Se divirta com essas 10 comédias de tirar o fôlego


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Se é daqueles que não perde uma boa comédia, então esse artigo foi pensado especialmente para você! Pode preparar as pipocas, garantimos que irá ter entretenimento para horas descontraídas bem passadas.

Da extensa variedade de comédias disponíveis, selecionamos aquelas dez que são mesmo de tirar o fôlego. Mas antes de se aventurar diante da telinha, conheça um pouco mais a história de cada uma delas.

1. Se Beber, Não Case! (2009)

Quatro amigos que vão para uma despedida de solteiro em Las Vegas, essa é a premissa do clássico do humor The Hangover.

Os amigos estão em momentos da vida bem diferentes: Phil (Bradley Cooper) é um dentista que tem uma namorada megera, Stuart (Ed Helms) é um professor casado e com um filho pequeno e Alan sofre com a síndrome de Peter Pan ainda vive com os pais.

O noivo em questão, Doug Billings (Justin Bartha), desaparece durante a sua noite de comemoração em Las Vegas e no dia a seguir nenhum dos amigos consegue se lembrar do que aconteceu na véspera.

Começa então uma jornada memorável conduzida por Phil, Stuart e Alan (Zach Galifianakis) em busca de Doug que nos garante risadas sem fim. Assistimos um caos completo: Phil acorda sem um dente, há um tigre no quarto e, de repente, eles descobrem um bebê desamparado que precisa ser acolhido.

Os três amigos tem que lidar com as situações malucas e inesperadas enquanto procuram loucamente por Doug para entrega-lo são e salvo no altar.

2. American Pie - A Primeira Vez é Inesquecível (2003)

O filme American Pie fez tanto sucesso de público que ganhou três sequências. No longa metragem cinco rapazes são os protagonistas: Jim (Jason Biggs), Kevin (Thomas Ian Nicholas), Oz (Chris Klein), Finch (Eddie Kaye Thomas) e Steve Stifler (Seann William Scott).

Os amigos frequentam o ensino médio na mesma escola e quatro dos cinco adolescentes combinam perder a virgindade antes de entrarem para a faculdade - o único que está fora do acordo é Steve Stifler.

Transbordando hormônios, os garotos não sabem lidar com o próprio corpo e nem com as potenciais namoradas que vão aparecendo a meio do caminho. American Pie é uma comédia escancarada que faz a nossa barriga doer com tantas crises de riso.

3. Que Mal Fiz Eu a Deus? (2015)

O primeiro filme francês dessa lista é baseado numa história deliciosa: Claude (Christian Clavier) e Marie Verneuil (Chantal Lauby) são um conservador casal francês católico com quatro filhas criadas de acordo com as normas e bons costumes. As meninas - Isabelle, Odile, Ségolène e Laure -, no entanto, não seguem bem os planos que os pais haviam traçado para elas.

O maior sonho do casal era casar bem as filhas, isto é, com bons partidos franceses. Os planos porém começam a desmoronar um a um: a filha mais velha se casa com um advogado argelino, a segunda casa-se com um judeu e a terceira com um chinês.

Resta uma última esperança, a filha mais nova (Laure). A jovem finalmente encontra um rapaz católico francês, que parece preencher o perfil da família, eis a enorme surpresa quando os pais descobrem que o genro afinal é negro.

Uma comédia que nos faz pensar, Que mal fiz eu a Deus? coloca o dedo na ferida ao tratar de temas contemporâneos delicados como o preconceito racial e a xenofobia.

4. O Virgem de 40 Anos (2005)

Andy (Steve Carell) é um homem de quarenta anos normal: com um emprego estável, uma casa própria e um hobby de colecionar bonecos e revistas em quadrinhos. A única coisa fora do lugar aqui é uma particularidade da sua vida pessoal: apesar de já ter quarenta anos, o vendedor ainda é virgem.

Conformado com a sua situação, Andy nem se incomoda propriamente com o fato de não ter vivido uma experiência sexual. Seus amigos, por sua vez, quando descobrem essa peculiaridade acham que o problema deve ser resolvido rapidamente.

É assim que os amigos de Andy o apresentam para Trish (Catherine Keener), uma mãe solteira, na esperança de que a moça consiga ajudar o jovem quarentão a sair dessa situação.

5. Intocáveis (2011)

O segundo e último título francês dessa lista é Intouchables, o único exemplar daqui que, apesar de ser claramente uma comédia, carrega um toquezinho de drama.

A história de Intocáveis gira a volta de dois personagens principais: Philippe (François Cluzet), um aristocrata rico francês que se torna tetraplégico depois de sofrer um acidente, e Driss (Omar Sy), um jovem francês negro que vive em um bairro problemático.

Com realidades de vida completamente diferentes, o destino dos dois se cruza quando Driss resolve se candidatar a vaga de cuidador de Philippe. Apesar de viverem em realidades distintas, um aprende com o outro e ambos desenvolvem uma bela amizade que garante ao público muitas risadas.

6. Borat: Aprender Cultura da América Para Beneficiar a Gloriosa Nação do Cazaquistão (2006)

A comédia de Sacha Baron Cohen flerta entre os gêneros de ficção e documentário e também por isso acaba por apresentar um resultado hilariante.

Aqui o personagem principal é um repórter de TV do Cazaquistão que viaja pelos Estados Unidos fazendo verdadeiras descobertas acerca das diferenças culturais.

Politicamente incorreto, o protagonista expõe uma série de preconceitos e clichês da sociedade que deixam tanto os entrevistados quanto o público com uma espécie de riso nervoso, num misto de desconforto, constrangimento e gozação.

Vemos diante da câmera, por exemplo, passarem uma série de menções anti-semitas e homofóbicas tão presentes ainda hoje na sociedade norte-americana.

Rir de Borat é um pouco como rir da nossa cultura ocidental. Cabe a você espectador escolher se quer deixar o filme apenas no registro do humor raso ou se pretende refletir mais afundo sobre as questões ali levantadas por Sacha Baron Cohen.

7. Deadpool (2016)

O único filme de super heróis da lista é Deadpool, um longa metragem que honra o seu gênero apresentando pura ação, mas também tira muito partido do humor para entreter seus espectadores.

Inspirado na história em quadrinho - que já bebia muito no aspecto cômico - Deadpool traz para a tela a ironia, o sarcasmo e brinca com a quebra de expectativas do espectador que vai ao cinema a espera de encontrar um filme de super herói tradicional.

O personagem tagarela e sem filtros (vivido por Ryan Reynolds) muitas vezes quebra a quarta parede e conversa diretamente com o público apresentando conclusões engraçadas, inesperadas e muito humor negro.

8. Superbad - É Hoje (2007)

Evan (Michael Cera) e Seth (Jonah Hillt) são dois amigos de infância que passaram por todo processo de amadurecimento juntos e vão precisar se separar para seguirem para a faculdade.

Vivendo os típicos dilemas da adolescência, eles querem beber para impressionar as meninas por quem são apaixonados. Junto com Fogell (Christopher Mintz-Plasse), um amigo da mesma idade, fazem uma carteira de identidade falsa para conseguirem comprar bebidas.

O objetivo final aqui é conquistar os corações de Jules (Emma Stone) e Becca (Martha MacIsaac), duas garotas da escola por quem são platonicamente apaixonados.

Superbad é uma comédia com traços autobiográficos que nos lembra das nossas constrangedoras e hilariantes experiências adolescentes.

9. Quem Vai Ficar Com Mary? (1998)

A história de Quem vai ficar com Mary? começa na adolescência: Ted (Ben Stiller) é um estudante que consegue ir no tão sonhado baile de formatura com a sua garota dos sonhos (Mary, vivida por Cameron Diaz).

Tudo corre lindamente até que ele, ao fechar as calças, prende as partes íntimas no zíper. Resultado: seu maior desejo - dormir com a moça - não é concretizado naquela noite fatídica.

Os anos passam e o sujeito fica com aquela situação mal resolvida na cabeça. Já adulto, ele resolve contratar um detetive particular (Pat, vivido por Matt Dillon) para encontrar a moça.

Parecia um plano perfeito, não fosse o detetive se apaixonar pela bela Mary e os planos de Ted começarem a ir por água abaixo.

10. O Âncora - A Lenda de Ron Burgundy (2004)

Esse também é um clássico no universo das comédias! O protagonista do filme, o âncora Ron Burgundy (interpretado por Will Ferrell) é responsável por um telejornal de grande audiência no Estado de San Diego.

Mulherengo, bem sucedido e reconhecido nacionalmente, o âncora vê a sua carreira ameaçada pela chegada da bela jornalista Veronica (Christina Applegate).

Veronica é uma mulher independente, destemida, que quer ter mais espaço na televisão e não se intimida com os homens poderosos que a rodeiam. Ron, por sua vez, fica em uma encruzilhada: ao mesmo tempo quer ver a moça distante profissionalmente acaba por se apaixonar por ela.

O Âncora - A Lenda de Ron Burgundy é uma hilária sátira sobre o machismo recheada de humor negro e que levanta a questão da dificuldade das mulheres alcançarem lugares de poder.

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).