Bráulio Bessa e seus 7 melhores poemas


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Bráulio Bessa se define como um "fazedor de poesia". Poeta, criador de cordel, recitador e palestrante, os versos do artista cearense saíram do nordeste para caírem nas graças do Brasil.

Conheça agora alguns dos seus mais famosos poemas seguidos de uma breve análise.

Recomece (trecho)

Quando a vida bater forte
e sua alma sangrar,
quando esse mundo pesado
lhe ferir, lhe esmagar...
É hora do recomeço.
Recomece a LUTAR.

Quando tudo for escuro
e nada iluminar,
quando tudo for incerto
e você só duvidar...
É hora do recomeço.
Recomece a ACREDITAR.

Quando a estrada for longa
e seu corpo fraquejar,
quando não houver caminho
nem um lugar pra chegar...
É hora do recomeço.
Recomece a CAMINHAR.

Recomece provavelmente é o poema mais conhecido de Bráulio Bessa. Ao contrário do que se imagina - que os versos surgiram de modo espontâneo a partir de uma experiência autobiográfica - aqui a composição teve uma história completamente diferente.

Os versos foram escritos tendo como inspiração uma menina chamada Laura Beatriz que, em 2010, aos oito anos de idade, perdeu toda a família no deslizamento de terra do morro do Bumba, em Niterói.

Sabendo o poeta que se encontraria com a menina em um programa de televisão, quis compor versos para homenageá-la e honrar a sua história. Assim nasceu Recomece, um poema que fala de esperança, de fé, de energia para voltar a tentar outra vez apesar das situações adversas.

No decorrer do longo poema somos apresentados à ideia de que todo dia é dia de recomeçar, não importa a dimensão do seu problema.

A corrida da vida (trecho)

Na corrida dessa vida
é preciso entender
que você vai rastejar,
que vai cair, vai sofrer
e a vida vai lhe ensinar
que se aprende a caminhar
e só depois a correr.

A vida é uma corrida
que não se corre sozinho.
E vencer não é chegar,
é aproveitar o caminho
sentindo o cheiro das flores
e aprendendo com as dores
causadas por cada espinho.

Aprenda com cada dor,
com cada decepção,
com cada vez que alguém
lhe partir o coração.
O futuro é obscuro
e às vezes é no escuro
que se enxerga a direção.

Com uma linguagem informal e um tom de oralidade, o eu-lírico de A corrida da vida faz criar com o leitor uma relação de proximidade e intimidade.

Aqui o sujeito poético disserta sobre o seu percurso individual e sobre a maneira como encarou os percalços ao longo do caminho.

Apesar de falar de um caminho específico, o poema toca os leitores porque fala das dificuldade encaradas por todos nós em algum momento. A corrida da vida é um poema sobretudo sobre as fases da vida.

Além de sublinhar as dores e impedimentos, o personagem lírico mostra como deu a volta nas situações e conseguiu superar os seus problemas.

Sonhar (trecho)

Sonhar é verbo, é seguir,
é pensar, é inspirar,
é fazer força, insistir,
é lutar, é transpirar.
São mil verbos que vêm antes
do verbo realizar.
Sonhar é ser sempre meio,
é ser meio indeciso,
meio chato, meio bobo,
é ser meio improviso,
meio certo, meio errado,
é ter só meio juízo.
Sonhar é ser meio doido
é ser meio trapaceiro,
trapaceando o real
pra ser meio verdadeiro.
Na vida, bom é ser meio,
não tem graça ser inteiro.
O inteiro é o completo,
não carece acrescentar,
é sem graça, é insosso,
é não ter por que lutar.
Quem é meio é quase inteiro
e o quase nos faz sonhar.

O extenso poema Sonhar fala sobre uma experiência vivida por todos nós em algum momento da vida. O eu-lírico trata tanto de um sonhar dormindo como de um sonhar acordado, aqui o verbo ganha também o sentido de desejar, aspirar.

Esse cordel de Bráulio se debruça sobre a definição do que seria sonhar e também sobre todos os outros verbos que estão associados a ele.

Os versos nos fazem igualmente refletir sobre aquilo que sonhamos: será que os nossos sonhos são aquilo que de melhor podem acontecer conosco?

Fome (trecho)

Eu procurei entender
qual a receita da fome,
quais são seus ingredientes,
a origem do seu nome.
Entender também por que
falta tanto o “de comê”,
se todo mundo é igual,
chega a dar um calafrio
saber que o prato vazio
é o prato principal.
Do que é que a fome é feita
se não tem gosto nem cor
não cheira nem fede a nada
e o nada é seu sabor.
Qual o endereço dela,
se ela tá lá na favela
ou nas brenhas do sertão?
É companheira da morte
mesmo assim não é mais forte
que um pedaço de pão.
Que rainha estranha é essa
que só reina na miséria,
que entra em milhões de lares
sem sorrir, com a cara séria,
que provoca dor e medo
e sem encostar um dedo
causa em nós tantas feridas.

No poema Fome, Bráulio trata de um mal que assola especialmente o nordeste brasileiro há gerações.

O eu-lírico tenta, através dos seus versos, compreender a questão da desigualdade social e o porque da fome - tão dolorosa - atingir alguns e não atingir outros.

Ao longo do poema lemos uma mistura de tentativa de definição do que é fome com um desejo de exterminá-la do mapa, oferecendo finalmente liberdade aqueles que sofrem com ela.

A solução encontrada pelo eu-lírico, ao final do poema, é "juntar todo o dinheiro dessa tal corrupção, mata a fome em todo canto e ainda sobra outro tanto pra saúde e educação".

Prefiro a simplicidade (trecho)

Carne-seca e macaxeira
um cozido de capote
água fria lá no pote
melhor que da geladeira.
No terreiro a poeira
se espalha na imensidão
de paz e de comunhão
que não se vê na cidade.
Prefiro a simplicidade
das coisas lá do Sertão.
Bodegas pra se comprar
é o nosso supermercado
que ainda vende fiado
pois dá pra se confiar.
Um caderno pra anotar
não carece de cartão
pois às vezes falta pão
mas não falta honestidade.
Prefiro a simplicidade
das coisas lá do Sertão.

Em Prefiro a simplicidade o narrador elenca as pequenezas da vida que provocam um enorme prazer: uma comida boa, água fresca, as pequenas alegrias do sertão - sua terra natal.

Os versos nos relembram de que a felicidade pode ser encontrada nas pequenas coisas e que não é preciso de grandes acontecimentos para sermos gratos à vida e ao nosso destino.

O eu-lírico dá exemplos ligeiros do funcionamento do cotidiano no interior do nordeste: as bodegas ao invés dos hipermercados, a venda a fiado, as anotações das compras no simples caderno. Prefiro a simplicidade faz um elogio a esse estilo de vida sertanejo ao mesmo tempo tão carente e tão rico.

Redes sociais (trecho)

Lá nas redes sociais
o mundo é bem diferente,
dá pra ter milhões de amigos
e mesmo assim ser carente.
Tem like, a tal curtida,
tem todo tipo de vida
pra todo tipo de gente.

Tem gente que é tão feliz
que a vontade é de excluir
Tem gente que você segue
mas nunca vai lhe seguir,
Tem gente que nem disfarça,
diz que a vida só tem graça
com mais gente pra assistir.

O cordel acima trata de um fenômeno bastante contemporâneo: o uso das redes sociais e o impacto delas na nossa vida.

Por tratar de temas tão corriqueiros, Bráulio não poderia deixar de lado esse que é um aspecto importante também da nossa identidade: como nos apresentamos em público, como queremos ser vistos, com quem interagimos e que tipo de reação esperamos dessas pessoas.

Na web nos tornamos voyers da vida alheia e permitimos que os outros participem, de certa forma, da nossa vida.

O eu-lírico fala em Redes sociais de uma forma muito simples de sentimentos que nos atravessam inúmeras vezes quando estamos no mundo virtual: a inveja, o ciúme, a carência - por esses motivos facilmente nos identificamos com os versos.

I love you bem lovado! (trecho)

Todo dia ela passava
desfilando em nossa rua
formosa que só a lua
que de noite alumiava.
Porém nunca reparava
que eu ficava agoniado
beirando ser infartado
e morrer pela titela
só por não dizer a ela:
I love you bem lovado!

Um dia meus zói zoiaram
o jeitim dela andando
os cabelim balançando
meus frivior friviaram.
Mil cupidos me flecharam
me deixando apaixonado,
babando, besta e lesado,
segurando na mão dela.
Nesse dia eu disse a ela:
I love you bem lovado!

Um exemplar de poema de amor de Bráulio Bessa é I love you bem lovado! , feito inspirado em Camila, a esposa do autor. Os dois se conheceram ainda crianças e partilharam uma infância juntos, com todas as dificuldades que viver no sertão cearense implicava.

O poema acima fala do encontro entre os dois: do primeiro momento em que só o eu-lírico parece reparar na moça e num segundo instante em que ela retribui o afeto e os dois se apaixonam.

O amor aqui aparece como uma mistura de sentimentos: o desejo carnal, a amizade, o carinho, o companheirismo, a gratidão.

O casal permanece junto e a jovem logo aceita o pedido de casamento - apesar de todas as limitações financeiras daquele momento. Os dias vão passando, partilhados em uma casa alugada, os anos se sucedem e os dois continuam unidos por esse amor puro e sólido.

Quem é Bráulio Bessa

Nascido no interior do Ceará - mais precisamente em Alto Santo - Bráulio Bessa começou a escrever poesia aos 14 anos.

Bráulio Bessa
Retrato de Bráulio Bessa

Para se definir o autor comentou em entrevista:

Meu sonho é transformar a vida das pessoas através da poesia. Para isso, tenho que escrever sobre tudo.

Fama

Em 2011, Bráulio criou uma página no facebook (chamada Nação Nordestina) que chegou a alcançar mais de um milhão de seguidores. Também nunca deixou de escrever poesia popular nordestina, o cordel.

A produção do programa Encontro com Fátima Bernardes procurou o poeta no final de 2014 depois de um vídeo declamando o poema Nordeste independente viralizar.

Sua primeira participação no programa foi de casa, através do facetime. Durante essa rápida janela de oportunidade Bráulio falou breves minutos sobre o preconceito vivido pelos nordestinos.

Depois de dez dias foi convidado para participar pessoalmente no programa onde ganhou maior visibilidade.

Essa primeira visita rendeu novos convites que projetaram Bráulio para o Brasil afora.

Poesia com rapadura

A participação de Bráulio no Encontro com a Fátima Bernardes se tornou regular e em 8 de outubro de 2015, Dia do Nordestino, lançou o quadro Poesia com rapadura, onde declamava de pé, em cima de um pedestal.

O primeiro poema declamado foi Orgulho de ser nordestino e o quadro passou a ser semanal.

Recorde de visualizações

Em 2017 os vídeos de Bráulio foram recordistas de visualizações na plataforma do canal - foram mais de 140 milhões de visualizações no ano.

Livros publicados

Bráulio Bessa tem até o momento quatro livros publicados, são eles:

  • Poesia com rapadura (2017)
  • Poesia que transforma (2018)
  • Recomece (2018)
  • Um carinho na alma (2019)

Conheça também

Atualizado em
Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).