Frase Os fins justificam os meios


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

A frase "Os fins justificam os meios" jamais chegou a ser proferida pelo italiano Nicolau Maquiavel, embora frequentemente a citação seja associada a ele.

A oração pode até ser considerada uma síntese redutora do tratado político O príncipe, escrito pelo pensador, mas a verdade é que o intelectual jamais redigiu tal oração.

Significado da frase

A frase "Os fins justificam os meios" sugere que, com o intuito de se alcançar determinado objetivo, seria aceitável tomar qualquer atitude.

No universo da política, muitas vezes a frase atribuída a Maquiavel é utilizada para caracterizar autoridades que, para cumprirem suas vontades pessoais, tecem acordos e alianças questionáveis.

É frequente a associação desta oração com regimes totalitários e ditaduras que, para se manterem no poder, usam ferramentas antiéticas e muitas vezes desumanas como a tortura, a chantagem, a censura e a corrupção.

Exemplos na história não faltam: Hitler (Alemanha), Stálin (União Soviética), o recente Kim Jong Un (líder da Coreia do Norte). Em termos nacionais basta lembrar alguns ditadores como Geisel, Médici, Figueiredo.

A frase supostamente maquiavélica citada também pode ser associada a tão cotidiana constatação "ele rouba, mas faz". Essa segunda frase sugere que o importante é realizar determinados feitos, ainda que a autoridade em questão tenha sido desonesta para alcançar tal objetivo.

Sobre o autor da frase

Apesar da frase ser atribuída a Maquiavel, é um consenso entre os estudiosos da obra do pensador italiano que tal oração jamais foi escrita pelo autor.

O que Maquiavel faz em seu tratado O príncipe é recomendar que os governantes usem meios justos, mas, caso seja necessário, façam uso de recursos injustos para se manterem no poder.

Quem foi Nicolau Maquiavel?

Filósofo e político italiano, um dos grandes nomes do Renascimento, Niccolò di Bernardo Machiavelli (em português conhecido apenas como Nicolau Maquiavel), nasceu em Florença, no dia 3 de maio de 1469

Foi diplomata e conselheiro político, teve os primeiros estudos em humanidades incentivado pelo pai, um advogado estudioso e intelectual.

Viveu apenas cinquenta e dois anos, mas teve acesso a um panorama da vida política do seu país e atualmente é considerado o pai da política moderna.

Em 1498, aos 29 anos, Maquiavel alcançou seu primeiro cargo público ocupando a segunda chancelaria. Esteve por dentro dos bastidores do poder da cena italiana durante um período histórico violento e instável. Testemunhou cenas de tortura, chantagem e corrupção.

O pensador investigou as entranhas do poder, as lógicas ocultas (e muitas vezes condenáveis) que guiavam os governantes.

Em carta enviada por Maquiavel a Francesco Vettori, Embaixador florentino em Roma, em 1513, o autor confessa:

O destino determinou que eu não saiba discutir sobre a seda, nem sobre a lã; tampouco sobre questões de lucro ou de perda. Minha missão é falar sobre o Estado. Será preciso submeter-me à promessa de emudecer, ou terei que falar sobre ele.

Maquiavel fez parte do alto escalão do governo até a família Médici voltar ao poder, quando então foi preso, torturado e deportado.

Escreveu o tratado O príncipe no campo, onde permaneceu o resto dos seus dias. Morreu anônimo, no dia 21 de junho de 1527.

Estátua de Maquiavel.
Estátua de Maquiavel.

Adjetivo maquiavélico

O nome próprio do intelectual italiano virou adjetivo e hoje é relativamente comum ouvirmos que "Fulano é maquiavélico".

A definição transcende caracterizações políticas e é utilizada para qualificar sujeitos sem escrúpulos, traiçoeiros, espertos, movidos pela astúcia e sem respeito as leis morais.

O adjetivo é sempre utilizado em sentido pejorativo.

O príncipe

A principal obra de Maquiavel foi O príncipe, escrita em 1513 e publicada em 1532. Trata-se de um tratado breve (com pouco mais de cem páginas) - uma espécie de manual - que propõe a separação entre a moral religiosa e a ética política.

O texto é profundamente sincero, chegando por vezes a ser considerado cruel:

Chegamos assim à questão de saber se é melhor ser amado do que temido. A resposta é que seria desejável ser ao mesmo tempo amado e temido, mas que, como tal combinação é difícil, é muito mais seguro ser temido, se for preciso optar.

A publicação causou uma verdadeiro rebuliço na sociedade do século XVI porque expunha os métodos de funcionamento da engenhosa máquina da política deixando claro que muitas vezes a justiça não era tida em conta como um valor norteador.

A Igreja Católica chegou a catalogar O príncipe no Índex dos Livros ­Proibidos durante o concílio de Trento.

Vale retomar um pouco do que se passava na Itália naquele momento histórico. Maquiavel testemunhou um Estado fragmentado e polarizado, com diversos centros de poder espalhados pelo território, tendo assistido inúmeras disputas pontuais.

Fato é que o tratado político O príncipe é das obras mais importantes do curso de ciências políticas, sendo leitura obrigatória para diversas graduações como Direito, Relações Internacionais e Filosofia.

Conheça alguns trechos celebres da obra de Maquiavel na seção a seguir.

Frases famosas de O príncipe

Portanto, as ofensas devem ser feitas todas de uma só vez, a fim de que, pouco degustadas, ofendam menos, ao passo que os benefícios devem ser feitos aos poucos, para que sejam melhor apreciados.

Não se afaste do bem, mas saiba valer-se do mal, se necessário.

Querem muito ser teus soldados enquanto não estás em guerra, mas, quando esta surge, querem fugir ou ir embora.

Deve o príncipe, não obstante, fazer-se temer de forma que, se não conquistar o amor, fuja ao ódio, mesmo porque podem muito bem coexistir o ser temido e o não ser odiado: isso conseguirá sempre que se abstenha de tomar os bens e as mulheres de seus cidadãos e de seus súditos e, em se lhe tornando necessário derramar o sangue de alguém, faça-o quando existir conveniente justificativa e causa manifesta.

Para bem conhecer o caráter do povo, é preciso ser príncipe e, para bem entender o do príncipe, é preciso ser do povo.

Não obstante, o príncipe deve fazer-se temer de modo que, mesmo que não ganhe o amor dos súditos, pelo menos evite seu ódio.

Leia na íntegra

O tratado O príncipe está disponível para download em português, em formato PDF.

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).