Música e vídeo Vai Malandra de Anitta


"Vai Malandra" é uma música da cantora Anitta, com participações do funkeiro Mc Zaac e do rapper norte-americano Maejor, produzida por Tropkillaz e DJ Yuri Martins. Integrado no projeto Check Mate, o tema foi o quarto single, lançado em 18 de dezembro de 2017.

Capa do single Vai Malandra

 O videoclipe, dirigido por Terry Richards e filmado no Morro do Vidigal, suscitou várias polêmicas e foi recorde de visualizações, despertando ainda mais a atenção do público e da crítica. 

Sobre a música

Marcando o regresso de Anitta ao funk, estilo no qual se lançou, a música combina a batida carioca com elementos de hip hop e trap, numa clara intenção de acompanhar aquilo que está tendo sucesso nas paradas internacionais. 

Com uma letra composta por versos em português e inglês, a cantora pretende atrair e conquistar os mercados norte-americano e latino.

Depois da sua incursão no mundo da pop, Anitta está de volta ao estilo musical brasileiro que tem conquistado os ouvidos e os corações de “gringos” de todo o mundo.

Recorrendo a ritmos e musicalidades “rentáveis” para promover junto do público estrangeiro e apostando num refrão impossível de tirar da memória, a cantora superou todas as expetativas com a sua nova música.

No dia em que o tema foi colocado na plataforma online Spotify, foi reproduzido mais de um milhão de vezes, entrando para os tops da aplicação e jogando o nome de Anitta na boca do mundo inteiro.

Sobre o vídeo

Amado por uns, odiado por outros, criticado por muitos e comentado por todos. Assim foi o lançamento do clipe de“Vai Malandra”, que não deixou ninguém indiferente. Em apenas dez horas, o vídeo bateu recordes no Youtube, se tornando o lançamento brasileiro de maior sucesso da história do site, com 7,8 milhões de visualizações.

Música, dança e sol no Morro do Vidigal

Anitta, no Vidigal, durante a gravação do clipe.
Anitta, no Vidigal, durante a gravação do clipe.

Gravado em aproximadamente 30 horas, o vídeo contou com uma equipe de mais de 60 pessoas, entre as quais se destacavam os figurantes, moradores do Vidigal. Segundo a própria cantora, a intenção é mostrar ao mundo um pouco da suas raízes e da realidade do funk carioca. 

Para um público diverso e internacional, é necessário apresentar e dar a conhecer as origens do estilo musical, assim como os contextos e as comunidades onde ele nasceu e se desenvolveu. O videoclipe, sem pretensões ou "manias de grandeza", ilustra um clima de simplicidade e alegria, onde as pessoas conseguem ser felizes e fazer a festa mesmo sem luxos de nenhum tipo.

Na laje: biquíni de fita isolante 

Como se prestasse tributo ao seu passado,  Anitta mostra o modo como vivia antes da fama e do sucesso: cantando, dançando, pegando sol no Vidigal. Pensando no seu percurso, presta também homenagem a outras histórias de vitória que vieram do Morro. 

Na verdade, um dos figurinos mais marcantes do vídeo, o biquíni de fita isolante, é uma criação de Erika Bronze, famosa pelo seu negócio de bronzeamento na laje. Mostrando um truque de beleza tipicamente carioca, Anitta lançou a moda, que vem sido recriada por famosas e anônimas de todo o mundo que procuram um bronze perfeito. 

Anitta com biquini de fita isolante.
Anitta com biquíni de fita isolante, invenção de Erika Bronze.

Projeto de lei 1256: criminalização do funk

Focando no valor do funk enquanto produto musical e cultural brasileiro, Anitta está respondendo a muitos ataques que o gênero tem sofrido. Considerado por muitos um estilo musical vazio de conteúdo, encarado com um "perigo público" ou uma má influência, teve até quem quisesse proibir o funk. 

Placa da moto no vídeo
O número da placa faz referência ao projeto de lei. 

No início do vídeo, Anitta pula na garupa de um mototáxi com a placa "1256". Esse é número do projeto de lei que pretendia criminalizar o funk, enquanto atentado à "saúde pública de crianças, adolescentes e à família".

Embora a proposta tenha sido rejeitada pelo Senado em setembro de 2017, as 20 mil assinaturas atestam os preconceitos com que o funk ainda é recebido no Brasil.

Apesar de todo o conservadorismo e falso moralismo que ainda vigoram, a tentativa de censura e opressão do livre pensamento desta vez fracassou. Assim, o vídeo começa com a provocação de Anitta: o funk continua nas ruas, nas rádios, nos tops. 

Autoaceitação e representação de corpos reais

Em "Vai Malandra", a militância de Anitta vai além da aceitação do funk como estilo musical e manifestação da cultura de massas. Abrange também questões presentes nas pautas feministas como a aceitação do próprio corpo e a representação de corpos reais na cultura popular.

Com figurantes de vários tipos físicos, o vídeo mostra a diversidade da beleza. A cantora, ícone e sex symbol brasileiro, fez questão de mostrar o seu corpo como ele realmente é. Combatendo a tendência da mídia em mostrar corpos "perfeitos", inatingíveis, recusou que as imagens do vídeo sofressem retoques digitais. 

Imagem do corpo de Anitta, no vídeo, sem retoques digitais.
Imagem do corpo de Anitta, no vídeo, sem retoques digitais. 

Mostrando o seu corpo ao natural, passa uma mensagem empoderadora de autoaceitação e autoconfiança. Face a uma imprensa que vive obcecada com as celulites e gordurinhas das celebridades, Anitta mostra que se ama e incentiva as outras mulheres a se amarem também.

Exposição e sexualização dos corpos femininos

O vídeo mostra várias mulheres de biquíni e vestindo roupas curtas, expondo o seu corpo e dançando de forma sensual. Esse teor provocatório tem suscitado desconforto entre as camadas mais conservadoras do público brasileiro. 

O tema também tem gerado debate entre os mais problematizadores. Alguns acreditam que é uma mensagem negativa, pois alimenta os estereótipos de sexualização da mulher brasileira.

Outros argumentam que Anitta está apenas mostrando as coisas como elas são: por muito que possa incomodar, essa sensualidade existe. É realidade para a cantora e para tantas mulheres que se vestem daquele jeito, que dançam daquele jeito, e merecem respeito como todas as outras. 

Interpretação e significado do vídeo

Embora a letra da música não transmita outra mensagem além do clima de festa e diversão,  o vídeo de "Vai malandra" parece se debruçar sobre várias questões atuais. Anitta, a cantora, a funkeira, a antiga moradora do Vidigal vem reclamar o funk como tesouro da cultura brasileira. 

Do Rio de Janeiro, para o resto do mundo: sem edição de imagens, sem paisagens paradisíacas de cartão postal, comuns nos produtos culturais pensados para o mercado internacional. O vídeo mostra uma parte da vida nas comunidades cariocas: a da festa, dos bailes funk, da dança, da beleza. 

De fora ficam os retratos de violência, que os jornais narram o tempo todo. Anitta, com "Vai Malandra" mostra um lado do Brasil que as elites não querem ver nem mostrar para o resto do mundo: a alegria, a diversidade, a força de um povo. 

Curiosidades sobre o vídeo

Terry Richardson: diretor polêmico

Mesmo antes do videoclipe sair, já corria nas redes sociais a polêmica pela escolha do diretor. Terry Richardson, um dos mais famosos fotógrafos norte-americanos das últimas décadas, também já dirigiu videoclipes de estrelas internacionais da pop com Beyoncé e Miley Cyrus.

Apesar de todo o seu sucesso e estatuto, Terry não ficou imune às denúncias de assédio sexual feitas por várias modelos que trabalharam com ele. Depois de muito tempo no centro das acusações, Richardson começou a ser investigado em 2017 e foi afastado da revista VOGUE.

Anitta e Terry

Anitta, conhecida por defender publicamente os direitos das mulheres, emitiu um comunicado sobre o tema, repudiando todo o tipo de violência ou assédio contra a mulher.  Explicou que lançaria o vídeo por obrigações contratuais e por respeito pelo trabalho dos figurantes do Vidigal.

Catapultados para a fama

Entre as figuras cariocas que ganharam destaque na mídia graças ao videoclipe de "Vai Malandra" se destacam Jojo Todynho e Pietro Baltazar. 

Anitta e Jojo nas filmagens do vídeo.
Anitta e Jojo nas filmagens do vídeo.

Jojo Maronttini, mais conhecida pelo nome artístico Jojo Todynho, começou a ser conhecida pelo público como youtuber, alcançando mais notoriedade com a sua participação na novela "A Força do Querer".

Depois de aparecer no vídeo de Anitta, Jojo virou sensação na internet. Em 2018 lançou o seu segundo single "Que tiro foi esse", que se tornou um hit imediato. 

Pietro Baltazar no vídeo de Vai Malandra
Pietro Baltazar no vídeo. 

Outro nome muito badalado foi o de Pietro Baltazar, o "Bieber do Vidigal", modelo carioca que ganhou o apelido pela semelhança com a pop star de cabelos descoloridos. 

Anitta: "malandragem" e sucesso

Larissa de Macedo Machado nasceu no Rio de Janeiro, dia 30 de março de 1993. Cantando desde os 8 anos, começou a usar o nome artístico Anitta. Em 2012 teve o seu primeiro sucesso com "Meiga e Abusada" e em 2013 atingiu o estrelato com "Show das Poderosas".

Anitta se tornou a maior estrela da musica pop brasileira, lançando também a sua carreira para novos mercados, com músicas e participações especiais em inglês e espanhol.

Com "Vai Malandra", leva sua carreira mais além, celebrando suas raízes e aproveitando o interesse internacional pelo funk. A cantora, que se assume "malandra", parece incorporar o próprio conceito de malandragem.

Anitta é símbolo de esperteza, de vencer as adversidades e aproveitar as oportunidades que surgem no caminho, de lutar e correr atrás de um sonho. Aos 25 anos, fez conquistas profissionais nunca imaginadas para uma funkeira. E ainda está só começando...

Conheça também