José Saramago: biografia e livros


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Vencedor do Prêmio Nobel e do Prêmio Camões, José Saramago (1922-2010) é dos maiores nomes da literatura portuguesa. O escritor é autor de clássicos como Memorial do convento (1982) e Ensaio sobre a cegueira (1995).

Conheça agora a biografia completa do autor e relembre todas as suas obras publicadas.

Biografia de José Saramago

Primeiros anos de vida

Saramago nasceu em Azinhaga (região situada na província do Ribatejo, região central de Portugal), no dia 16 de novembro de 1922, no berço de uma família de origem humilde, camponesa.

O pai do escritor chamava-se José de Sousa e era funcionário do Registro Civil. A mãe, Maria da Piedade, era doméstica. O irmão, Francisco, era dois anos mais velho que o escritor. José e Francisco eram muito próximos dos avós maternos: Jerónimo Melrinho e Josefa Caixinha.

A saída da aldeia e a mudança para a cidade grande

Em 1924 a família resolveu se mudar para Lisboa onde o pai de Saramago passou a trabalhar como polícia de segurança pública. Nesse mesmo ano morreu Francisco, irmão do futuro escritor, que tinha apenas quatro anos.

José Saramago precisou abandonar o ensino tradicional (que frequentava no Liceu Gil Vicente) aos doze anos para entrar numa escola de ensino profissional. Foi na Escola Industrial de Afonso Domingues que se tornou serralheiro mecânico.

José SaramagoVida profissional

Depois de formado no curso técnico, Saramago trabalhou numa oficina mecânica por dois anos. Mais tarde, conseguiu uma vaga administrativa na Segurança Social.

No fim da década de cinquenta começou a trabalhar numa editora chamada Estúdios Cor onde era responsável pela produção editorial. Durante esse período, para garantir um sustento extra, começou a atuar também como tradutor - ofício que carregou até 1981.

Em paralelo Saramago também somou as ocupações de crítico literário e escritor.

Interessado em cultura, depois de deixar a editora em 1971 trabalhou no Diário de Lisboa onde foi coordenador de um suplemento cultural e editor. Mais tarde, virou diretor do Diário de Notícias.

A carreira de escritor

Em 1947 Saramago publicou o seu primeiro livro, um romance que chamou inicialmente de A Viúva, mas que acabou por ser editado com o título Terra do Pecado.

Jose Saramago

Depois de dezenove anos afastado do meio literário, Saramago voltou a publicar, dessa vez sob a forma de poema. O livro Os Poemas Possíveis foi lançado em 1966.

Em 1976 tomou a decisão de se tornar autor a tempo integral. A partir de então se dedicou inteiramente à literatura e produziu os clássicos que o consagraram como um dos maiores escritores portugueses.

Fundação José Saramago

O espaço criado em Lisboa em 2007, na Casa dos Bicos - sede da Fundação -, foi desenvolvido para defender e divulgar a literatura portuguesa.

O espaço fica desde a sua fundação na Rua dos Bacalhoeiros, 10, em Lisboa.

Fundação José Saramago
Fundação José Saramago

Prêmio Nobel e outros prêmios

Saramago recebeu vinte e nove prêmios nacionais e internacionais, o mais importante deles foi o Prêmio Nobel da Literatura entregue em 1998.

Três anos antes o escritor português também havia sido laureado com o Prêmio Camões pelo conjunto da obra.

O autor recebeu também o título de doutor honoris causa por 39 universidades nacionais e internacionais. Os títulos foram oferecidos por instituições de ensino dos seguintes países: Portugal, Espanha, Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, Itália, França, Uruguai, México,El Salvador, Costa Rica, Argentina, Irlanda e Hungria.

Vida pessoal

Em 1944 Saramago se casou com a pintora Ilda Reis com quem teve uma única filha chamada Violante (1947).

O casal se divorciou em 1970 e, no mesmo ano, Saramago começou um relacionamento com a escritora Isabel da Nóbrega, com quem permaneceu até 1986.

No ano em que se separou de Isabel da Nóbrega conheceu a jornalista e tradutora Isabel del Río, com quem se casou em 1988 e ficou até o final dos seus dias.

Morte

No dia 18 de junho de 2010 faleceu em casa, na ilha de Lanzarote (arquipélago das Canárias), o escritor José Saramago, aos 87 anos. O autor foi vítima de falha múltipla dos órgãos consequência de uma leucemia.

Livros de José Saramago

Romances

  • Terra do pecado (1947)
  • Manual de pintura e caligrafia (1977)
  • Levantado do chão (1980)
  • Memorial do convento (1982)
  • O ano da morte de Ricardo Reis (1984)
  • A jangada de pedra (1986)
  • História do cerco de Lisboa (1989)
  • O evangelho segundo Jesus Cristo (1991)
  • Ensaio sobre a cegueira (1995)
  • Todos os nomes (1997)
  • A caverna (2000)
  • O homem duplicado (2002)
  • Ensaio sobre a lucidez (2004)
  • As intermitências da morte (2005)
  • A viagem do elefante (2008)
  • Caim (2009)
  • Claraboia (2011)
  • Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas (2014)

Livros de Poesia

  • Os poemas possíveis (1966)
  • Provavelmente alegria (1970)
  • O ano de 1993 (1975)

Teatro

  • A noite (1979)
  • Que farei com Este Livro? (1980)
  • A segunda vida de Francisco de Assis (1987)
  • In Nomine Dei (1993)
  • Don Giovanni ou O dissoluto absolvido (2005)

Crônicas

  • Deste mundo e do outro (1971)
  • A bagagem do viajante (1973)
  • Os apontamentos (1976)
  • Poética dos cinco sentidos - o ouvido (1979)
  • Moby Dick em Lisboa (1996)
  • Folhas políticas (1976-1998)

Diários

  • Cadernos de Lanzarote I (1994)
  • Cadernos de Lanzarote II (1995)
  • Cadernos de Lanzarote III (1996)
  • Cadernos de Lanzarote IV (1998)
  • Cadernos de Lanzarote V (1998)
  • Último caderno de Lanzarote (2018)
  • O caderno (2009)
  • O caderno 2 (2009)

Ensaios

  • Discursos de Estocolmo (1999)
  • Da estátua à pedra (1999)
  • Comment le personnage fut le maître et l’auteur son apprenti (1999)
  • Direito e os Sinos (1999)
  • Aqui soy Zapatista – Saramago en Bellas Artes (2000)
  • Palabras para un mundo mejor (2004)
  • Questto mondo non va bene che ne venga un altro (2005)
  • El nombre y la cosa (2006)
  • Andrea Mantegna – Uma ética, uma estética (2006)
  • Democracia e Universidade (2010)

Outros

  • Viagem a Portugal (1981, Literatura de Viagens)
  • As pequenas memórias (2006, Memórias)
  • Objecto quase (1978, contos)
  • O conto da Ilha desconhecida (1997, contos)
  • A maior flor do mundo (2001, infanto-juvenil)
  • O silêncio da água (2011, infanto-juvenil)
  • O lagarto (2016, infanto-juvenil)

Frases de José Saramago

Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara.

Somos todos escritores, só que alguns escrevem e outros não.

Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo.

O que dá verdadeiro sentido ao encontro é a busca, e é preciso andar muito para se alcançar o que está perto.

Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais.

Estamos afundados na merda do mundo e não se pode ser otimista. O otimista, ou é estúpido, ou insensível ou milionário.

Estilo literário de Saramago

A vasta produção de José Saramago ficou conhecida especialmente por ser estruturada com parágrafos longos e pouca ou nenhuma pontuação. O escritor também faz muito uso de parábolas originais em suas obras.

Em termos temáticos, Saramago sempre teve um cunho crítico, questionador, procurando denunciar injustiças sociais e históricas.

Polêmico e corajoso, muitos dos seus livros foram lidos como uma afronta tanto pela Igreja (Saramago era ateu convicto) quanto pelo Estado (o escritor era comunista).

Duas obras causaram especial desconforto na Igreja Católica: O evangelho segundo Jesus Cristo (1991) - que chegou a ser proibido em Portugal no ano a seguir a publicação - e Caim (2009).

Entrevista com o escritor

No dia 26 de outubro de 1998, José Saramago concedeu uma longa entrevista ao programa brasileiro Roda Viva. A entrevista encontra-se disponível online na íntegra:

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).