Riley pense bem antes de tomar uma atitude fazendo com que a menina avalie e reavalie os riscos físicos (como quedas) ou emocionais (como as decepções).

A primeira sensação experienciada por Riley é a Alegria, a segunda é a Tristeza e a terceira é justamente o Medo. O Medo é um personagem masculino, que começa a surgir com mais frequência quando Riley começa a explorar a casa e os perigos vão ficando cada vez mais próximos.

O Medo no filme tem a pele roxa, olhos grandes, usa sempre um suéter xadrez, e cada vez que toca numa das esferas do Centro de Comando uma memória de Riley se torna lilás eternizando uma situação que a apavorou. O formato do seu corpo faz lembrar o contorno de um nervo.

Bill Hader deu voz ao personagem na versão original e Otaviano Costa na versão brasileira.

Nojinho

Nojinho

A quarta personagem apresentada ao público é Nojinho, que surge quando Riley é ainda bem pequena e é convidada pelos pais a provar brócolis. A personagem está associada aos momentos em que a menina sente repulsa, náusea, asco.

Apesar de ter uma participação menor no filme, Nojinho é muito importante porque impede a menina de se intoxicar e se envenenar. Sentir nojo é fundamental para nos protegermos de agentes estranhos, que desconhecemos.

Ao se ver diante de uma situação que causa repulsa, Nojinho encosta numa das esferas da Sala de Comando de Riley e a bola se transforma em verde. A cor verde é provavelmente resultado de uma associação com os legumes e vegetais, que as crianças não costumam comer e relacionam com o sentimento de repulsa. O próprio formato do corpo de Nojinho faz lembrar uma pequena “árvore” de brócolis.

Fisicamente a personagem é toda verde, com olhos e cílios enormes, tem uma estatura baixa e usa um vestido estampado verde e um batom cor de rosa que combina com o lenço elegante que leva ao pescoço. Seu figurino esnobe dialoga com a postura convencida das crianças que se recusam a provar um alimento novo.

A voz de Nojinho é de Mindy Kaling (versão original) e Dani Calabresa (versão brasileira).

Se interessa pelo longa-metragem? Então vá para o artigo do filme Divertida Mente.

Aproveite para conhecer também os artigos Filme Soul explicado e Filme Up: Altas aventuras - sinopse e análise.

Atualizado em
Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).