Art Nouveau


Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora e artista visual

Art Nouveau, ou Nova Arte, foi um movimento das artes que desenvolveu-se na Europa e nos Estados Unidos na última década do século XIX e início do século XX, chegando também a outros países.

Relaciona-se mais precisamente com a arquitetura, mobiliário, decoração e design, ou seja, com a arte aplicada ao cotidiano e às funções utilitárias.

Esse estilo abarca tendências distintas, como a arte oriental e as iluminuras medievais aliadas ao carácter industrial que consolidava-se na Europa.

Origens da Art Nouveau

Essa nova maneira de pensar o caráter estético dos ambientes e objetos surge como uma forma de aproximação da indústria com as artes, buscando dar uma aparência mais artesanal ao design, decoração e arquitetura.

Isso porque havia o receio de que o processo de industrialização abafasse ou "vulgarizasse" as produções arquitetônicas e de objetos. O que, de fato, já estava ocorrendo.

ilustração de Mucha
Ilustração do artista checo Alfons Mucha (1860-1939), feita em litografia, é um exemplo da Art Nouveau

Ainda em 1835 foram idealizadas pelo governo britânico escolas de desenho com o intuito de aperfeiçoar o acabamento de objetos produzidos em larga escala, harmonizando-os com a arte.

Ao mesmo tempo, apareceram artistas e críticos que sugeriam a volta das práticas manuais da Idade Média. John Ruskin e William Morris tinham a expectativa de que assim houvesse uma reestruturação da arte.

Entretanto, devido à grande dificuldade da retomada de um trabalho minucioso, dado o contexto histórico após a Revolução Industrial, desenvolveu-se um tipo de trabalho artístico automatizado.

Surge então, idealizado por Morris, o Movimento das Artes e Ofícios, em seu nome original Arts and Crafts. O movimento deu suporte aos artistas para que pudessem desenvolver projetos de objetos que seriam executados em série pela indústria.

Eis que a Art Nouveau ganha corpo em 1890. Essa tendência tinha como base o Movimento das Artes e Ofícios, assim como influências japonesas e medievais.

Apesar de mais conhecida como Art Nouveau, recebeu em alguns países nomes distintos.

Na França, além da denominação habitual, foi chamada também de Modern Style; na Alemanha ficou conhecida como Jugendstil (que pode ser traduzida como "estilo da juventude"); já a Itália intitulou a tendência como Stile Floreale ou Stile Liberty.

Características da Art Nouveau

Essa vertente artística se caracteriza pelo retorno a uma arte que aparentava ser mais artesanal, elaborada e pensada. Entretanto, se valia da industrialização para uma produção mecanizada.

Os artistas queriam trazer a natureza para a vida cotidiana, explorando elementos da botânica, fauna e flora.

A elegância estava presente na ornamentação de fachadas, decoração de interiores, prédios, objetos e mobiliário. O uso de novos materiais como o vidro, ferro e cimento trazem modernidade ao passo que quebram com a construção estética clássica e histórica.

Há o abuso de formas sinuosas, ondulantes e assimétricas, assim como influência da arte oriental, sobretudo japonesa, da arte medieval, barroco e rococó.

Art Nouveau na arquitetura

O estilo Art Nouveau encontrou na arquitetura um suporte sólido para expressar-se.

Servindo-se de materiais como vidro e ferro, que já eram utilizados em projetos arquitetônicos ferroviários e industriais, os artistas criaram um novo leque de possibilidades estéticas ornamentais.

art nouveau arquitetura
Escadaria em estilo Art Nouveau projetada por Victor Horta no Hotel Tassel

O padrão que se seguia era o de formas orgânicas, ricamente elaboradas para imitar a natureza. Assim, o ferro oferecia a estrutura necessária para sugerir galhos de árvores e torções vegetais, ao passo que o vidro conferia leveza, frescor e modernidade.

Um arquiteto de grande destaque nessa linguagem foi o belga Victor Horta (1861-1947). Através da arte japonesa, ele foi influenciado a repensar a simetria e aventurar-se em formas curvilíneas e sinuosas.

Entretanto, Horta conseguia conciliar essas características com um estilo moderno que trouxe novo vigor à arquitetura.

Outras pessoas importantes para a arquitetura dessa época foram o espanhol Antoni Gaudí (1852-1926) e o francês Hector Guimard (1867-1942).

Art Nouveau na pintura, artes gráficas e design

Para além dos ambientes, a Art Nouveau estava presente nas artes gráficas e na pintura, além do design.

Artistas como Walter Crane (1845-1915) e Kate Greenaway (1846-1901) realizaram ilustrações para livros infantis se valendo do novo estilo. O livro A Bela e Fera foi ilustrado por Crane, que também desenhou temas para estamparia.

Kate produziu também ilustrações infantis e desenhos para cartões de felicitações e dia dos namorados. Ela foi bem reconhecida como ilustradora de livros para crianças.

kate greenaway ilustração
Ilustração de Kate Greenaway no estilo Art Nouveau

Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901), artista francês, colaborou para as artes gráficas criando diversos cartazes publicitários com características da nova arte.

Já na pintura, temos Gustav Klimt (1862-1918) como um dos maiores representantes.

Aluno da Escola de Artes e Ofícios de Viena, Klimt criava obras com caráter decorativo, cheias de arabescos, figuras femininas e predominância da cor dourada, o que de certa forma se assemelhava à arte bizantina.

art nouveau pintura
Retrato de Adele Bloch-Bauer I, de Gustav Klimt. O pintor austríaco tem pinturas em estilo Art Nouveau

A nova arte se revelou no design tanto de objetos utilitários como decorativos.

Assim, na vertente da joalheria temos o francês René Lalique (1860-1945), que criou verdadeiras obras de arte se valendo de pérolas, pedras preciosas, esmalte, vidro, marfim e outros elementos a fim de produzir peças inspiradas na fauna e na flora.

arte nouveau rené lalique
A mulher libélula, peça de René Lalique

Émile Gallé (1846-1904) foi um ceramista, vitralista e marceneiro focado em objetos utilitários como jarros de vidro e mobiliário.

Também utilizando o mobiliário como suporte de sua arte temos o belga Henry van de Velde (1863-1957).

Ambos, assim como os outros artistas dessa vertente, abusaram de linhas sinuosas e inspiração nas formas orgânicas.

Um nome importante do movimento nos EUA foi Louis Comfort Tiffany (1848 a 1933), que dedicou-se à produção de janelas, mosaicos, cerâmicas e outros artefatos.

Art Nouveau no Brasil

No Brasil, a Art Nouveau apresenta sinais no norte do país, indo ao encontro do ápice da produção da borracha (1850-1910). Revela-se na residência de Antonio Faciola, homem da aristocracia local. Nessa região, paradoxalmente, esse estilo se mescla a elementos regionais como a arte marajoara.

No Rio de Janeiro, um edifício que se destaca é o da Confeitaria Colombo, inaugurada em 1894.

art nouveau Brasil
A confeitaria Colombo (1894), no Rio de Janeiro, é um exemplo de arquitetura da Art Nouveau no Brasil

Em São Paulo essa vertente também tem seu lugar. Projetado em 1902 por Carlos Ekman (1866-1940), o edifício onde hoje encontra-se a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP) é um dos prédios que representam o Art Nouveau no país.

Ainda em São Paulo há Victor Dubugras (1868-1933), que elaborou projetos arquitetônicos com inspiração no estilo europeu. Um exemplo é a casa de Horácio Sabino, localizada na Avenida Paulista esquina com a Rua Augusta.

Não pare por aqui, leia também:

Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007 e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design, localizada em São Paulo, em 2010.