Barroco: tudo sobre o movimento artístico


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

O Barroco aconteceu durante o período histórico que compreende o final do século XVI até a metade do século XVII.

O movimento que surgiu inicialmente na Itália foi de fundamental importância no universo da cultura ocidental. As manifestações do Barroco podem ser encontradas nas artes plásticas, na literatura, na música e na arquitetura.

As Meninas, do pintor espanhol Velázquez, é um exemplar típico da pintura barroca.
O célebre quadro As Meninas, do pintor espanhol Velázquez, é um exemplar típico da pintura barroca.

Como o Barroco começou

O termo Barroco vem do francês barroc que quer dizer, literalmente, "pérola irregular", "monte irregular".

Apesar do termo ter origem na França, o movimento Barroco teve início na Itália e se difundiu por todo o continente europeu vindo mais tarde a alcançar ainda os novos continentes. As primeiras manifestações italianas de arte barroca foram observadas no final do século XVI.

No Barroco encontramos um movimento de regresso à Idade Média, isto é, vemos um retorno ao Teocentrismo (Deus no centro do universo). Tratou-se de um período histórico marcado pela ascensão dos valores religiosos que se estabeleceram como norteadores da sociedade.

As obras artísticas fruto desse momento ficaram caracterizadas especialmente pela extravagância, por um excesso de formas e pela busca por uma grandiosidade.

A Contrarreforma

Durante a Reforma Protestante, figuras ligadas à religião discutiram e questionaram dogmas que serviam de base para a Igreja Católica. Começava a surgir uma certa indignação, por exemplo, no que dizia respeito a venda de indulgências.

Foi um período marcado pela ascensão de Martinho Lutero, figura que criticava veementemente a veneração das imagens dos santos, o difícil acesso dos fiéis aos textos religiosos e o regime celibatário impingido aos padres.

Como resposta à Reforma Protestante, a Igreja Católica propôs uma Contrarreforma.

No Concílio de Trento (ocorrido entre 1545 e 1563) foram tomadas uma série de decisões importantes. Os religiosos estabeleceram, por exemplo, a instauração da Inquisição (com direito a queima de livros), a implantação da pena de morte e a perseguição a pensadores.

O Concílio de Trento durou dezoito anos.
O Concílio de Trento durou dezoito anos.

O Barroco no Brasil

O Barroco no Brasil aconteceu em meio a uma economia aquecida devido ao ciclo da cana-de-açúcar. O período histórico também coincidiu com as invasões holandesas em território nacional.

Entre os principais criadores do nosso país nesse período estão Gregório de Matos (conhecido como Boca do Inferno), na literatura, e Aleijadinho, nas artes plásticas

Gregório de Matos (na literatura) e Aleijadinho (nas artes plásticas) foram os grandes nomes do Barroco brasileiro.
A esquerda Gregório de Matos (escritor) e a direita Aleijadinho (artista plástico), os grandes nomes do Barroco brasileiro.

Características do Barroco

De modo bastante genérico é possível afirmar que a estética barroca estava ligada a um exagero e a uma proliferação de detalhes.

O homem barroco era um berço de contradições: vivia a dicotomia entre seguir o prazer terreno ou se portar bem e ganhar um lugar no paraíso. Ele encontrava-se basicamente preso a dilemas e contradições e questionava-se permanentemente sobre os limites da razão e da fé.

Vivendo uma dualidade existencial, estava dividido por questões relacionadas com o corpo e a alma, e sentia-se permanentemente em tensão.

Esse tipo de arte enfocava com frequência o tema da morte (e o temor advindo desse encontro final) sobretudo devido ao peso religioso e moral que se sentia naquele momento.

É frequente também encontrarmos na produção barroca reflexões sobre a passagem do tempo.

O Barroco nas Artes Plásticas

Na Itália, berço do Barroco, um dos maiores nomes do movimento foi o pintor Caravaggio (1571-1610).

Repare como há nas suas telas uma teatralidade e uma dedicação quase obsessiva por retratar os detalhes (os gestos, as dobras dos tecidos, as expressões faciais dos personagens). Outro dado importante do Barroco que pode ser observado aqui é a presença do jogo de luz e sombra e um certo dinamismo/movimento na pintura:

Quadro A incredulidade de São Tomé, obra do artista barroco Caravaggio.
Quadro A incredulidade de São Tomé, obra do artista barroco Caravaggio.

Na Espanha, Diego Velázquez (1599-1660) foi o nome consagrado pelo Barroco dando vida a telas riquíssimas.

Vemos em As fiandeiras, por exemplo, um excesso de informação típica daquele estilo de arte (observe a quantidade de personagens na tela e a enormidade de ações que se passam em cena):

Quadro As fiandeiras, do pintor barroco espanhol Velazquez.
Quadro As fiandeiras, do pintor barroco espanhol Velázquez.

Na Holanda, por sua vez, o Barroco ficou marcado pelos trabalhos do pintor Rembrandt (1606-1669).

Na tela abaixo vemos um excesso de expressividade provocada pelos nove personagens que partilham a cena. Existe aqui claramente um predomínio da emoção, observe como persiste na imagem um transbordamento de dramaticidade típico do Barroco:

Quadro A Lição de Anatomia do Doutor Tulp, de autoria do pintor holandês Rembrandt
Quadro A Lição de Anatomia do Doutor Tulp, de autoria do pintor holandês Rembrandt.

No Brasil, a arte barroca está bastante presente nas cidades de Ouro Preto, São João Del Rei e Mariana, situadas no interior de Minas Gerais.

O maior nome das artes plásticas do nosso Barroco foi o artista Aleijadinho (1738-1814).

O escultor mineiro deu vida a uma série de estátuas com profunda expressividade e que reproduziam movimentos e olhares extremamente reais. Há que se sublinhar também a preocupação em compor com rigor e a presença de uma série de detalhes:

Trabalho de Aleijadinho, o maior nome do barroco brasileiro.
Obra de Aleijadinho, o maior nome do Barroco brasileiro.

O Barroco na Literatura

Na literatura, encontramos no Barroco uma tendência cultista, isto é, uma produção literária que se preocupa com a forma, com o como se está dizendo. A forma do discurso aqui ganha uma importância sem precedentes e há um uso recorrente de muitas figuras de linguagem (antíteses, paradoxos, hiperbatos, etc).

Por outro lado, a literatura barroca também apresenta uma tendência conceptista, ou seja, um impulso para valorizar a argumentação, a retórica, o conteúdo propriamente do texto.

Outra característica marcante dessa geração literária é a presença do carpe diem, o desejo de aproveitar a vida a cada momento, até a última gota.

Em Portugal o maior nome do Barroco foi o de Padre Antônio Vieira (1608-1697), que compunha uma prosa extremamente elaborada para cativar os fiéis que o ouviam.

Vemos, por exemplo, no famoso Sermão de Santo António aos Peixes, a tão característica e sedutora retórica usada pelo padre. Esse pequeno parágrafo exemplifica duas características chaves do Barroco: a atenção com a linguagem, elaborada, em consonância com uma preocupação com o conteúdo a ser transmitido:

Vós, diz Cristo Senhor nosso, falando com os pregadores, sois o sal da terra: e chama-lhes sal da terra, porque quer que façam na terra o que faz o sal. O efeito do sal é impedir a corrupção, mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção? Ou é porque o sal não salga, ou porque a terra se não deixa salgar.

Leia o Sermão de Santo António aos Peixes na íntegra em formato pdf.

Enquanto isso, no Brasil, o maior nome da literatura barroca foi o de Gregório de Matos (1633-1696). Nascido em Salvador, o escritor vai estudar em Coimbra onde entra em contato com as vanguardas literárias.

De volta ao nosso país, o poeta conhecido como Boca do Inferno usou a literatura como arma para tecer severas críticas sociais causando muito desconforto a burguesia baiana da sua geração.

Um exemplo da sua polêmica poética é a composição Conselho para quem quiser viver na Bahia estimado e procurado por todos (trecho inicial abaixo). Ao longo dos versos, Gregório não poupa palavras para atacar o funcionamento da sociedade baiana:

Quem quiser viver, seja um Gatão,
Infeste toda a terra, invada os mares,
Seja um Chegai, ou um Gaspar Soares,
E por si terá toda a relação.
Sobejar-lhe-á na mesa vinho e pão,
E siga os que lhe dou, por exemplares,
Que a vida passará sem ter pesares

O Barroco na Arquitetura

A arquitetura barroca é encontrada especialmente em construções religiosas (igrejas, conventos, mosteiros).

Esplendorosa, extravagante e cheia de detalhes, esse tipo de construção pretendia transparecer a suntuosidade da Igreja Católica tão poderosa na época.

A Basílica de São Pedro, situada na Itália, é um exemplo de arquitetura barroca. Enorme e repleta de pormenores, a construção se destaca da paisagem fazendo com que o observador se sinta pequeno diante de tanta magnitude. Com uma exuberância decorativa, a Basílica possui uma série de estátuas e ornamentos.

Basílica de São Pedro
Basílica de São Pedro (Itália).

Na Espanha encontramos na Igreja de Santiago da Compostela outro exemplar da arquitetura barroca.

Aqui torna-se ainda mais presente a importância que aquela geração dedicava a profusão de detalhes. Observe que não há na fachada da igreja praticamente nenhum espaço vazio, sendo cada trecho interpretado como uma oportunidade para se compor um ornamento:

Igreja de Santiago da Compostela
Igreja de Santiago da Compostela (Espanha).

No Brasil, um dos exemplos de arquitetura barroca é a Igreja Nossa Senhora do Rosário, em Minas Gerais.

Nesse tipo de construção é característica uma preocupação com a ostentação e com a riqueza típica do Barroco.

Em termos arquitetônicos é bastante frequente encontrarmos fachadas curvas e portais em formato de arco (caso da Igreja Nossa Senhora do Rosário).

Igreja Nossa Senhora do Rosário
Igreja Nossa Senhora do Rosário (Brasil).

Conheça também

Atualizado em
Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).