Deusa Perséfone: mito e simbologia (Mitologia Grega)


Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora e artista visual

Na mitologia grega, Perséfone é a deusa do submundo, a rainha das profundezas.

Raptada por Hades, o deus do mundo inferior, Perséfone tornou-se sua esposa e passou a governar com ele.

Representa um aspecto místico, sensitivo e intuitivo e está relacionada ao nascimento das estações do ano, principalmente à primavera e ao inverno.

Também é cultuada em Roma, onde seu nome foi transformado em Prosérpina.

O mito de Perséfone

Filha de Zeus, o deus dos deuses, e Deméter, a deusa da colheita e da fertilidade, essa entidade era chamada originalmente de Cora.

Ela e sua mãe tinham uma relação muito próxima, na qual Deméter estava sempre por perto a protegê-la.

Mas um certo dia, a bela e virgem Cora estava colhendo flores de narciso, como era seu costume, quando algo surpreendente aconteceu.

Hades, o deus do mundo inferior, surgiu, dizendo-se apaixonado. Ele então abriu uma grande fenda no solo e a sequestrou, levando-a para seu reino. A partir desse acontecimento, Cora passa a se chamar Perséfone.

Deméter sentiu falta da garota, ficando desesperada e deprimida. Assim, a deusa desceu do Olimpo e vagou pelo mundo por nove dias e nove noites com duas tochas, uma em cada mão, procurando por sua filha.

Por conta dessa intensa tristeza, Deméter, que era a responsável pela agricultura e colheita, secou o solo, tornando-o infértil.

Enquanto isso, no submundo, Hades ofereceu uma romã para Perséfone, que come dois grãos do fruto. Dessa forma, o casamento entre eles é selado.

Deus Perséfone pintada por Dante Gabriel Rossetti em 1874
Representação da deusa Perséfone pintada por Dante Gabriel Rossetti em 1874

Hélio, o deus sol, observava a angústia da deusa da fertilidade e lhe contou que a filha havia sido raptada por Hades.

Quando Deméter chega ao submundo para resgatar Perséfone, Hades não permite que ela retorne a mundo superior, pois a deusa havia comido a romã, assumindo um compromisso com ele.

Percebendo a situação, Zeus envia às profundezas Hermes, o deus mensageiro, e ordena que Perséfone passe metade do tempo junto ao marido e a outra metade no Olimpo com sua mãe, Deméter, pois a terra não podia secar de vez.

Assim é feito e a partir de então os ciclos da natureza passam a existir.

O período em que Perséfone está na companhia de Deméter é o equivalente à primavera até a época da colheita, pois sua mãe está feliz e próspera. Quando a deusa volta ao submundo, Deméter se entristece e o solo se torna estéril, é o período do inverno.

Análise e simbologias do mito

Essa é uma história bastante conhecida da mitologia grega e carrega muitas simbologias e significados.

Perséfone, por ser muito ligada à sua mãe Deméter, é descrita como a "filha da mãe", sendo muitas vezes exibida junto a ela. As duas, inclusive, são comumente representadas com um ramo de trigo, como sinal de abundância e prosperidade.

Antes de ir para o submundo, Perséfone era uma moça virgem. Seu sequestro por Hades é muito relatado na história, inclusive em obras de arte. Esse momento representa uma violência e alguns estudiosos interpretam a ingestão da romã como a perda forçada de sua virgindade.

Tela O rapto de Proserpina de Luca Giordano
O rapto de Prosérpina (1686), de Luca Giordano,

Há ainda outras interpretações que ligam a romã vermelha à primeira menstruação da moça, a chamada menarca. Assim, é possível relacionar o caráter cíclico do mito - as estações, colheita e estiagem - aos aspectos cíclicos referentes à fertilidade das mulheres, como a ovulação, tensão pré-menstrual e menstruação.

Assim, essa deusa é vista como o arquétipo da intuição, da introspecção e sensibilidade, pois o "submundo", no caso, está associado ao inconsciente e à interiorização.

Perséfone traz como símbolo a dualidade, a importância de estar em conexão com nosso mundo interior, mas sempre emergindo à superfície para aplicar a sabedoria no mundo material e colher bons frutos.

Escultura romana de Perséfone e Hades
Representação em escultura de Perséfone e Hades junto ao cão Cérbero. Crédito: Jebulon, Museu Heraklion, Creta

Você também pode ter interesse:

Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design.