Aristóteles: vida e principais obras


Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes

Aristóteles (384 a.C. — 322 a.C.) foi um notório pensador e filósofo que viveu na Grécia Antiga e marcou profundamente o mundo ocidental.

O sábio foi aluno e também mestre de alguns dos maiores nomes do seu tempo: primeiro, aprendeu com Platão, depois ensinou personalidades marcantes como Alexandre, o Grande.

O criador da escola peripatética, modo como os seus seguidores foram chamados, deixou um legado extremamente vasto sobre diversas matérias: filosofia, ética, retórica, poética, matemática, biologia, entre outras.

Até hoje, podemos encontrar a influência de Aristóteles em inúmeros trabalhos e correntes de pensamento. Tudo isso tem eternizado o seu nome, fazendo com que o filósofo seja apontado como uma referência intemporal.

Quem foi Aristóteles: biografia resumida

Primeiros anos e Academia de Platão

Aristóteles nasceu no ano de 384 a.C, em Estagira, uma antiga cidade do Império Macedônico que hoje fica localizada na Grécia. O seu pai, Nicômaco, era médico, o que parece ter motivado a paixão do filho pelas áreas da biologia e das ciências naturais.

Na época, Atenas era o lugar onde os intelectuais se juntavam para debater as mais variadas questões: da política à criação artística, passando ainda pelas ciências e pela própria linguagem. Assim, no começo da sua adolescência, Aristóteles se mudou para a cidade grega, a fim de completar os seus estudos.

A Escola de Atenas, de Rafael - detalhe: Aristóteles e Platao.
Platão e Aristóteles retratados em A Escola de Atenas, do renascentista Rafael Sanzio (detalhe).

Foi aí que começou a integrar a Academia de Platão, onde pôde estudar com o mestre e se tornou professor também. O pensador ficou por lá mais de duas décadas, desenvolvendo grande parte do seu trabalho. Contudo, depois da morte de Platão, em 348 a.C, ele acabou não sendo escolhido para liderar a instituição e resolveu partir.

Viagens e casamento

Depois de sair da Academia de Platão, Aristóteles foi para Artaneus, onde desempenhou funções de conselheiro político. O seu destino seguinte foi Assos, onde passou dois anos dirigindo uma escola.

Em 345 a.C, no entanto, decidiu se encaminhar para a Ilha de Lesbos, onde passou a dirigir um estabelecimento de ensino com Xenócrates, na cidade de Mitilene. Foi aí que acabou se estabelecendo durante algum tempo e casou com Pítias, com quem teve uma filha do mesmo nome.

Professor de Alexandre, o Grande

Ilustração de Charles Laplante (1866)
Aristóteles e Alexandre representados em uma iIustração do francês Charles Laplante (1866).

Em 343 a.C, Aristóteles voltou à Macedônia, quando o rei Filipe II o convidou para ser professor do seu filho Alexandre, que veio a ser conhecido como Alexandre, o Grande.

O "Estagirita" foi responsável pelos estudos daquele que viria a ser um dos mais famosos conquistadores da História, tendo ficado na sua companhia durante alguns anos.

Liceu, a Escola de Aristóteles

Foi em 335 a.C. que Aristóteles pôde fundar a sua própria escola, na cidade de Atenas. Como ficava situada numa localização onde se cultuava o deus Apolo Lykeios, a instituição ganhou o nome de Liceu (Lykeion).

afresco de Gustav Adolph Spangenberg, A escola de Aristóteles
Afresco A escola de Aristóteles, do alemão Gustav Adolph Spangenberg (1883-1888).

Além de ser uma escola filosófica, o Liceu também se dedicava ao estudo de diversas áreas do saber: política, história, matemática, botânica, biologia, medicina, etc. Essas aulas e discussões teóricas deram origem a incontáveis manuscritos sobre estas matérias, mas a maioria acabou se perdendo com o tempo.

Final da sua vida

Em 323 a.C, Alexandre III da Macedônia morreu, com apenas 32 anos de idade. Na Grécia, o clima contra a Macedônia estava piorando e Aristóteles precisou fugir de Atenas, por ter sido mestre de Alexandre.

Assim, em 322 a.C partiu para Cálcides. onde se refugiou numa antiga casa que pertencia à mãe e acabou morrendo no mesmo ano, na ilha Eubeia.

Obras de Aristóteles: alguns textos e teorias fundamentais

O legado de Aristóteles é vasto e abrange várias matérias, mas podemos determinar que um dos seus contributos mais valiosos foi o modo como classificou e sistematizou os conhecimentos que já existiam na época.

O "Estagirita", assim como Sócrates e Platão, passou a ser encarado como um os pais da filosofia ocidental. Embora tenha absorvido muitas lições de Platão, com o tempo, as perspectivas de Aristóteles estavam se afastando das do mestre.

Por exemplo, enquanto o fundador da Academia de Atenas acreditava que o conhecimento chegava através da razão, o seu antigo aluno defendia uma postura empírica, dependente das experiências sensoriais.

Durante a sua vida, o pensador foi registrando as suas reflexões e observações acerca das mais variadas disciplinas, em tratados e diálogos que de destinavam à apresentação oral e não à publicação.

Aqueles que sobreviveram aos séculos e chegaram até nós, se tornaram referências incontornáveis para o pensamento moderno.

Ética a Nicômaco

Ética a Nicômaco, a obra mais famosa do autor,se tornou uma leitura fundamental para questões relacionadas com a moral e o caráter. Dividida em dez partes, a obra reunia as lições do filósofo a Nicômaco, o filho que gerou com uma escrava, Herpilia, em 325 a.C.

Capa de Ética a Nicômaco.

Além de transmitir os ensinamentos de Platão, Aristóteles também reflete sobre a felicidade e os modos como podemos alcançá-la, através da virtude, da prudência e do hábito.

Ética a Nicômaco encontra-se disponível para download gratuito em português em formato PDF.

Retórica

Na obra, que se divide em três livros, Aristóteles pretende afastar a retórica das abordagens sofistas e encará-la através de uma perspectiva mais próxima da filosofia.

Se debruçando também sobre questões ligadas às emoções e ao caráter humano, o filósofo empreende uma análise das várias formas de argumentação e seus elementos estilísticos.

Capa do livro Retorica, de Aristoteles.

O trabalho do estudioso ajudou a estabelecer a distinção entre os gêneros retóricos, dividindo-os em três categorias: político / deliberativo, judicial e demonstrativo.

Poética

Composta aproximadamente entre os anos de 335 a.C e 323 a.C, Poética reúne notas que Aristóteles usava para conduzir as suas aulas sobre arte e literatura.

Na obra, o educador apresenta as suas considerações acerca dos gêneros literários que vigoravam na época, especialmente a poesia e a tragédia. Aqui, os termos poiésis (o processo da composição) e poiein (fazer) aproximam o “fazer poético” de um ofício.

Capa de Poetica, de Aristoteles.

Na primeira metade da obra, Aristóteles se foca na poesia e apresenta o conceito de mimesis (ou mimese), defendendo que a criação seria a imitação das ações humanas.

Já na segunda parte, considera os gêneros da poesia dramática, destacando a tragédia. A esse propósito, propõe o conceito de catarse, uma descarga emocional que provocaria um efeito de "purificação" no espectador.

Política

Dividida em oito livros, acredita-se que a obra foi escrita no tempo em que Aristóteles era tutor de Alexandre da Macedônia.

Aqui, o filósofo reflete acerca de questões relacionadas com a ética e a felicidade, individual e coletiva.

Capa da obra Politica, de Aristoteles

Além de distinguir os vários modelos de governo e suas características, a obra de Aristóteles contribuiu largamente para o conceito de democracia, que teria em vista o bem comum dos cidadãos.

Pensamentos célebres de Aristóteles

O homem é por natureza um animal político.

O que é um amigo? Uma única alma habitando dois corpos.

Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso.

Todos os homens, por natureza, anseiam o conhecimento.

A base de um estado democrático é a liberdade.

É da natureza do desejo não ser satisfeito, e a maioria dos homens vive apenas para a satisfação do mesmo.

Conheça também

Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes e licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.