12 frases de O pequeno príncipe interpretadas


Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora e artista visual

O pequeno príncipe, escrito por Antoine de Saint-Exupéry em 1943, é uma das obras literárias mais traduzidas e vendidas no mundo.

O livro, de poucas páginas, é cheio de ilustrações e frases que carregam mensagens profundas a respeito da vida, do amor, amizades e relacionamento humano.

Foi concebido pensando no público infanto-juvenil, entretanto, devido ao seu caráter poético e filosófico, atrai leitores de todas as idades.

1. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas

Essa é umas citações mais lembradas de O pequeno príncipe e nos recorda sobre a necessidade do que chamamos de “responsabilidade afetiva”.

Ao nos relacionarmos com outras pessoas, devemos sempre considerar os sentimentos que despertamos nelas. Assim, é importante que possamos nos colocar no lugar do outro, usando a sinceridade e a honestidade em nossas ações.

2. Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a fez tão importante.

Nessa frase, o autor traz questões relacionadas à amizade e ao quanto nos dedicamos a elas.

o pequeno príncipe sentado com sua rosa
Aquarela original de Antoine de Saint-Exupéry presente no livro

A rosa, no livro, tinha uma relação de afeto intensa com o pequeno príncipe. Ela é trazida na narrativa como um símbolo de algo valioso para ele. A mensagem surge então como uma metáfora sobre a necessidade de se “regar” as amizades com constância e empenho.

3. Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde às três eu começarei a ser feliz.

A citação faz referência a um sentimento muito comum de expectativa quando estamos prestes a encontrar com alguém que amamos, principalmente se estamos há muito tempo sem ver a pessoa.

Nessas situações pode existir um tipo de ansiedade que é prejudicial. Entretanto, nesse caso, o autor se refere a uma emoção de felicidade e esperança.

4. É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou.

Quando alguém passa por uma frustração muito grande, um desgosto ou decepção, há uma tendência a não acreditar mais nas pessoas, jugando que toda a humanidade, ou parte dela, não é digna de nossa confiança.

A frase nos alerta sobre o erro que podemos cometer se agirmos assim e nos fecharmos para novas relações.

5. Todas as pessoas grandes foram um dia crianças, mas poucas se lembram disso.

A citação é uma tentativa de fazer com que as pessoas resgatem a criança que existe em cada um, ou seja, recuperar a alegria, curiosidade e pureza infantil.

Isso porque, normalmente, à medida que nos tornamos adultos, a curiosidade e a beleza presentes na infância vão se perdendo ao longo da trajetória.

O pequeno príncipe nos convida, dessa forma, a buscar essas características que estão adormecidas nas “pessoas grandes”.

6. É preciso que eu suporte duas ou três larvas se eu quiser conhecer as borboletas

Nessa passagem do livro, a analogia feita tem relação com a capacidade de se relacionar inteiramente com outra pessoa, dando conta de suportar seus defeitos e imperfeições, a fim de que se conheça seu lado mais belo e cativante.

Muitas vezes essa não é uma tarefa fácil, mas pode valer muito a pena.

ilustração de O pequeno príncipe com grande árvore
Ilustração original do autor presente no livro

7. O essencial é invisível aos olhos, e só se pode ver com o coração.

Muitas vezes procuramos por “coisas” e situações grandiosas que julgamos essenciais em nossas vidas, sem nos darmos conta de que provavelmente as coisas mais importantes estão muito perto de nós.

A frase poética aponta nessa direção, nos lembrando que é preciso estar atento ter gratidão para perceber essas riquezas.

Leia também um conteúdo que preparamos especialmente sobre essa citação: Frase O essencial é invisível aos olhos

8. A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixa cativar.

Já esse trecho de O Pequeno príncipe se refere à vulnerabilidade que estamos sujeitos quando nos envolvemos com outras pessoas.

Isso porque é inevitável que para uma conexão sincera ocorrer, as pessoas precisam se entregar verdadeiramente e mostrar suas fragilidades, o que pode gerar sofrimento em dado momento, mas é preciso arriscar.

9. As pessoas são solitárias porque constroem muros ao invés de pontes.

Essa é uma mensagem que aponta para as falhas na comunicação humana, tanto no que se refere à fala quanto à capacidade de se colocar de maneira receptiva.

O autor sugere que a solidão é um sentimento gerado quando as pessoas colocam barreiras (muros) entre elas. E que se ao invés disso, fossem criadas possibilidades de diálogos sinceros (pontes), muitas pessoas seriam menos solitárias.

ilustração pequeno príncipe
Desenho do autor presente na obra

10. O Amor é a única coisa que cresce à medida que se reparte

A linda frase se refere ao amor e à sua capacidade de se multiplicar quando as pessoas conseguem vivenciá-lo.

Repartir é colocado aqui com o sentido de demonstrar. Assim, quem oferece amor, provavelmente recebe em troca também sentimentos de amor.

11. Para enxergar claro, bastar mudar a direção do olhar.

Se estamos analisando uma situação e sentimos que não chegamos a uma conclusão satisfatória ou que já não estamos vendo com coerência, podemos experimentar olhar por outros ângulos o problema. Dessa forma, mudando o foco ou a direção do olhar, talvez se possa alcançar maior clareza.

12. Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.

A citação em questão traz uma mensagem bonita sobre o legado que cada pessoa deixa em nossas vidas e vice-versa.

Quando alguém importante se vai, independente do motivo e do tipo de relação que construímos, pode haver muita tristeza e um processo de luto, o que é natural e saudável.

Podemos por vezes sentir o “abandono” e uma sensação de solidão, mas ao nos darmos conta dos aprendizados e trocas com aquela pessoa, esse sentimento torna-se mais ameno, pois seguimos a jornada sabendo que houve uma reciprocidade verdadeira.

Para saber sobre essa obra literária, leia:

Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007 e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design, localizada em São Paulo, em 2010.