5 contos curtos para ler agora mesmo


Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes
Atualizado em

Grandes histórias também podem ser contadas em poucas linhas! Se você gosta de ler, mas não tem muito tempo disponível, encontrou o conteúdo certo. Selecionamos, abaixo, alguns contos incríveis que podem ser lidos em poucos minutos:

1. O Discípulo, de Oscar Wilde

Quando Narciso morreu o lago de seu prazer mudou de uma taça de águas doces para uma taça de lágrimas salgadas, e as oréades vieram chorando pela mata com a esperança de cantar e dar conforto ao lago.
E quando elas viram que o lago havia mudado de uma taça de águas doces para uma taça de lágrimas salgadas, elas soltaram as verdes tranças de seus cabelos e clamaram: "Nós entendemos você chorar assim por Narciso, tão belo ele era."
"E Narciso era belo?", disse o lago.
"Quem pode sabê-lo melhor que você?", responderam as oréades. "Por nós ele mal passava, mas você ele procurava, e deitava em suas margens e olhava para você, e no espelho de suas águas ele refletia sua própria beleza."
E o lago respondeu, "Mas eu amava Narciso porque, quando ele deitava em minhas margens e olhava para mim, no espelho de seus olhos eu via minha própria beleza refletida”.

Oscar Wilde (1854 — 1900) foi um importante escritor irlandês. Conhecido, principalmente, pelas suas peças de teatro e pelo romance O Retrato de Dorian Gray, o autor também escreveu diversos contos.

O texto refere o mito clássico de Narciso, o homem que se apaixonou pela própria imagem, refletida num lago, e acabou se afogando. Aqui, a história é contada a partir da perspectiva do lago. Percebemos que ele também amava Narciso porque conseguia se enxergar nos olhos dele.

Assim, o conto breve traz uma reflexão interessante acerca do próprio amor: a possibilidade de procurarmos a nós mesmos, quando nos envolvemos com os outros.

2. De Noite, de Franz Kafka

Submergir-se em a noite! Assim como às vezes se enterra a cabeça no peito para refletir, fundir-se assim por completo em a noite. Em redor dormem os homens. Um pequeno espetáculo, um auto-engado inocente, é o dormir em casas, em camas sólidas, sob teto seguro, estendidos ou encolhidos, sobre colchões, entre lençóis, sob cobertas; na realidade, encontram-se reunidos como outrora uma vez e como depois em uma comarca deserta: um acampamento à intempérie, uma incontável quantidade de pessoas, um exército, um povo sob um céu frio, sobre uma terra fria, atirados ao solo ali onde antes se esteve de pé, com a fronte apertada contra o braço, e a cara contra o solo, respirando tranquilamente. E tu velas, és um dos vigias, encontras ao próximo agitando o madeiro aceso que tomaste do montão de estilhas, junto a ti. Por que velas? Alguém tem que velar, se disse. Alguém precisa estar aí.

Franz Kafka (1883 — 1924), nascido no antigo Império Austro-Húngaro, foi um dos maiores escritores da língua alemã e ficou eternizado pelos seus romances e contos.

Nesta pequena narrativa, uma das muitas que foram encontradas nos seus cadernos, a prosa se aproxima de um tom poético. Refletindo sobre a noite e seu estado de vigília, podemos perceber as emoções de um sujeito solitário, que permanece acordado enquanto todos dormem.

Algumas interpretações sugerem que o conto tem elementos autobiográficos, já que Kafka sofria de insônias, dedicando as madrugadas ao processo de criação literária.

3. A Beleza Total, de Drummond

A beleza de Gertrudes fascinava todo mundo e a própria Gertrudes. Os espelhos pasmavam diante de seu rosto, recusando-se a refletir as pessoas da casa e muito menos as visitas. Não ousavam abranger o corpo inteiro de Gertrudes. Era impossível, de tão belo, e o espelho do banheiro, que se atreveu a isto, partiu-se em mil estilhaços.
A moça já não podia sair à rua, pois os veículos paravam à revelia dos condutores, e estes, por sua vez, perdiam toda capacidade de ação. Houve um engarrafamento monstro, que durou uma semana, embora Gertrudes houvesse voltado logo para casa.
O Senado aprovou lei de emergência, proibindo Gertrudes de chegar à janela. A moça vivia confinada num salão em que só penetrava sua mãe, pois o mordomo se suicidara com uma foto de Gertrudes sobre o peito.
Gertrudes não podia fazer nada. Nascera assim, este era o seu destino fatal: a extrema beleza. E era feliz, sabendo-se incomparável. Por falta de ar puro, acabou sem condições de vida, e um dia cerrou os olhos para sempre. Sua beleza saiu do corpo e ficou pairando, imortal. O corpo já então enfezado de Gertrudes foi recolhido ao jazigo, e a beleza de Gertrudes continuou cintilando no salão fechado a sete chaves.

Carlos Drummond de Andrade (1902 — 1987) foi um notório escritor brasileiro da segunda geração modernista. Celebrado, sobretudo, pela sua poesia, ele também escreveu grandes obras de contos e crônicas.

No enredo inesperado, acompanhamos o destino trágico de Gertrudes, uma mulher que acabou morrendo porque era "bonita demais". Com maestria, o autor se serve da história para tecer reflexões socioculturais, ironizando e criticando o mundo em que vivemos.

Numa realidade muitas vezes fútil e marcada pela dominação das mulheres, a sua beleza pode funcionar como uma bênção e uma maldição, fazendo com que sejam controladas, vigiadas e até punidas por isso.

4. Segunda ou terça-feira, de Virginia Woolf

Preguiçosa e indiferente, vibrando facilmente o espaço com suas asas, conhecendo seu rumo, a garça sobrevoa a igreja por baixo do céu. Branca e distante, absorta em si mesma, percorre e volta a percorrer o céu, avança e continua. Um lago? Apaguem suas margens! Uma montanha? Ah, perfeito – o sol doura-lhe as margens. Lá ele se põe. Samambaias, ou penas brancas para sempre e sempre.
Desejando a verdade, esperando-a, laboriosamente vertendo algumas palavras, para sempre desejando – (um grito ecoa para a esquerda, outro para a direita. Carros arrancam divergentes. Ônibus conglomeram-se em conflito) para sempre desejando – (com doze batidas eminentes, o relógio assegura ser meio-dia; a luz irradia tons dourados; crianças fervilham) – para sempre desejando a verdade. O domo é vermelho; moedas pendem das árvores; a fumaça arrasta-se das chaminés; ladram, berram, gritam “Vende-se ferro!” – e a verdade?
Radiando para um ponto, pés de homens e pés de mulheres, negros e incrustados a ouro – (Este tempo nublado – Açúcar? Não, obrigado – a comunidade do futuro) – a chama dardejando e enrubescendo o aposento, exceto as figuras negras com seus olhos brilhantes, enquanto fora um caminhão descarrega, Miss Fulana toma chá à escrivaninha e vidraças conservam casacos de pele.
Trêmula, leve-folha, vagueando nos cantos, soprada além das rodas, salpicada de prata, em casa ou fora de casa, colhida, dissipada, desperdiçada em tons distintos, varrida para cima, para baixo, arrancada, arruinada, amontoada – e a verdade?
Agora recolhida pela lareira, no quadrado branco de mármore. Das profundezas do marfim ascendem palavras que vertem seu negrume. Caído o livro; na chama, no fumo, em momentâneas centelhas – ou agora viajando, o quadrado de mármore pendente, minaretes abaixo e mares indianos, enquanto o espaço investe azul e estrelas cintilam – verdade? Ou agora, consciente da realidade?
Preguiçosa e indiferente, a garça retoma; o céu vela as estrelas; e então as revela.

Virginia Woolf (1882 — 1941), escritora vanguardista inglesa e uma das mais ilustres precursoras do modernismo, se destacou internacionalmente com seus romances, novelas e contos.

Aqui encontramos um narrador que observa o cotidiano, num dia comum que pode ser segunda ou terça-feira. Seu olhar acompanha as movimentações da cidade, o cenário urbano atravessado pela presença de uma multidão e por elementos naturais, como uma garça voando.

Enquanto vemos o que acontece do lado de fora, também vislumbramos os pensamentos e as emoções desta pessoa que apenas testemunha tudo. Parece, então, haver alguma correspondência entre o mundo exterior e sua vida interior, privada e secreta, que desconhecemos.

5. Perplexidade, de Maria Judite de Carvalho

A criança estava perplexa. Tinha os olhos maiores e mais brilhantes do que nos outros dias, e um risquinho novo, vertical, entre as sobrancelhas breves. «Não percebo», disse.
Em frente da televisão, os pais. Olhar para o pequeno écran era a maneira de olharem um para o outro. Mas nessa noite, nem isso. Ela fazia tricô, ele tinha o jornal aberto. Mas tricô e jornal eram alibís. Nessa noite recusavam mesmo o écran onde os seus olhares se confundiam. A menina, porém, ainda não tinha idade para fingimentos tão adultos e subtis, e, sentada no chão, olhava de frente, com toda a sua alma. E então o olhar grande a rugazinha e aquilo de não perceber. «Não percebo», repetiu.
«O que é que não percebes?» disse a mãe por dizer, no fim da carreira, aproveitando a deixa para rasgar o silêncio ruidoso em que alguém espancava alguém com requintes de malvadez.
«Isto, por exemplo.»
«Isto o quê»
«Sei lá. A vida», disse a criança com seriedade.
O pai dobrou o jornal, quis saber qual era o problema que preocupava tanto a filha de oito anos, tão subitamente. Como de costume preparava-se para lhe explicar todos os problemas, os de aritmética e os outros.
«Tudo o que nos dizem para não fazermos é mentira.»
«Não percebo.»
«Ora, tanta coisa. Tudo. Tenho pensado muito e… Dizem-nos para não matar, para não bater. Até não beber álcool, porque faz mal. E depois a televisão… Nos filmes, nos anúncios… Como é a vida, afinal?»
A mão largou o tricô e engoliu em seco. O pai respirou fundo como quem se prepara para uma corrida difícil.
«Ora vejamos,» disse ele olhando para o teto em busca de inspiração. «A vida...»
Mas não era tão fácil como isso falar do desrespeito, do desamor, do absurdo que ele aceitara como normal e que a filha, aos oito anos, recusava.
«A vida...», repetiu.
As agulhas do tricô tinham recomeçado a esvoaçar como pássaros de asas cortadas.

Maria Judite de Carvalho (1921 – 1998) foi uma autora marcante da literatura portuguesa que escreveu maioritariamente obras de contos. O texto que apresentamos acima é passado num cenário doméstico, com uma família reunida na sala.

A criança, assistindo televisão, vai ficando cada vez confusa, já que a realidade é muito diferente daquilo que ela aprendeu. A curiosidade e a inocência da menina contrastam com a aceitação silenciosa de seus pais, que evitam as questões.

Como são adultos e experientes, eles já sabem que a vida e o mundo são incompreensíveis, repletos de hipocrisias e contradições nas quais tentamos não pensar.

Aproveite para ver também:

Carolina Marcello
Carolina Marcello
Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes e licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.