12 escritoras negras que você precisa ler


Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes

Durante muito tempo, a palavra pertencia aos homens brancos: a eles cabia descrever e definir o mundo, por semelhança ou oposição a si mesmos.

O cânone literário é fruto dessa hegemonia masculina e branca que dominou todas as áreas da cultura, relegando para as margens os discursos pertencentes a outras identidades. 

Nas últimas décadas, leitores e teóricos começaram a perceber que precisamos de mais perspetivas, outras formas de viver e escrever. Precisamos ler mulheres negras, conhecer as suas obras e as suas lutas, combater o silenciamento e o apagamento histórico. 

Conheça, abaixo, 12 autoras negras que fizeram e estão fazendo história. 

1. Maria Firmina dos Reis

Maria Firmina dos Reis, escritora do Maranhão, se tornou a primeira romancista brasileira com a publicação de Úrsula (1859).

A obra, centrada no romance entre a protagonista Úrsula e o bacharel Tancredo, se demarcou da literatura da época, descrevendo os quotidianos dos escravos, dos negros e das mulheres. 

Maria Firmina dos Reis
Maria Firmina dos Reis, ilustração, Feira Literária das Periferias.

Denunciando as práticas de uma sociedade atravessada por injustiças e opressões, o livro é considerado precursor do abolicionismo e uma das obras fundadoras da literatura afro-brasileira.

Enquanto mulher afrodescencente, Maria Firmina dos Reis trouxe para a sua literatura a possibilidade de identificação e representação. Seu contributo é incalculável, já que produziu discursos a partir do lugar do negro brasileiro que expunham a discriminação.

A autora também escreveu contos, crônicas e poemas em diversas publicações locais. A sua poesia, reunida no volume Cantos à beira-mar (1871), exprime uma forte tristeza e insatisfação perante a sociedade patriarcal e escravagista. 

Recentemente, com o centenário da morte de Maria Firmina dos Reis, foram feitas várias reedições das suas obras. Surgiram também eventos e homenagens à autora, reconhecendo o seu papel fundamental no panorama literário e social brasileiro. 

Seu nome! é minha glória, é meu porvir, 
Minha esperança, e ambição é ele, 
Meu sonho, meu amor! 
Seu nome afina as cordas de minh'harpa, 
Exalta a minha mente, e a embriaga 
De poético odor.

Seu nome! embora vague esta minha alma 
Em páramos desertos, - ou medite 
Em bronca solidão: 
Seu nome é minha idéia - em vão tentara 
Roubar-mo alguém do peito - em vão - repito, 
Seu nome é meu condão.

Quando baixar benéfico a meu leito, 
Esse anjo de deus, pálido, e triste 
Amigo derradeiro. 
No seu último arcar, no extremo alento, 
Há de seu nome pronunciar meus lábios, 
Seu nome todo inteiro!

Trecho do poema "Seu Nome", Cantos à beira-mar (1871)

Escute, abaixo, o poema "Seu Nome" de Maria Firmina dos Reis musicado pela cantora Socorro Lira. 

2. Carolina Maria de Jesus

Carolina Maria de Jesus foi uma das maiores escritoras nacionais e uma das primeiras autoras negras brasileiras. Mãe solteira, catadora de papéis e moradora da favela do Canindé, em São Paulo, escreveu cerca de 20 diários relatando as suas condições e experiências de vida.

Carolina Maria de Jesus
Retrato de Carolina Maria de Jesus. 

Carolina de Jesus permaneceu anônima até 1960, ano em que foi publicada a obra Quarto de Despejo: Diário de uma favelada. O livro é um marco de representatividade, com uma autora que escreve sobre e a partir do contexto social em que vive. 

A vida é igual um livro. Só depois de ter lido é que sabemos o que encerra. E nós quando estamos no fim da vida é que sabemos como a nossa vida decorreu. A minha, até aqui, tem sido preta. Preta é a minha pele. Preto é o lugar onde eu moro.


Quarto de Despejo (1960)

Conheça também a análise completa do livro Quarto de Despejo

Enquanto mulher periférica, pobre, que trabalhava e lutava pela sobrevivência, escreveu também poemas que denunciavam as injustiças e desigualdades sociais a que estava sujeita.

Não digam que fui rebotalho,
que vivi à margem da vida.
Digam que eu procurava trabalho,
mas fui sempre preterida.
Digam ao povo brasileiro
que meu sonho era ser escritora,
mas eu não tinha dinheiro
para pagar uma editora.

Folha da Noite (1958)

Sempre escrevendo a partir de suas próprias experiências, narra a discriminação racial e de classe, a falta de oportunidades. Seus escritos comentam o fosso que separa os cidadãos de um mesmo país, dependendo da cor da sua pele e do local onde nasceram.

Adeus! Adeus, eu vou morrer!
E deixo esses versos ao meu país
Se é que temos o direito de renascer
Quero um lugar, onde o preto é feliz.

Trecho do poema "Muitas fugiam ao me ver"

3. Conceição Evaristo 

Conceição Evaristo é uma das maiores autoras nacionais afro-brasileiras. Membro da Academia Brasileira de Letras, nas suas obras de poesia, ficção e ensaio é notória a valorização da cultura negra e a análise do panorama social brasileiro. 

Conceição Evaristo
Retrato de Conceição Evaristo.

Ponciá Vicêncio (2003), uma de suas obras mais célebres, acompanha o percurso de vida da protagonista, descendente de escravos, do meio rural até à periferia urbana. 

Essa narrativa de diáspora propõe reflexões sobre o presente e o passado, deixando evidente uma herança de exclusão e marginalização. Militante dos movimentos sociais, Conceição Evaristo também imprime na sua poesia marcas de discriminações raciais, de classe e de gênero. 

Vozes-mulheres


A voz de minha bisavó
ecoou criança
nos porões do navio.
ecoou lamentos
de uma infância perdida.
A voz de minha avó
ecoou obediência
aos brancos-donos de tudo.
A voz de minha mãe
ecoou baixinho revolta
no fundo das cozinhas alheias
debaixo das trouxas
roupagens sujas dos brancos
pelo caminho empoeirado
rumo à favela.
A minha voz ainda
ecoa versos perplexos
com rimas de sangue
e
fome.
A voz de minha filha
recolhe todas as nossas vozes
recolhe em si
as vozes mudas caladas
engasgadas nas gargantas.
A voz de minha filha
recolhe em si
a fala e o ato.
O ontem – o hoje – o agora.
Na voz de minha filha
se fará ouvir a ressonância
o eco da vida-liberdade.


Poemas da recordação e outros movimentos (2008)

Questionando a representação das identidades negras na literatura nacional,  expõe os preconceitos que continuam presentes na cultura e no imaginário do povo brasileiro.

Através da denúncia das desigualdades, chama a atenção para a situação vulnerável das mulheres negras, oprimidas simultaneamente pelo racismo e o machismo da sociedade. 

Assim, a literatura de Conceição Evaristo é sinônimo de representatividade, já que através dela uma mulher negra reflete sobre a sua condição social e as lutas inerentes que trava. 

Eu-Mulher


Uma gota de leite
me escorre entre os seios.
Uma mancha de sangue
me enfeita entre as pernas.
Meia palavra mordida
me foge da boca.
Vagos desejos insinuam esperanças.
Eu-mulher em rios vermelhos
inauguro a vida.
Em baixa voz
violento os tímpanos do mundo.
Antevejo.
Antecipo.
Antes-vivo
Antes – agora – o que há de vir.
Eu fêmea-matriz.
Eu força-motriz.
Eu-mulher
abrigo da semente
moto-contínuo
do mundo.

Poemas da recordação e outros movimentos

4. Djamila Ribeiro 

Djamila Ribeiro é uma escritora, acadêmica, filósofa e ativista brasileira. Se tornou notória pelas suas contribuições para os movimentos sociais que lutam pelos diretos das mulheres e dos cidadãos negros.

Seu trabalho começou por ser divulgado na internet, através da publicação de textos em várias plataformas. Djamila, como outras teóricas, propõe que o espaço cibernético oferece uma alternativa à mídia que reproduz os preconceitos da sociedade. 

Djamila Ribeiro
Retrato de Djamila Ribeiro.

No seu primeiro livro, O que é lugar de fala? (2017), a autora chama a atenção para o silenciamento a que algumas camadas da sociedade estão submetidas. Defendendo a necessidade de múltiplas vozes e histórias na nossa cultura, afirma a importância de desafiar o cânone masculino e branco que vigora. 

A obra questiona quem pode falar na nossa sociedade, quem tem direito a voz, à existência, ao discurso enquanto forma de poder. Ao mesmo tempo que a visão do homem branco é encarada enquanto universal, diversas identidades continuam sendo relegadas para o lugar do "outro".

Minha luta diária é para ser reconhecida como sujeito, impor minha existência numa sociedade que insiste em negá-la.

Djamila defende que cada indivíduo fala a partir de um lugar social, de uma localização nas estruturas de poder que partilha experiências em comum. Sublinha, assim, a importância de cada um de nós, partindo do lugar onde está, pensar de que modos pode contribuir para uma sociedade mais justa e livre de preconceito.

Como negra, não quero mais ser objeto de estudo, e sim o sujeito da pesquisa.

No seu segundo livro, Quem tem medo do feminismo negro? (2018), reúne textos que publicou, entre 2013 e 2017, no blog da revista CartaCapital. Em seus escritos, Djamila continua as suas reflexões sobre os processos de silenciamento impostos à população feminina e negra, dialogando com autoras contemporâneas e comentando casos da atualidade. 

Assista, abaixo, a palestra da autora na conferência TEDxSão Paulo, em 2016:

5. Mel Duarte

Mel Duarte é uma poeta brasileira, vencedora do campeonato internacional de poesia Rio Poetry Slam (2016) e uma das organizadoras do Slam das Minas, em São Paulo.

A Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) de 2016 ajudou a projetar o seu trabalho, quando os vídeos de seus poemas foram vistos e partilhados por um vasto público.

Mel Duarte
Retrato de Mel Duarte.

No mesmo ano, a autora publicou seu segundo livro, Negra Nua Crua. Sua poesia é marcada por uma forte componente social, atravessada por temas como o machismo e o racismo institucionais.

Em declarações à imprensa, Mel afirma que não tem como objetivo agradar a crítica nem receber premiações. Aquilo que move a poeta é a possibilidade de comunicar com a juventude, passar mensagens de empoderamento, principalmente para o seu público mais novo. 

Preta:
Mulher bonita é a que vai a luta!
Que tem opinião própria e não se assusta
Quando a milésima pessoa aponta para o seu cabelo e ri dizendo que ele está ‘’em pé’’
E a ignorância dessa coitada não a permite ver...
Em pé, armado,
Foda-se! Que seja!
Pra mim é imponência!
Porque cabelo de negro não é só resistente,
É resistência.

Trecho do poema "Menina Melanina"

Escrevendo sobre temas como opressão feminina, discriminação racial e cultura do estupro, encara a criação poética como uma arma para combater o preconceito e a ignorância.

Seus poemas promovem a autoestima, a resistência e o poder negro, com palavras de inspiração e transformação social. 

Vejo que nós, negras meninas
Temos olhos de estrelas,
Que por vezes se permitem constelar

O problema é que desde sempre nos tiraram a nobreza
Duvidaram das nossas ciências,
E quem antes atendia pelo pronome alteza
Hoje, pra sobreviver, lhe sobra o cargo de empregada da casa

É preciso lembrar da nossa raiz 
semente negra de força matriz que brota em riste!
Mãos calejadas, corpos marcados sim
Mas de quem ainda resiste.

E não desiste negra, não desiste!
Mantenha sua fé onde lhe couber
Seja Espírita, Budista, do Candomblé.
É teu desejo de mudança,
A magia que trás na tua dança,
Que vai lhe manter de pé.

Trecho do poema "Não desiste negra, não desiste!"

Assista, abaixo, o vídeo "Pense Grande" que a poeta fez em parceria com a Fundação Telefônica: 

6. Ryane Leão

Ryane Leão é uma poeta, professora e ativista brasileira que se tornou célebre através da publicação os seus textos no Facebook e na conta do Instagram @ondejazzmeucoracao. 

Em 2017, lançou Tudo Nela Brilha e Queima, livro onde reúne "poemas de luta e amor" com teor autobiográfico. 

Ryane Leão
Retrato de Ryane Leão.

Atualmente, a influenciadora digital tem mais de 400 mil seguidores que se inspiram com as suas publicações e ajudam a divulgar o seu trabalho.

Abordando inúmeras experiências e situações, seus versos conduzem a reflexões profundas acerca do modo como vivemos e nos relacionamos.

que ideia mais estúpida
achar que é melhor sentir dor
a não sentir nada

elevamos o sentir a níveis tão errados
que preferimos atear fogo em nós mesmas
a conviver com nossos vazios.

Tudo Nela Brilha e Queima (2017)

Militante do feminismo negro, a autora encara a poesia como forma de comunicar com outras mulheres. Recomenda que tenham fé em si mesmas, cultivem o amor próprio e a autoaceitação, buscando ambientes saudáveis onde sejam respeitadas e possam evoluir.

Moça,
sobre lugares e pessoas:
se não puder ser você mesma
vá embora

7. Paulina Chiziane

Paulina Chiziane é uma escritora moçambicana que se tornou a primeira mulher a publicar um romance no seu país, com Balada de Amor ao Vento (1990). 

Moçambique foi um dos países africanos colonizados por Portugal, ficando sob o seu domínio durante mais de 400 anos, até 1975. Durante a década de 60, surgiu a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), partido onde Paulina militou.

Paulina Chiziane
Retrato de Paulina Chiziane.

Suas obras literárias se centram no contexto social, político e cultural do seu país, que esteve em guerra civil de 1977 a 1992.

Durante séculos, as mulheres africanas eram apenas representadas através de discursos europeus que perpetuavam falsas imagens e estereótipos negativos. 

Com escritoras como Paulina Chiziane, estas mulheres viraram sujeitos e não apenas objetos das criações literárias. Em suas obras, a autora reflete sobre a posição das figuras femininas naquela sociedade e a submissão a que estão sujeitas.

Cerramos as nossas bocas e as nossas almas. Por acaso temos direito à palavra? E por mais que a tivéssemos, de que valeria? Voz de mulher serve para embalar as crianças ao anoitecer. Palavra de mulher não merece crédito. Aqui no sul, os jovens iniciados aprendem a lição: confiar numa mulher é vender a tua alma. Mulher tem língua comprida, de serpente. Mulher deve ouvir, cumprir, obedecer.

Niketche (2002)

Em Niketche (2002), um de seus livros mais famosos, se debruça sobre a poligamia, prática comum na região. 

Rami, a narradora-protagonista, conta a história da sua vida com o marido e suas outras mulheres. Tendo a família como valor basilar, esse modo de viver e encarar o mundo parece reduzir as identidades femininas a meras esposas e cuidadoras.

Mães, mulheres. Invisíveis, mas presentes. Sopro de silêncio que dá a luz ao mundo. Estrelas brilhando no céu, ofuscadas por nuvens malditas. Almas sofrendo na sombra do céu. O baú lacrado, escondido neste velho coração, hoje se abriu um pouco, para revelar o canto das gerações. Mulheres de ontem, de hoje e de amanhã, cantando a mesma sinfonia, sem esperança de mudanças.

Niketche (2002)

8. Noémia de Sousa

Noémia de Sousa foi uma poeta, jornalista, tradutora e militante moçambicana, lembrada como a "mãe dos poetas moçambicanos". Durante a época em que viveu em Portugal, se posicionou contra o regime ditatorial de Salazar e acabou tendo que abandonar o país.

Noémia de Sousa
Retrato de Noémia de Sousa.

Colaborou, como jornalista e poeta, com diversos jornais e revistas. Em 2001, a Associação dos Escritores Moçambicanos lançou a antologia Sangue Negro que reúne a poesia que escreveu entre os anos de 1949 e 1951. 

Seus versos espelham a revolta, o cansaço e os protestos de um povo colonizado. Suas palavras demonstram uma forte consciência social, denunciando o racismo e a discriminação que vivia.  

Lição


Ensinaram-lhe na missão,
Quando era pequenino:
“Somos todos filhos de Deus; cada Homem
é irmão doutro Homem!”

Disseram-lhe isto na missão,
quando era pequenino.
Naturalmente,
ele não ficou sempre menino:
cresceu, aprendeu a contar e a ler
e começou a conhecer
melhor essa mulher vendida
̶ que é a vida
de todos os desgraçados.

E então, uma vez, inocentemente,
olhou para um Homem e disse “Irmão…”
Mas o Homem pálido fulminou-o duramente
com seus olhos cheios de ódio
e respondeu-lhe: “Negro”.

Sangue Negro (2001)

Fica sempre patente o seu desejo de liberdade e a esperança em dias melhores que trariam uma transformação social iminente.

Outra característica fundamental da sua obra é o modo como reflete os valores e as tradições de Moçambique, promovendo a valorização da própria cultura. A autora se tornou uma enorme inspiração para diversos artistas africanos e afrodescendentes. 

Tirem-nos tudo,
mas deixem-nos a música!

Tirem-nos a terra em que nascemos,
onde crescemos
e onde descobrimos pela primeira vez
que o mundo é assim:
um labirinto de xadrez…

Tirem-nos a luz do sol que nos aquece,
a tua lírica de xingombela
nas noites mulatas
da selva moçambicana
(essa lua que nos semeou no coração
a poesia que encontramos na vida)
tirem-nos a palhota ̶ humilde cubata
onde vivemos e amamos,
tirem-nos a machamba que nos dá o pão,
tirem-nos o calor de lume
(que nos é quase tudo)
̶ mas não nos tirem a música!

Assista à leitura do poema "Súplica" por Emicida:

9. Alice Walker

Alice Walker é uma escritora e poeta norte-americana que tem se dedicado amplamente ao ativismo pelos direitos civis. Durante a juventude, por causa da segregação racial, frequentou o Butler Baker High School, um colégio só para alunos negros.

Alice Walker
Retrato de Alice Walker.

Logo se envolveu com a militância no movimento dos direitos civis e acabou sendo perseguida por grupos de supremacia branca, como a Ku Klux Klan. 

Nós não somos brancos. Não somos europeus. Somos pretos que nem os africanos. E nós e os africanos estaremos trabalhando juntos por um objetivo comum: uma vida melhor para os negros do mundo todo. 

A Cor Púrpura (1983)

Em 1983, lançou sua obra mais famosa, A Cor Púrpura, um romance epistolar, composto por cartas que a protagonista, Celie, escreve para Deus e para a sua irmã.

Nessa correspondência, que nunca chega a ser enviada, a narradora-protagonista conta os eventos dramáticos de sua vida. Sofrendo abusos sexuais do próprio pai desde a infância, a mulher teve dois filhos com ele e acabou sendo forçada a casar com um homem branco que também é violento.

Minha pele é escura. Meu nariz é apenas um nariz. Meu lábio é só um lábio. Meu corpo é só um corpo de mulher passando pelas mudança da idade. Nada especial aqui para alguém amar. Nada de cabelos enrolado cor de mel, nada de bonitinho. Nada novo ou jovem. Mas meu coração deve ser novo e jovem pois parece que ele floresce com a vida.

A Cor Púrpura (1983)

A narrativa é passada durante os anos 30, no sul do país, território marcado pelo racismo extremo e as práticas de segregação. Esse ambiente de opressão ecoa por todo o livro, motivando reflexões acerca da condição feminina e da negritude. 

A obra utiliza um registro de linguagem próximo da oralidade, com regionalismos e erros de gramática, procurando representar o jeito como aquelas mulheres falariam.

O romance foi adaptado para o cinema em 1985, com a direção de Steven Spielberg. Veja o trailer aqui: 

10. Maya Angelou

Marguerite Ann Johnson, mais conhecida pelo pseudônimo literário Maya Angelou, foi uma notória escritora, poeta e ativista norte-americana. Dotada de muitos talentos, também foi roteirista, diretora de cinema, atriz, professora, jornalista, historiadora, cantora e bailarina. 

Maya Angelou
Retrato de Maya Angelou.

Sua obra literária é bastante vasta, contando com vários livros de poesia, ensaios, peças de teatro, filmes e sete autobiografias. Entre elas se destaca Eu sei porque o pássaro canta na gaiola (1969), na qual a autora se debruça sobre os tempos da sua infância e adolescência. 

Quando era criança, Maya Angelou foi abusada sexualmente pelo namorado da mãe e contou aos familiares. O criminoso acabou sendo assassinado e a menina ficou traumatizada, o que a conduziu a um mutismo que se prolongou por anos. 

O contacto com a literatura e a poesia foi o seu caminho de salvação. Através de seus escritos, refletiu sobre temas sociais como identidade, racismo e machismo. 

Mulher Fenomenal

Lindas mulheres indagam onde está o meu segredo 
Não sou bela nem meu corpo é de modelo 
Mas quando começo a lhes contar 
Tomam por falso o que revelo

Eu digo, 
Está no alcance dos braços, 
Na largura dos quadris 
No ritmo dos passos 
Na curva dos lábios 
Eu sou mulher 
De um jeito fenomenal 
Mulher fenomenal: 
Assim sou eu

Quando um recinto adentro, 
Tranqüila e segura 
E um homem encontro, 
Eles podem se levantar 
Ou perder a compostura 
E pairam ao meu redor, 
Como abelhas de candura

Eu digo, 
É o fogo nos meus olhos 
Os dentes brilhantes, 
O gingado da cintura 
Os passos vibrantes 
Eu sou mulher 
De um jeito fenomenal 
Mulher fenomenal: 
Assim sou eu

Mesmo os homens se perguntam 
O que vêem em mim, 
Levam tão a sério, 
Mas não sabem desvendar 
Qual é o meu mistério 
Quando lhes conto, 
Ainda assim não enxergam

É o arco das costas, 
O sol no sorriso, 
O balanço dos seios 
E a graça no estilo 
Eu sou mulher 
De um jeito fenomenal 
Mulher fenomenal 
Assim sou eu

Agora você percebe 
Porque não me curvo 
Não grito, não me exalto 
Nem sou de falar alto 
Quando você me vir passar, 
Orgulhe-se o seu olhar

Eu digo, 
É a batida do meu salto 
O balanço do meu cabelo 
A palma da minha mão, 
A necessidade do meu desvelo, 
Porque eu sou mulher 
De um jeito fenomenal 
Mulher fenomenal: 
Assim sou eu.

Trecho do poema "Mulher Fenomenal"

Maya Angelou foi uma das primeiras autoras afro-americanas a escrever sobre as suas vivências. Se tornou uma grande inspiração para várias gerações de leitores, com mensagens de autoestima, inclusividade e respeito pelo próximo. 

Promovendo a compreensão e o amor como formas de combater a ignorância e o medo, Maya Angelou é sinónimo de poder e resistência negra. 

Deixando para trás noites de terror e atrocidade
Eu me levanto
Em direção a um novo dia de intensa claridade
Eu me levanto
Trazendo comigo o dom de meus antepassados,
Eu carrego o sonho e a esperança do homem escravizado.
E assim, eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto.

Trecho do poema "Ainda assim eu me levanto"

Confira, abaixo, a leitura do poema "Ainda assim eu me levanto" pelas artistas brasileiras Mel Duarte, Drik Barbosa e Indira Nascimento:

11. bell hooks

Gloria Jean Watkins, mais conhecida pelo pseudónimo bell hooks, é uma escritora, teórica e ativista feminista norte-americana. Durante a juventude, frequentou escolas apenas para negros, por causa das medidas de segregação racial que vigoravam.

Desde cedo foi confrontada com as realidades de uma sociedade machista e patriarcal, à qual procura responder com o seu trabalho literário e acadêmico. 

bell hooks
Retrato de bell hooks.

A autora publicou mais de trinta obras entre estudos culturais, teoria, histórias infantis, memórias e poemas. Suas reflexões estão assente em três fatores determinantes: gênero, raça e classe.

Infinitas vezes, os esforços das mulheres negras para falar, quebrar o silêncio e engajar-se em debates políticos progressistas radicais enfrentam a oposição. Há um elo entre a imposição de silêncio que experimentamos e censura anti-intelectualismo em contextos predominantemente negros que deveriam ser um lugar de apoio (como um espaço onde só há mulheres negras), e aquela imposição de silêncio que ocorre em instituições onde se dizem as mulheres negras e de cor que elas não podem ser plenamente ouvidas ou escutadas porque seus trabalhos não são suficientemente teóricos.

Em Não serei eu mulher? (1981), uma das suas obras mais famosas, e também nas teorizações que produziu depois, reflete sobre os movimentos sociais e construção do feminismo negro nos Estados Unidos.

Embora não utilize esse termo (que foi cunhado por Kimberlé Crenshaw em 1989), aquilo que propõe é uma perspetiva interseccional das opressões, ou seja, a compreensão de que as discriminações se cruzam e potenciam entre si. 

Desde do início do meu envolvimento com o movimento de mulheres fiquei incomodada pela insistência das mulheres brancas liberacionistas para quem a raça e o sexo eram duas questões separadas. A minha experiência de vida mostrou-me que as duas questões são inseparáveis, que no momento do meu nascimento, dois fatores determinaram o meu destino, ter nascido negra e ter nascido mulher.

Uma verdadeira visionária, bell hooks descreveu conceitos que só agora começam a ser conhecidos e compreendidos pelo público geral. Até hoje, continua sendo uma das principais teóricas do movimento das mulheres e do feminismo negro e marcando presença nas discussões sobre a cultura afrodescendente. 

12. Chimamanda Ngozi Adichie

Chimamanda Ngozi Adichie é uma escritora e ativista nigeriana que tem alcançado um imenso sucesso internacional e conquistado novos leitores para a literatura africana contemporânea. A autora publicou uma obra de poesia e outra de teatro mas aquilo que a tornou célebre foi a sua prosa. Em 2003, lançou Hibisco Roxo, o seu primeiro romance, passado na Nigéria do pós-colonialismo. 

Chimamanda Ngozi Adichie
Retrato de Chimamanda Ngozi Adichie.

Chimamanda também tem sido uma importante palestrante e oradora sobre feminismo e direitos das mulheres. Falando com mulheres e homens e pedindo que Sejamos Todos Feministas (2014), problematiza as causas e consequências de uma sociedade patriarcal.

Se uma mulher tem poder, porque é que é preciso disfarçar que tem poder? Mas a triste verdade é que o nosso mundo está cheio de homens e de mulheres que não gostam de mulheres poderosas. Fomos tão condicionados a pensar no poder como masculino que uma mulher poderosa é considerada uma aberração.

Nos anos de 2009 e 2012, Chimamanda participou das famosas Ted Talks com os discursos "O perigo das histórias únicas" e  "Sejamos todos feministas". O segundo acabou sendo transformado em livro, publicado em 2014, e inspirando a cantora pop Beyoncé que usou algumas das suas frases mais famosas na música Flawless (2013). 

Ensinamos as meninas a se encolher, a se diminuir, dizendo-lhes: “Você pode ter ambição, mas não muita. Deve almejar o sucesso, mas não muito. Senão você ameaça o homem. Se você é a provedora da família, finja que não é, sobretudo em público. Senão você estará emasculando o homem".

Escute e assista Flawless, a parceria das duas:

Conheça também

Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes (2014) e licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos (2011) pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.