Soneto do Amor Total, de Vinicius de Moraes


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Escrito em 1951 para a então companheira Lila Bôscoli, Soneto do Amor Total é uma das composições mais celebradas do poeta Vinicius de Moraes.

A criação trata das complexidades desse sentimento tão poderoso, o amor. Os versos discorrem sobre a entrega e as contradições inerentes à paixão.

Conheça melhor essa obra-prima do poetinha.

Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Análise e interpretação do Soneto do Amor Total

O poema Soneto do Amor Total está voltado para temática do amor romântico. Nele o eu-lírico promete uma entrega total e absoluta apesar de demonstrar estar ciente da finitude do sentimento.

Vejamos a composição estrofe a estrofe.

Primeira estrofe

Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Aqui o sujeito poético declara o seu sentimento como sendo verdadeiro, pleno e absoluto. Ele se dirige à amada com a promessa de estar sendo o mais honesto possível. Pela sua declaração é como se não fosse possível existir amor humano mais genuíno do que aquele que ele sente.

Trata-se de um afeto multifacetado, que enxerga o outro não só como fonte de deleite e prazer, mas também como um parceiro, um companheiro para todas as horas.

Em resumo, a partir da leitura dos primeiros versos podemos concluir que, para o eu-lírico, a relação amorosa se baseia por vezes na sensualidade e por vezes na amizade.

Segunda estrofe

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Extremamente poética, a segunda estrofe se debruça sobre o tempo do amor - que vive no presente e também na expectativa de futuro.

O eu-lírico está agora com a amada vivendo uma situação de aconchego e plenitude, mas ao mesmo tempo é capaz de se projetar para uma situação onde irá vigorar a ausência (e garante que também nesse contexto irá sentir amor).

Terceira estrofe

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

Nesse trecho o poema é permeado por um tom sensual. Há uma comparação com a natureza animal, o que relembra o leitor do que há de voraz e irracional no sentimento amoroso.

Ao longo desses três versos testemunhamos como o amor é instintivo e desprovido de razões. Não sabemos a sua origem e o afeto não está ligado à qualquer tipo de merecimento ou de explicação lógica.

Essa estrofe é curiosa porque reveza a noção de constância ("um desejo maciço e permanente") com uma percepção de que no amor há descontrole ("como um bicho, simplesmente").

Quarta estrofe

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Ao longo da quarta estrofe tomamos consciência de que o amor é um sentimento que se consome.

Apesar da triste constatação da finitude do afeto, o sujeito poético se encontra conformado ao já saber o destino desse sentimento tão poderoso.

É importante perceber que mesmo sabendo do destino do amor, o sujeito poético não deixa de viver o afeto na sua plenitude, extraindo do sentimento toda a beleza que pode.

Estrutura do poema

A criação de Vinicius de Moraes é composta a partir de uma estrutura clássica, o soneto, uma das mais tradicionais modalidades de forma fixa.

A estrutura é composta por dois quartetos e os dois tercetos totalizando 14 versos decassilábicos regulares.

O formato soneto começou a ser relembrado pelos poetas modernistas especialmente durante a segunda fase do movimento. Além de Vinicius de Moraes outros autores consagrados como Manuel Bandeira também optaram por criar seus versos a partir dessa forma fixa.

As rimas estão organizadas da seguinte maneira:

Amo-te tanto, meu amor... não cante (A)
O humano coração com mais verdade... (B)
Amo-te como amigo e como amante (A)
Numa sempre diversa realidade (B)

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante, (A)
E te amo além, presente na saudade. (B)
Amo-te, enfim, com grande liberdade (B)
Dentro da eternidade e a cada instante. (A)

Amo-te como um bicho, simplesmente, (C)
De um amor sem mistério e sem virtude (D)
Com um desejo maciço e permanente. (C)

E de te amar assim muito e amiúde, (D)
É que um dia em teu corpo de repente (C)
Hei de morrer de amar mais do que pude. (D)

Publicação do Soneto do Amor Total

O poema em questão escrito em 1951, na ocasião o poeta tinha 38 anos e sofreu uma paixão fulminante por Lila Bôscoli (bisneta de Chiquinha Gonzaga), que na altura tinha 19 anos. Foi ela a musa inspiradora de Soneto do Amor Total.

O sentimento foi tão forte que no mesmo ano os dois se casaram e viveram sete anos juntos. A relação gerou dois frutos, as filhas Georgiana e Luciana.

Soneto do Amor Total faz parte da segunda fase da poesia de Vinicius de Moraes. Esse período costuma ser considerado pelos pesquisadores a partir da publicação do livro Novos Poemas.

Ouça o poema recitado pelo poeta

Que tal ouvir o Soneto do Amor Total recitado pelo poetinha?

Conheça também

Atualizado em
Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).