Livro O primo Basílio, de Eça de Queiroz


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Um dos mais celebrados clássicos da literatura portuguesa, O primo Basílio, pertence ao Realismo. O romance, escrito por Eça de Queiroz, conta a história do triângulo amoroso composto por Jorge, Luísa e Basílio.

Resumo

Jorge é um jovem engenheiro lisboeta de boa família. Luísa pertence igualmente a burguesia abastada de Lisboa. Após a morte da mãe de Jorge, o rapaz encanta-se com Luísa e rapidamente decidem casar-se.

Juntos fazem um típico casal privilegiado com um cotidiano monótono e previsível.

O cenário muda quando Jorge viaja à trabalho para o Alentejo e Luísa recebe a visita do primo Basílio. Além de primo, Basílio foi namorado de Luísa durante a juventude, antes de se mudar para Paris.

Luísa e Basílio desenvolvem, então, um caso extraconjugal. A fim de tornarem a relação mais discreta, alugam um quarto que intitulam Paraíso, no subúrbio de Lisboa.

Apesar da cautela dos amantes, a empregada Juliana flagra o caso, consegue obter algumas cartas trocadas entre o par e chantageia a patroa.

Quando Jorge volta da viagem, estranha o comportamento da empregada e decide demiti-la. A partir de então, as chantagens se intensificam e Luísa não vê outra alternativa se não pedir ajuda a um amigo.

Sebastião - o amigo - pressiona Juliana e consegue obter as tais cartas de volta. Desesperada por perder a oportunidade de crescimento financeiro, a empregada entra em colapso e morre. Luísa, por sua vez, adoece.

Enquanto Luísa padece da doença, Jorge descobre uma carta da esposa trocada com o amante Basílio e toma conhecimento de tudo o que se passou no Paraíso. Paciente, ele espera até a cura da mulher para confrontá-la com o achado.

Quando finalmente confrontada, Luísa, aflita, adoece novamente e, por fim, morre.

O Realismo em Portugal

Entre os anos de 1865 e 1890 reinou o movimento Realista em Portugal. A nova geração de artistas, composta inicialmente por duzentos estudantes do ensino superior de Coimbra, atacou o movimento anterior, o Romantismo.

Os então estudantes carregavam ideias inspiradas em Proudhon, Quinet e Taine.

O Realismo tem origem francesa e pregava a partida um anti-romantismo, isto é, se interessavam por uma objetividade (o que importa é o objeto, o não-eu). O desejo era eliminar a sentimentalidade romântica, investindo na razão como único possível acesso à realidade.

O racionalismo era, portanto, uma das características centrais do movimento. O culto à ciência também era um traço central dos realistas.

Politicamente os realistas se alinhavam com os republicanos e socialistas, eram, via de regra, antimonárquicos, antiburgueses e anticlericais.

Sobre a criação do livro

O romance O primo Basílio foi escrito entre setembro de 1875 e setembro de 1877, embora apenas tenha sido publicado em 1878. No mesmo ano, Eça de Queiroz quis realizar alterações no texto e lançou uma segunda edição revista.

Personagens principais

Luísa

Lisboeta, burguesa e fútil, Luísa passa os dias as voltas com afazeres domésticos e leituras de romances. Casa-se subitamente com Jorge, um engenheiro. Sua vida cotidiana é marcada pelo tédio até a visita do antigo namorado, Basílio.

Jorge

Jorge é engenheiro de formação. Perde a mãe e resolve logo a seguir se casar com uma boa mulher. Assim que conhece Luísa, decide contrair o matrimônio.

Basílio

Primo de Luísa, Basílio também era um antigo namorado que vivia em Paris. Ao retornar a Portugal, reencontra Luísa e passa a viver com ela um caso extraconjugal.

Juliana

De origem humilde, é filha de engomadeira e trabalha como empregada na casa de Luísa e Jorge. Ao descobrir o caso extraconjugal da patroa com Basílio, Juliana passa a exercer chantagens para ganhar alguns privilégios.

Uma outra forma de conhecer a história

A adaptação para o cinema de O primo Basílio

O romance português ganhou uma adaptação brasileira para o cinema feita pelo diretor Daniel Filho. O roteirista responsável pela adaptação foi Euclydes Marinho.

Lançado em 2007, a película conta com atores de peso como Glória Pires (no papel de Juliana), Débora Falabella (no papel de Luísa), Fábio Assunção (no papel de Basílio) e Reynaldo Gianecchini (no papel de Jorge).

O filme se encontra disponível na íntegra:

A adaptação para a televisão de O primo Basílio

A minissérie, produzida pela Rede Globo, é anterior ao filme e foi ao ar entre 9 de agosto de 1988 e 2 de setembro de 1988. Os episódios foram reexibidos pelo Canal Viva entre 28 de outubro e 18 de novembro de 2013.

O romance de Eça de Queiroz foi adaptado para a televisão por Gilberto Braga e Leonor Bassères, com direção de Daniel Filho.

Na televisão, Marcos Paulo interpretou Basílio, Giulia Gam interpretou Luísa, Marília Pêra interpretou Juliana e Tony Ramos interpretou Jorge.

Está curioso para ver o resultado final da adaptação?

Sobre Eça de Queiroz

José Maria Eça de Queiroz nasceu em 25 de novembro de 1845, em Póvoa de Varzim, no berço de uma família culta e abastada. Formou-se em Direito em Coimbra e começou a carreira escrevendo folhetins.

Além de advogado e escritor, atuou como jornalista, político (foi administrador do concelho em Leiria) e diplomata (esteve em serviço em Havana, Bristol - Inglaterra - e encerra a carreira em Paris).

Eça de Queiroz e Machado de Assis foram contemporâneos e referências incontornáveis para a literatura dos seus países. Os dois são considerados pais da ficção portuguesa e brasileira, respectivamente.

Retrato de Eça de Queiroz.
Retrato de Eça de Queiroz.

Outros clássicos do autor

Eça de Queiroz também é celebrado por ter publicado, entre outros títulos, Os Maias (1888), O crime do padre Amaro(1875), A Cidade e as Serras (1892) e A ilustre casa de Ramires (1897).

O primo Basílio disponível na íntegra

O romance de Eça de Queiroz está em domínio público. Explore o texto na íntegra: O primo Basílio.

Leia também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).