Livro Iracema, de José de Alencar


No romance, a protagonista Iracema, uma índia, se apaixona por Martim, um português. Juntos eles têm um filho, Moacir, considerado o primeiro brasileiro, fruto do amor entre uma colonizada e um colonizador.

O livro Iracema pertence ao Indianismo (fase do Romantismo Brasileiro). 

Resumo

Iracema é uma índia, filha do pajé Araquém, nascida e criada em uma tribo nos campos dos Tabajara. A jovem vigiava as florestas até um dia atacar aquele que pensava ser um invasor.

Quem recebeu a flechava foi Martim, um aventureiro português.

Diante dela e todo a contemplá-la, está um guerreiro estranho, se é guerreiro e não algum mau espírito da floresta. Tem nas faces o branco das areias que bordam o mar; nos olhos o azul triste das águas profundas. Ignotas armas e tecidos ignotos cobrem-lhe o corpo. Foi rápido, como o olhar, o gesto de Iracema. A flecha embebida no arco partiu Gotas de sangue borbulham na face do desconhecido.

Culpada por ter disparado a flecha de modo precipitado, Iracema imediatamente socorre Martim e o leva para a tribo para tratar dos ferimentos. 

Como Martim oferece ajuda à Araquém, pai de Iracema, para defender a tribo, ambos criam uma relação estreita e o pajé propõe, em troca da proteção, mulheres e hospedagem. Martim não aceita as mulheres que lhe são oferecidas porque só tem olhos para Iracema.

Teoricamente nada impediria o casal composto por uma índia e por um português de ficar junto, exceto o fato de Iracema deter o segredo de Jurema, o que faz com que ela precise se manter virgem. 

Martim e Iracema se apaixonam e passam a viver um amor proibido, migrando para uma cabana afastada da tribo. O resultado desse amor surge após alguns meses: nasce Moacir, longe da tribo.

O romance entre o casal, no entanto, não dura muito tempo. Martim dá sinais que sente falta da sua terra e Iracema percebe que sente saudades do seu povo. 

Ao final do romance, Iracema morre e Martim leva o pequeno Moacir para viver em Portugal.

Personagens

Iracema

É filha do pajé Araquém, nasceu e se criou nos campos dos Tabajaras. Fisicamente Iracema é descrita como "a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira".

Martim

Valente, Martim é um explorador português que vem para o Brasil ainda pouco conhecido, apenas povoado por algumas tribos indígenas. Ao conhecer a índia Iracema, imediatamente se apaixona por ela.

Moacir

É o filho do casal Iracema e Martim. Iracema dá a luz a Moacir sozinha, enquanto Poti e Martim saem para uma batalha. Depois da morte da mãe, Iracema, Moacir é levado pelo pai para viver em Portugal.

Poti

O guerreiro Poti é amigo fiel de Martim. A amizade entre os dois é tão forte que Poti abandona a tribo e se muda para a cabana distante a fim de viver com o casal e ajudar o amigo.

Curiosidades em torno do livro

Há quem diga que o nome Iracema é um anagrama de América.

Iracema foi publicado em 1865 e inicialmente possuía o subtítulo "Lenda do Ceara".

Sobre José de Alencar

Nascido no Ceará, o escritor bebeu muito na cultura local para escrever Iracema. José Martiniano de Alencar nasceu em Mecejana, atualmente zona incorporada ao município de Fortaleza, em 1º de maio de 1829. Estudou no Rio de Janeiro, onde cursou o ensino elementar e secundário, e em São Paulo, onde se formou em Direito.

Exerceu a função de advogado embora tenha transcendido os muros do direito: foi jornalista, orador, crítico teatral, escritor e político. Chegou a ser deputado e ministro da Justiça.

Ocupou a cadeira número 23 da Academia Brasileira de Letras por escolha de Machado de Assis.

Morreu jovem, com apenas quarenta e oito anos, de tuberculose, no dia 12 de dezembro de 1877.

José de Alencar
Retrato de José de Alencar.

Corrente literária

O Indianismo foi uma das fases do Romantismo. Durante esse período procurou-se voltar ao passado, à gênese do povo brasileiro, evocando o nacionalismo e exaltando as belezas naturais do nosso país.

O movimento romântico preconizava uma fuga da realidade, considerada sem graça e entediante. Nesse sentido foi muito interessante a solução que o movimento encontrou: voltar os olhares para o índio como uma figura idealizada. Nesse contexto o índio se transformou em uma espécie de herói nacional.  

Iracema pertence a chamada trilogia indianista de José de Alencar. Os outros dois romances que acompanham Iracema são O Guarani (1857) e Ubirajara (1874). 

Quer conhecer Iracema?

O romance Iracema está disponível para download gratuito através do domínio público. 

Para ouvir o livro acesse o audiobook:

Descubra também