Que tal descobrir a Bossa Nova?


Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

A Bossa Nova foi um gênero musical nascido no ano de 1958 no Rio de Janeiro que acabou por se espalhar para todo o Brasil.

Os jovens artistas, cansados do que vinha se fazendo na MPB, decidiram inovar e foram a procura de uma nova linguagem, mais contemporânea e moderada.

Saiba tudo sobre essa talentosa geração.

História da Bossa Nova

O núcleo que formou a Bossa Nova foi composto por jovens músicos cariocas de classe média e alta do Rio de Janeiro no final dos anos cinquenta.

Ao mesmo tempo que incorporaram indiscutivelmente recursos da música estrangeira, os artistas da Bossa Nova também valorizaram alguns aspectos regionais do nosso país procurando alcançar uma nova linguagem.

De acordo com Ricardo Cravo Albim:

a Bossa Nova é considerada uma nova forma de tocar samba. (...) criticada pela forte influência norte-americana traduzida nos acordes dissonantes comuns ao jazz

O início do grupo

O ano considerado como o inicial para o movimento Bossa Nova foi 1958. Nesse ano aconteceram os lançamentos de dois discos essenciais para aquela geração: Canção do amor demais (de Elizeth Cardoso), lançado em abril, e Chega de saudade (de João Gilberto), lançado em julho.

Capa do disco Canção do amor demais
Capa do disco Canção do amor demais

Convém sublinhar que o disco de Elizeth Cardoso foi inteiramente composto por músicas criadas pela dupla Vinicius de Moraes e Tom Jobim - Tom e Vinicius começaram a compor juntos em 1956 para o espetáculo Orfeu da Conceição.

João Gilberto participou da gravação de Elizeth tocando violão em duas faixas (Chega de saudade e Outra vez).

O disco Chega de saudade, por sua vez, também trouxe uma série de renovações formais que provocaram um estranhamento inicial no público.

Por esse motivo o trabalho foi melhor acolhido em São Paulo, que já estava aberto para novas mudanças por ter uma maior diversidade cultural, tendo depois sido melhor recebido no Rio de Janeiro.

Chega de Saudade
Capa do álbum Chega de Saudade

Os primeiros shows

Os primeiros artistas da Bossa Nova se encontravam em apartamentos particulares onde amigos se juntavam para experimentarem novas maneiras de se fazer música.

Os primeiros shows oficiais aconteceram na Faculdade de Arquitetura e na PUC-Rio, uma universidade de classe média alta situada na zona sul do Rio de Janeiro.

A música que começou no âmbito universitário foi rapidamente se espalhando para outros meios impulsionado pela televisão e pela rádio país - e também mundo - afora.

Sobre o nome do grupo

Quando os artistas começaram a criar as composições inovadoras o grupo ainda não tinha um nome de batismo. Não se sabe bem a origem do tempo Bossa Nova, segundo Castro:

A origem da expressão nunca ficou esclarecida de todo e gastou-se mais papel e tinta com este assunto do que ele merecia. O fato é que cerca de duzentas pessoas que foram ao acanhado Grupo Hebraico (...) depararam-se ao chegar com um quadro-negro onde se lia, escrito a giz por uma secretária: "Hoje Sylivinha Telles e um grupo bossa nova". Não um grupo de Bossa Nova - a indicar que, pelo menos até aquela noite, bossa nova era apenas um adjetivo em minúsculas, não um nome de movimento.

Fato é que o termo pegou, os artistas gostaram da nomenclatura e Bossa Nova acabou pegando.

O pré Bossa Nova

Antes do surgimento da Bossa Nova os músicos viviam imersos no universo do samba-canção veiculado especialmente pela Tupi e pela Rádio Nacional.

As músicas tinham melodias simples e era bastante melosas, evocavam os sofrimentos do amor e tratavam de traições, vinganças e grandes dramas sentimentais. Ângela Maria e Dorival Caymmi foram os grandes nomes dessa geração.

Os jovens que viriam a criar a Bossa Nova não se identificavam em nada com esse tipo de composição e por esse motivo resolveram investir na renovação da música.

Características da Bossa Nova

Os artistas que se identificavam com a Bossa Nova defendiam uma postura mais internacionalista e moderna para a música popular brasileira, queriam alcançar um ritmo novo, mais atual.

Não seria exagero dizer que aquela geração procurava acima de tudo inovar rompendo com o que vinha sendo produzido até então. João Gilberto, por exemplo, considerado por muitos como líder do grupo, era dos que tinha maior desejo de romper com o passado e por isso inventou a batida no violão além de um modo de cantar à meia voz.

João Gilberto
João Gilberto

O artista lutava especialmente contra o emocionalismo transbordante que contaminou a música brasileira entre as décadas de quarenta e cinquenta. Tanto João Gilberto quanto os seus parceiros rejeitavam veementemente os boleros melodramáticos e os sambas-canções.

Os adeptos da Bossa Nova procuravam um registro mais intimista, um canto mais discreto, uma maneira de cantar que se aproximava mais de um cantar falando. Para isso buscavam inspiração no lado cool do jazz, especialmente quando tratava da temática amorosa.

Bossa Nova
Tom Jobim e Vinicius de Moraes

Apesar de criarem composições mais sofisticadas, que davam atenção aos detalhes e as sutilezas, usavam um registo do cotidiano, uma linguagem simples, coloquial, informal.

A Bossa Nova se pautou por um estilo mais despojado e casual, ancorado na racionalidade, na objetividade e sobretudo na concisão.

Principais artistas

Confira abaixo alguns dos principais nomes do movimento Bossa Nova:

  • João Gilberto (1931-2019)
  • Vinicius de Moraes (1913-1980)
  • Tom Jobim (1927-1994)
  • Roberto Menescal (1937)
  • João Donato (1934)
  • Nara Leão (1942-1989)
  • Carlos Lyra (1933)
  • Elizeth Cardoso (1920-1990)
  • Baden Powell (1937-2000)

Músicas mais conhecidas da Bossa Nova

  • Desafinado (1958), de Tom Jobim e Newton Mendonça
  • Chega de Saudade (1956), de Vinicius de Moraes e Tom Jobim
  • Samba de uma nota só (1960), de Tom Jobim e Newton Mendonça
  • Corcovado (1959), de Tom Jobim
  • Samba da benção (1967), de Baden Powell e Vinicius de Moraes
  • Garota de Ipanema (1962), de Vinicius de Moraes e Tom Jobim
  • Pela luz dos olhos teus (1977), de Vinicius de Moraes
  • Samba do avião (1962), de Tom Jobim
  • Insensatez (1961), de Vinicius de Moraes e Tom Jobim
  • Água de beber (1963), de Vinicius de Moraes e Tom Jobim

Conheça mais canções desse período lendo o artigo As músicas mais importantes da Bossa Nova.

Ouça Bossa Nova no Spotify

Quer ouvir uma boa playlist só com Bossa Nova? Então confira a lista abaixo que preparamos especialmente para você no Spotify:

Se quiser saber mais sobre a Bossa Nova

Recomendamos fortemente a leitura do livro Balanço da bossa: antologia crítica da moderna música popular brasileira, lançado em 1968 por Augusto de Campos.

A obra reúne uma série de artigos e recortes de jornais sobre o movimento, proporcionando uma análise mais aprofundada sobre aquela geração.

Conheça também

Rebeca Fuks
Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).