Livro A Arte da Guerra, de Sun Tzu


Rebeca Fuks
Revisão por Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

A Arte da Guerra é uma obra literária do pensador chinês Sun Tzu, escrito por volta do ano 500 a.C.

A obra funciona como um manual estratégico para conflitos armados, mas que pode ter várias aplicações em outras áreas da vida.

A Arte da Guerra é um dos livros clássicos da cultura oriental e transcendeu a categoria de simples tratado de guerra para se transformar numa leitura universal sobre planejamento e liderança.

Conheça abaixo um resumo da obra e tenha acesso a uma análise detalhada.

Resumo do livro A Arte da Guerra por capítulos

Capítulo 1

Aborda a importância de avaliar e planejar, tendo conhecimento de cinco fatores que podem influenciar: caminho, terreno, as estações (clima), a liderança e a gestão.

Além disso, são abordados sete elementos que melhoram os resultados das investidas militares. A guerra é algo que tem consequências para o estado ou país e por isso não deve ser iniciada sem muita consideração.

Capítulo 2

Neste capítulo o autor expressa que o sucesso na guerra depende da capacidade de terminar um conflito de forma rápida.

É possível entender um pouco melhor a vertente econômica da guerra, e que muitas vezes para vencer a guerra é preciso saber reduzir os custos relacionados com o conflito armado.

Capítulo 3

A verdadeira força bélica de um exército está na sua união e não no seu tamanho.

São mencionados cinco fatores essenciais para vencer qualquer guerra: ataque, estratégia, alianças, exército e cidades. Um bom estratega identifica a estratégia do seu inimigo, atacando-a na sua parte mais fraca. Por exemplo: o mais recomendado é dominar o inimigo sem destruir o seu ambiente, obrigando-o a se render.

Capítulo 4

O posicionamento tático do exército é determinante para a vitória: os pontos estratégicos devem ser defendidos a todo o custo.

Um bom líder só avança terreno para conquistar outras posições quando tem a certeza que o que já foi conquistado está em segurança. O leitor também pode aprender a não criar oportunidades para o inimigo.

Capítulo 5

O autor explica a importância da criatividade e do timing para melhorar a força e a motivação do exército. Uma boa liderança desperta o potencial do exército.

Capítulo 6

O capítulo 6 é dedicado às forças e fraquezas de uma unidade militar. As características do ambiente (como o relevo da paisagem) devem ser estudadas para que o exército possa obter vantagem no conflito.

Sun Tzu também indica que é possível apresentar uma "fraqueza fingida" para enganar e atrair o inimigo.

Capítulo 7

São abordadas as manobras militares, o perigo de entrar em conflito direto e como obter a vitória nos casos em que esse tipo de confronto é inevitável.

Capítulo 8

São revelados os diferentes tipos de terreno e a importância de se adaptar a cada um deles. É dada alta importância à capacidade da unidade militar de se adaptar à variação das circunstâncias.

Capítulo 9

Movimentação das tropas: neste capítulo o autor explica como o exército deve se posicionar nos diferentes tipos de terreno do território inimigo.

Capítulo 10

Sun Tzu indica os diferentes tipos de terreno e as vantagens e desvantagens que são fruto do posicionamento nestes 6 tipos de terreno.

Capítulo 11

São descritos 9 tipos de situação em que um exército em guerra pode enfrentar e qual deve ser o foco do líder em cada uma das situações de forma a alcançar a vitória.

Capítulo 12

Este capítulo aborda o uso do fogo nos ataques ao inimigo e o que é necessário para tirar proveito desse elemento. Além disso são mencionadas respostas adequadas em caso de ataque com esse e outros elementos.

Capítulo 13

Foco na relevância de ter espiões como fonte de informação sobre o inimigo. São descritas cinco fontes de inteligência (cinco tipos de espiões) e como fazer a gestão dessas fontes.

Análise do livro A Arte da Guerra

O livro está dividido em 13 capítulos, sendo que cada um tematiza diferentes aspectos da estratégia bélica.

Neste tratado sobre a guerra, o conflito é abordado como uma característica inseparável do ser humano. A própria guerra é mencionada como um mal necessário, mas um mal que deve ser evitado sempre que possível.

Um detalhe interessante: A Arte da Guerra foi introduzido no Japão por volta de 760 d.C. e rapidamente se tornou popular entre os generais japoneses. O livro desempenhou um papel significativo na unificação do Japão uma vez que os samurais ficaram conhecidos por terem honrado os ensinamentos desta obra. Há relatos também de que o imperador francês Napoleão havia estudado os escritos militares da Sun e usou-os efetivamente na guerra contra o resto da Europa.

Sun Tzu, um estratega militar, realça a importância do conhecimento, indicando que é essencial o autoconhecimento (a consciência das suas próprias forças e fraquezas), o conhecimento do inimigo e o conhecimento do contexto e do ambiente envolvente (condições políticas, geográficas, culturais, etc).

A Arte da Guerra e os seus princípios inspiraram vários outros autores da área da economia, artes, esportes, que escreveram livros usando as estratégias de Sun Tzu.

Como a obra original foi escrita em chinês, alguns autores afirmam que determinadas traduções podem não transmitir fielmente o significado pretendido pelo autor. Além disso, várias das suas frases podem ter diferentes interpretações.

Frases famosas do livro A Arte da Guerra

A suprema arte da guerra é derrotar o inimigo sem lutar.

O que é de suprema importância na guerra é atacar a estratégia do inimigo.

A velocidade é a essência da guerra. Tire proveito do despreparo do inimigo; viaje por rotas inesperadas e atinja-o onde ele não tomou precauções.

Toda guerra é baseada no engano. Por isso, quando capazes de atacar, devemos parecer incapazes; ao utilizar nossas forças, devemos parecer inativos; quando estamos perto, devemos fazer o inimigo acreditar que estamos longe, quando longe, devemos fazê-lo acreditar que estamos perto.

Trate seus homens como se fossem seus próprios filhos amados. E eles irão segui-lo no mais profundo vale.

Documentário A Arte da Guerra

O longa metragem produzido pelo History Channel possui duas horas de duração e traz a história e os detalhes mais importantes do livro de Sun Tzu.

Como forma de ilustrar os ensinamentos do sábio oriental, o filme faz referência as grandes guerras mais recentes (as batalhas do império romano, a Guerra Civil americana e a Segunda Guerra Mundial).

A produção encontra-se disponível na íntegra:

Contexto Histórico

Sun Tzu viveu em um período conturbado da história da China. Durante a Dinastia Zhou (722-476), o poder central estava enfraquecido e os principados entraram em inconciliáveis conflitos, gerando pequenos Estados.

Essas sociedades menores coexistiam a partir de um convívio tenso e era relativamente frequente a instauração de guerras entre essas comunidades. Por esse motivo, o tema da guerra era tão caro aos contemporâneos de Sun Tzu: para que os pequenos Estados fossem capazes de se manterem vivos, precisavam aprender como controlar o inimigo.

Para se ter uma ideia do valor de A Arte da Guerra, vale sublinhar que ele foi uma das seis principais obras sobreviventes escritas antes da unificação da China.

Sobre o autor

Estima-se que Sun Tzu tenha vivido entre 544 e 496 a.C. na China, tendo sido um importante general e estrategista militar. Supõe-se que Sun Tzu era natal de Ch'i e teria origem nobre: era filho de um aristocrata militar e neto de um estrategista de guerra.

Aos 21 anos o jovem teria migrado para Wu por motivos profissionais, Sun Tzu havia sido escolhido para ser general e estrategista do rei Hu Lu. Sua carreira militar foi profundamente bem sucedida.

Estátua de Sun Tzu.
Estátua de Sun Tzu.

A sua obra mais famosa é A Arte da Guerra, que reúne não só conselhos bélicos como também filosofias que podem ser consideradas para a vida cotidiana. Desde a sua primeira edição o livro foi traduzido e distribuído internacionalmente, a princípio em escolas militares.

Seu trabalho foi muitíssimo popular especialmente durante os séculos XIX e XX, quando a sociedade Ocidental começou a pensar em aplicar os conselhos bélicos de Sun Tzu para outros horizontes que não a guerra.

Não se tem dúvidas que Sun Tzu foi autor de A Arte da Guerra, no entanto, alguns filósofos acreditam que, além dos escritos do autor, a obra também contém comentários e esclarecimentos de filósofos militares posteriores, como Li Quan e Du Mu.

Uma curiosidade: A Arte da Guerra está listado no Programa de Leitura Profissional do Corpo de Fuzileiros Navais Norte-Americano e é recomendado para ser lido por todos os funcionários da Inteligência Militar dos Estados Unidos.

Conheça também

Rebeca Fuks
Revisão por Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).