A biografia e as obras de Nelson Rodrigues


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Nelson Rodrigues foi um celebrado autor de crônicas, contos, romances, folhetins e dezessete peças de teatro que o consagraram como dramaturgo - até hoje suas peças são remontadas e adaptadas para o audiovisual.

O autor modernista, que pertenceu à geração de 45, foi um nome ímpar na literatura brasileira: provocador, original, revolucionário, corajoso.

Biografia

Origem

Nelson Falcão Rodrigues foi o quinto filho do jornalista e deputado Mário Rodrigues com Maria Esther Falcão. O rapaz nasceu em Recife - onde o pai trabalhava no Jornal do Recife - no dia 23 de agosto de 1912.

Nelson tinha treze irmãos: Milton, Roberto, Mário Filho, Stella, Joffre, Maria Clara, Augustinho, Irene, Paulo, Helena, Dorinha, Elisinha e Dulcinha.

Em 1917 a família se mudou para o Rio de Janeiro onde se estabeleceu na Zona Norte.

Nelson Rodrigues jornalista

Com apenas 13 anos, Nelson virou repórter policial no jornal A Manhã e Crítica, ambos do seu pai (Mário Rodrigues).

Em 1932 passou a trabalhar no jornal O Globo. Depois atuou também nos Diários Associados.

No jornalismo acabou por assinar muitos artigos esportivos, policiais e de opinião para além de crônicas. A sua principal coluna foi A vida como ela é, que durou dez anos (1951-1961), no jornal Última hora.

Nelson também assinou a coluna Meu destino é pecar, com o pseudônimo feminino Suzana Flag. As suas produções na coluna foram transcritas e lhe renderam sete livros.

Produção audiovisual (televisão e cinema)

O escritor participou também de uma série de mesas-redondas de futebol na televisão - convém lembrar que Nelson era Fluminense de carteirinha.

O jornalista escreveu igualmente para a televisão (TV Rio), em 1963, a novela A morta sem espelho.

Além de ter adaptado uma série de textos seus para o cinema, Nelson participou de alguns roteiros como A dama do lotação.

A doença que atravessou o caminho do escritor

Em abril de 1934 Nelson pegou uma tuberculose e precisou ser internado em um sanatório situado em Campos do Jordão.

O autor teve que ficar no hospital durante 14 meses adiando todos os seus planos na ocasião.

Escrita para o teatro

A primeira peça que Nelson escreveu para os palcos chamava-se A mulher sem pecado e foi lançada em 1941.

Sua peça Vestido de Noiva - a segunda da carreira - foi dirigida pelo polonês Zbigniew Ziembinski e fez enorme sucesso tendo sido apresentada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Até hoje a produção é considerada um divisor de águas no teatro brasileiro por ter inaugurado o teatro moderno no nosso país.

A terceira peça composta - Álbum de família (1946) - foi censurada tendo sido liberada apenas na década de sessenta. Ao todo o autor escreveu dezessete peças para o teatro, muitas delas sofrerem com a repressão política e religiosa por abordarem temas polêmicos.

O contestador Nelson Rodrigues Filho e a ditadura militar

Um dos descendentes de Nelson Rodrigues - o jovem Nelson Rodrigues Filho - era contra a ditadura militar e atuou em um grupo organizado de esquerda que foi capturado pelo regime.

O rapaz foi torturado e ficou preso até 1979.

Vida pessoal de Nelson Rodrigues

O escritor casou com Elza Bretanha em 1940 e teve dois filhos (Joffre e Nelson Filho).

A relação extraconjugal com Yolanda Camejo deu origem a três filhos: Sonia, Maria Lúcia e Paulo César.

Ao se divorciar de Elza viveu com Lúcia Cruz Lima e teve uma filha chamada Daniela.

Nelson foi casado também com Helena Maria, de quem se divorciou em 1977 e voltou para a primeira mulher, Elza.

A morte do escritor

Nelson Rodrigues faleceu aos 68 anos, no Rio de Janeiro, no dia 21 de dezembro de 1980, vítima de uma insuficiência vascular cerebral depois de enfrentar sete paradas cardíacas.

Biografia de Nelson Rodrigues feita por Ruy Castro

A biografia O Anjo Pornográfico - A vida de Nelson Rodrigues foi escrita por Ruy Castro e publicada em 1992.

O Anjo Pornográfico - A vida de Nelson Rodrigues

O biógrafo baseou o seu livro em entrevistas feitas com mais de uma centena de pessoas que conviveram com o autor. Ruy também consultou arquivos, anotações, recortes de jornal e incluiu na obra fotografias cedidas por amigos e parentes.

Frases de Nelson Rodrigues

No Brasil, quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte.

A liberdade é mais importante do que o pão.

O amor entre marido e mulher é uma grossa bandalheira. É degradante que um homem deseje a mãe de seus próprios filhos.

Os homens mentiriam menos se as mulheres fizessem menos perguntas.

Dinheiro compra até amor verdadeiro.

Deus está nas coincidências.

Só o cinismo redime um casamento. É preciso muito cinismo para que um casal chegue às bodas de prata.

Livros

As dezessete peças de teatro que compõem a obra dramatúrgica de Nelson Rodrigues são:

  • A mulher sem pecado (1941)
  • Vestido de noiva (1943)
  • Álbum de família (1945)
  • Anjo negro (1946)
  • Senhora dos afogados (1947)
  • Dorotéia (1950)
  • Valsa nº6 (1951)
  • A falecida (1953)
  • Perdoa-me por me Traíres (1957)
  • Viúva, porém Honesta (1957)
  • Os sete gatinhos (1957)
  • Boca de ouro (1959)
  • O beijo no asfalto (1961)
  • Otto Lara Resende ou Bonitinha, mas Ordinária (1962)
  • Toda Nudez Será Castigada (1965)
  • Anti-Nelson Rodrigues (1973)
  • A Serpente (1978)

Características da obra de Nelson Rodrigues

Nelson Rodrigues gostava de abordar em seus textos temas delicados como o incesto, a doença, a morte, o suicídio, a traição e o adultério.

Com uma pegada polêmica e revolucionária, procurava apresentar a presença das máscaras sociais e a verdade interior das personagens.

Nelson tinha interesse em relatar a realidade dura e crua, sem rodeios, muitas vezes fazendo uso de um humor ácido e sempre através de uma forma simples e uma linguagem coloquial.

Inquieto, dono de uma personalidade inquieta, Nelson foi muitos e ao longo da sua carreira escreveu para o jornal, para o teatro, para a televisão e para o cinema sempre procurando provocar o leitor e coloca-lo num lugar de desconforto e reflexão.

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).