Édipo rei, de Sófocles


A tragédia grega Édipo rei foi escrita por Sófocles e dos é mitos mais revisitados da Antiguidade Clássica. O intelectual Aristóteles considerava a peça Édipo Rei como a maior tragédia do teatro grego.

Resumo

O protagonista Édipo é condenado à morte quando ainda era um bebê. Seu pai, o rei Laio, havia ouvido de um oráculo de Delfos que o filho algum dia o mataria e desposaria a própria mãe, a rainha Jocasta. Perturbado com a revelação, o rei julgou que a melhor solução seria matar o menino antes que a profecia se realizasse. 

Diante da decisão, um pastor é convocado pelo rei para levar Édipo, que teria os pés amarrados e seria deixado pendurado em uma árvore no monte Citerão até ser atacado pelas feras. Com pena, o pastor desobedece as ordens e leva o bebê para casa. Por ser muito pobre, a família do camponês não consegue reunir condições de criar Édipo e acaba o doando.

O bebê vai finalmente parar nas mãos de Políbio, o rei de Corinto, que passa a tratá-lo como próprio filho. O rapaz cresce e recebe a revelação perturbadora que havia sido adotado.

Transtornado com a notícia, Édipo sai desvairado. Encontra em uma encruzilhada com o pai biológico (que desconhecia) e com mais alguns acompanhantes. Furioso, tem um surto de raiva e acaba matando aquelas pessoas. É desse modo que a primeira parte da profecia se realiza: o filho mata o próprio pai. 

Quando chega a Tebas, sua cidade natal, Édipo depara-se com uma esfinge que propunha um desafio até então nunca solucionado: "Que criatura pela manhã tem quatro pés, ao meio-dia tem dois, e à tarde tem três?"

Édipo é o único a desvendar o enigma, a resposta para a questão da esfinge era o ser humano (que engatinha com quatro pés quando é bebê, anda sobre dois quando é adulto e alcança três pernas quando envelhece - as duas que já carrega e mais a bengala).

Por ter resolvido a questão colocada pela esfinge, Édipo é considerado um herói e é declarado o novo rei de Tebas, casando-se com a própria mãe e concretizando a segunda parte da profecia. Juntos, Édipo e Jocasta chegam a ter quatro filhos (duas filhas e dois filhos).

Quando consulta um oráculo, Édipo percebe que seu destino se concretizou.

Oh! Ai de mim! Tudo está claro! Ó luz, que eu te veja pela derradeira vez! Todos sabem: tudo me era interdito: ser filho de quem sou, casar-me com quem me caseie e eu matei aquele a quem eu não poderia matar!

Desesperado, arranca as órbitas dos próprio olhos e afirma que não quer ser testemunha da própria desgraça e dos próprios crimes.  

A esposa/mãe, por sua vez, a rainha Jocasta, se suicida.

EMISSÁRIO

Uma coisa fácil de dizer, como de ouvir: Jocasta, a nossa rainha, já não vive!

CORIFEU

Oh! Que infeliz! Qual foi a causa de sua morte?

EMISSÁRIO

Ela resolveu matar-se...

Significado do nome Édipo

Édipo significa "o de pés inchados". O nome era compatível com a história, porque o menino havia tido os pés perfurados para ser pendurado em uma árvore. A ideia original era que as feras o devorassem. 

Personagens

Édipo

O protagonista da história. É condenado a morte após o pai, o rei Laio, ouvir do oráculo de Delfos que o filho mataria o pai e desposaria a mãe.

Rei Laio

Rei de Tebas, Laio é casado com Jocasta, com quem tem o filho Édipo.

Rainha Jocasta

Mãe biológica de Édipo, perde o contato com o filho (que acredita estar morto). Fica viúva de Laio, que é assassinado pelo próprio filho. Acaba se casando com Édipo e tem com ele quatro filhos.

Camponês

Recebe as ordens do rei Laio para abandonar o menino na floresta a própria sorte. Fica com pena do bebê e o leva para casa.

Políbio

Rei de Corinto, adota o bebê Édipo e o cria como se fosse seu filho.

Esfinge

Metade mulher, metade leão, a esfinge propõe um desafio que ninguém consegue desvendar. Quando Édipo acerta a equação, torna-se herói e recebe como prêmio a rainha Jocasta.

História da criação da peça

A primeira vez que a peça Édipo rei foi apresentada foi em Atenas, capital da Grécia. Sabe-se que o material havia sido preparado para um concurso, no entanto a obra-prima de Sófocles ficou apenas em segundo lugar, tendo sido derrotada por um drama do, hoje pouco conhecido, autor Filocles. 

Sófocles

Nascido em Atenas, capital da Grécia, Sófocles (495 a.C. – 406 a.C.) foi um importante intelectual e autor de peças de teatro. O escritor também atuou como ator. Sófocles escreveu mais de 120 peças, embora estima-se que apenas sete tenham sobrevivido na íntegra.

Provavelmente Édipo rei é o seu trabalho mais conhecido, embora também seja de sua autoria peças importantes como Antígona, Ajax e Electra. Sófocles participou em vida de 30 concursos de peças de teatro, dos quais venceu 24. O autor teve, portanto, uma carreira como dramaturgo muito celebrada.

Sofocles
Busto de Sófocles

Complexo de Édipo, Freud

Freud se apropriou da tragédia grega para ilustrar a sua recém criada teoria psicanalítica. 

Em 1897, em uma carta que escreveu para Fliess, Freud já deixava clara a sua intenção de utilizar a peça grega em seus estudos médicos. No entanto, como estudo mais encorpado, o psicanalista só escreveu um único trabalho, mais de vinte anos depois. Trata-se de "A Dissolução do Complexo de Édipo", publicada em 1924.

O trabalho encontra-se reunido na coletânea O ego e o ID e outros trabalhos (1923-1925).

De forma muito sintética, de acordo com o pai da psicanálise, Complexo de Édipo é a nomenclatura que

“Designa o fenômeno psicológico resultante do comportamento emocional do triângulo filho-mãe-pai. A inter-relação desses três constantes deu origem a uma série de fenômenos variáveis que foram agrupados sob o nome genérico “complexo de édipo”

O avesso (a relação entre mães e filhos) é denominado Complexo de Electra.

Leia na íntegra

Leia a tragédia grega Édipo rei na íntegra em formato PDF e em português.

Edipo Re, o filme de Pasolini

O filme escrito e dirigido por Pier Paolo Pasolini foi lançado na Itália no dia 7 de setembro de 1967. O elenco conta com Silvana Mangano no papel de Jocasta, Franco Citti no papel de Édipo, Luciano Bartoli no papel de Laio e Ahmed Belhachmi no papel de Pólibo.

O longa-metragem Edipo Re pertence ao conhecido Ciclo Mítico do diretor Pasolini, que inclui também os filmes Teorema, Porcile e Medéia e a Feiticeira do Amor.

Conheça também