12 Melhores livros lançados em 2020


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Gosta de estar sempre a par do que se passa na atualidade? Quer saber mais sobre o que as editoras pretendem publicar esse ano? Tem vontade de ser o primeiro a ler os lançamentos previstos?

Então aproveite, esse artigo é para você! Tome nota dos doze lançamentos mais promissores que devem pintar no mercado editorial em 2020. Quem sabe você não consegue ler um por mês?

1. Um gênio muito estável: a ameaça de Donald Trump à democracia (Philip Rucker e Carol Leonning)

Um gênio muito estável: a ameaça de Donald Trump à democracia

Se você gosta de investigações jornalísticas esse livro é a sua cara! Philip Rucker e Carol Leonnig são jornalistas do Washington Post e receberam o tão ambicionado prêmio Pulitzer.

Amantes do universo da política e com fontes privilegiadas, os dois seguiram os passos do atual presidente dos Estados Unidos - o polêmico Donald Trump - e tentaram montar um puzzle sobre o modo de agir e pensar do homem mais poderoso do mundo.

Para sustentarem essa investigação, os jornalistas tiveram acesso à centenas de entrevistas e fizeram uma vasta pesquisa durante um período especialmente conturbado pela possibilidade de impeachment.

Ler Um gênio muito estável: a ameaça de Donald Trump à democracia é uma forma de conhecer mais sobre a personalidade do homem que alcançou o cargo político mais importante do planeta e também saber mais sobre os meandros do poder.

2. Elis e Eu (João Marcello Bôscoli)

Elis e Eu João Marcello Bôscoli

Um livro sobre o amor, a saudade e a infância, esse é Elis e Eu, o relato pessoal de João Marcello Bôscoli, filho mais velho da Pimentinha que perdeu a mãe de modo prematuro e trágico em 1982.

A história, contada pelo agora homem, é permeada de uma série de flashbacks íntimos da infância ao lado da mãe, do pai, do padrasto e dos dois irmãos.

A obra do primogênito Bôscoli nos mostra uma faceta de uma das maiores cantoras do Brasil que nunca tivemos a oportunidade de conhecer. Saudosista, o livro também não deixa de ser duro quanto é preciso: o pequeno João testemunha ao longo das páginas a degradação da mãe, o seu sofrimento e as festas em casa regadas a muito álcool e droga.

O livro conta ainda com o prefácio de Rita Lee, que testemunhou de perto esse lado familiar de Elis Regina (1945-1982).

Se você gosta da cantora aproveite para ler também o artigo Elis Regina: biografia e obra.

3. Martinho Lutero: renegado e profeta (Lyndal Roper)

Marinho Lutero: renegado e profeta

A historiadora australiana Lyndal Roper aceitou o desafio de compor uma biografia de Martinho Lutero (1438-1546), um sujeito tão importante no mundo religioso e do qual sabemos tão pouco.

Responsável por fazer a Reforma Protestante, não sabemos praticamente nada sobre esse sujeito que foi revolucionário na sua geração. Lyndal traz fatos inéditos sobre a vida do religioso e nos explica como o monge foi capaz de promover uma mudança social tão significativa em tempos tão obscuros.

Com uma oratória incrível e uma capacidade de escrita fora da curva, Lutero foi capaz de atrair milhares de fiéis e conseguiu romper de vez com a Igreja Católica, instituição de onde saiu e para a qual dirigiu uma série de críticas ferozes.

Através do relato de Lyndal ficamos conhecendo aspectos mais mundanos do religioso como, por exemplo, os seus quadros de melancolia (que hoje possivelmente seriam diagnosticados como depressão). Os amantes de biografia foi devorar em poucos dias Martinho Lutero: renegado e profeta.

4. Rua de dentro (Marcelo Moutinho)

Rua de dentro

O novo livro do carioca Marcelo Moutinho traz uma reunião de treze contos centrados sobretudo na periferia do Rio de Janeiro.

Além do gênero literário, outro padrão que reúne essas breves histórias independentes é o fato do escritor optar por, em muitas delas, não colocar um ponto final deixando as narrativas em aberto, para serem preenchidas ao gosto do leitor.

Interessado em pesquisar a condição humana, as histórias curtas passeiam por temas vulgares como o amor, as relações sociais, a solidão, os afetos, a perda, as tensões sociais e a morte.

5. A última festa (Lucy Foley)

A última festa (Lucy Foley)

O último livro de Lucy Foley é de deixar qualquer um roendo as unhas de nervoso. O romance policial gira em torno de um grupo de amigos de faculdade reunidos por Miranda e Katie, duas amigas que acham uma boa ideia todos passarem o réveillon juntos.

Se logo no princípio da história reina um saudosismo característico daqueles que partilharam os melhores anos de vida em conjunto, rapidamente eles percebem que já não têm mais nada em comum.

O estopim da história é um assassinato que se dá no dia a seguir da última grande festa do ano. Aparece um corpo morto e, de repente, todos se tornam suspeitos do crime bárbaro. Para completar o clima de pânico, uma nevasca deixa os amigos isolados.

Se você gosta de um livro de mistério então não pode perder A última festa.

6. Escravidão contemporânea (organização de Leonardo Sakamoto)

Escravidão contemporânea

Lançado no final de janeiro, o livro organizado por Leonardo Sakamoto veio à tona em um ano especial: em 2020 completamos 25 anos de combate ao trabalho escravo no Brasil.

A escravidão tem mudado de contornos ao longo das décadas e, também por esse motivo, vem sendo alvo de uma série de estudos que tentam compreender o fenômeno.

Em Escravidão contemporânea cada capítulo é escrito por um especialista - brasileiro ou estrangeiro - no assunto. Com uma formação diferente, cada convidado dá a perspectiva da sua área de atuação (são desde auditores fiscais, passando por procuradores e ativistas).

Se você quer se colocar a par de um dos problemas graves que assola a contemporaneidade recomendamos fortemente a leitura de Escravidão contemporânea.

7. A fronteira (Don Winslow)

A fronteira (Art Keller)

Art Keller, o personagem principal de Don Winslow, acompanha há cerca de quarenta anos o problema do tráfico de drogas nos Estados Unidos.

O protagonista, que subiu de cargo e alcançou a função de diretor da DEA - departamento anti-drogas norte-americano - é obcecado por Adán Barrera, o maior nome do cartel de Sinaloa.

Keller testemunha uma epidemia do uso de heroína no seu país e assiste as consequências devastadoras da droga numa população vulnerável. Determinado a eliminar de vez o problema, ele se coloca em risco físico e mental para tentar conter a atuação do cartel.

O livro A fronteira já teve os direitos comprados e em breve se tornará uma série de televisão produzida pela Fox.

8. O sedutor do sertão (Ariano Suassuna)

O sedutor do sertão (Ariano Suassuna)

Quem é que não conhece a obra do nosso saudoso Ariano Suassuna(1927- 2014)? Seis anos depois da sua morte, ganhamos o privilégio de conhecer uma história inédita narrada por esse mestre do sertão.

A história, originalmente pensada para se tornar um filme, agora foi lançada sob a forma de livro. O romance, inédito, foi escrito em 1966 com o objetivo de ser roteiro de um filme que nunca chegou a ser lançado.

O protagonista de Suassuna é Malaquias Pavão, um sedutor de mão cheia que vive na Paraíba durante os anos trinta.

A narrativa é permeada de cinquenta ilustrações feitas por Manuel Dantas Suassuna, filho do escritor.

Relembre a trajetória do escritor lendo o artigo Ariano Suassuna: vida e obra.

9. A guerra pela Uber (Mike Isaac)

A guerra pela Uber (Mike Isaac)

Todos nós temos uma opinião sobre essa nova forma de pensar a mobilidade urbana. Goste ou não goste da multinacional norte-americana, a Uber mudou a nossa maneira de encarar o transporte nas grandes cidades.

O repórter do New York Times Mike Isaac escolheu narrar na sua nova obra os bastidores da polêmica empresa que criou um novo sistema de transporte particular mais barato que os tradicionais taxis.

Ao longo das páginas, vemos como a startup ascendeu e como vem enfrentando uma série de problemas tanto a nível regional quanto mundial.

10. A Odisséia de Penélope (Margaret Atwood)

A odisseia de Penélope (Margaret Atwood)

A escritora canadense celebrada pela obra A história de uma serva traz agora ao público uma narrativa envolvendo uma das personagens mais comentadas da mitologia grega: Penélope, a mulher de Ulisses.

Se na história original a personagem fica sozinha enquanto o marido batalha na guerra de Tróia, na releitura contemporânea feita por Margaret o narrador dá voz a mulher e as suas doze cridas, permitindo que elas contem a versão delas dos fatos.

O livro A Odisséia de Penélope foi publicado originalmente em 2005 e só agora chega ao mercado de língua portuguesa.

11. Uma chance de lutar (Elizabeth Warren)

Uma chance de lutar (Elizabeth Warren)

Você pode não ter ouvido falar muito na senadora Elizabeth Warren, mas tenho certeza que a história de vida dessa mulher poderosa irá te tirar do lugar.

A menina que nasceu numa família humilde - o pai era zelador e a mãe telefonista - cresceu num contexto social em que o objetivo das mulheres era arrumar um bom marido e ponto final.

Elizabeth, no entanto, escolheu um caminho bem diferente: virou professora de Harvard, alcançou o cargo de consultora do Congresso americano e chegou a ser assistente do presidente Barack Obama.

Sua última vitória foi alcançada aos 62 anos, quando se tornou senadora pelo estado de Massachusetts. Conhecer a história dessa mulher é descobrir um retrato das dificuldades que enfrentou e também perceber de que forma é possível superar as barreiras sociais impostas.

12. A ocupação (Julián Fuks)

A ocupação (Julián Fuks)

Um dos grandes nomes da literatura brasileira, o premiado Julián Fuks lança em 2020 o seu novo romance chamado A ocupação.

A história tem como pano de fundo um prédio ocupado na capital paulista. A narrativa nos fala sobre a capacidade humana de resiliência e de lidar com a perda.

Quem conta essa história é Sebastián, um alter ego do escritor que conversa com as pessoas que foram viver no edifício abandonado. Em paralelo, Sebastián enfrenta na sua vida pessoal questões densas como a doença do pai e a eminência de ser pai.

O romance alterna questões políticas e da esfera pública com momentos íntimos de hesitação pessoal.

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).